Olhar Jurídico

Terça-feira, 17 de setembro de 2019

Notícias / Constitucional

Antonio Joaquim tem recurso negado pelo STF e continua sem aposentadoria

Da Redação - Wesley Santiago

03 Abr 2018 - 16:37

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Antonio Joaquim tem recurso negado pelo STF e continua sem aposentadoria
O recurso interposto pelo conselheiro afastado do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Antonio Joaquim, foi negado pela primeira turma do Supremo Tribunal Federal (STF), nesta terça-feira (03). O objetivo seria reverter a suspensão de seu pedido de aposentadoria da Corte de Contas, proferido pelo ministro Luiz Fux. Apenas um dos cinco ministros votou a favor do conselheiro.

Leia mais:
Sem Antonio Joaquim, PTB se aproxima mais de Wellington Fagundes
 
A primeira turma é composta pelos ministros Alexandre de Moraes, Marco Aurélio, Luiz Fuz, Rosa Weber e Luís Roberto Barroso. Destes, apenas o ministro Marco Aurélio votou a favor do conselheiro.
 
Antonio Joaquim tenta, já há algum tempo, conseguir reaver seu direito de se aposentar do TCE. Sem ela, ele fica proibido de se filiar a partido político. Este novo revés praticamente tira todas as chances do conselheiro disputar o pleito deste ano. Ele tinha o objetivo de ser candidatar ao governo do Estado.
 
Com a demora do Supremo para avaliar o processo, Antonio Joaquim já havia desistido de participar do pleito, no dia 20 de março. Além disto, também interrompeu o processo de aposentadoria. Porém, continua afastado judicialmente.
 
O conselheiro foi afastado pelo Ministério Público Federal (MPF) em setembro do ano passado, mesmo dia em que ele foi alvo da 12ª fase da Operação Ararath, batizada de ‘Malebolge’, um dos desdobramentos da delação premiada de Silval Barbosa.
 
Antonio Joaquim era desde o ano passado cotado para ser o candidato ao Governo do Estado pelo PTB. O presidente nacional do partido, Roberto Jefferson até chegou a declarar que viria a Cuiabá para sua filiação e que o conselheiro afastado seria o presidente regional da sigla.
 
Antônio Joaquim e os conselheiros Waldir Júlio Teis, Valter Albano, José Carlos Novelli e Sérgio Ricardo de Almeida foram afastados do cargo em delação premiada do ex-governador Silval Barbosa para a Procuradoria Geral da República, homologada  do ministro Luiz Fux, do STF.
 
Na época, Antônio Joaquim era presidente do TCE. “Não existe um fiapo de prova contra mim! Vou provar a minha inocência”, sempre insistiu ele, mesmo após o afastamento pelo Supremo.

7 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Imposto pago retorno zero
    12 Abr 2018 às 18:20

    Reverter o pedido ou se aposentar ????

  • marcos gonçalves funcionario publico
    04 Abr 2018 às 10:25

    cadê os 53 milhões desviados para pagar os conselheiros de acordo com o silval em sua delação esse dinheiro deveria voltar para os cofres publicos

  • Chacal
    04 Abr 2018 às 06:57

    Já que foi impedido de se aposentar e se candidatar, aproveite o tempo livre e organize força contra Pedro Taques.

  • CARLOS ALBERTO
    03 Abr 2018 às 20:34

    se o supremo votar favoravel ao habeas corpus do lula, e impedir Antonio Joaquim de se aposentar.... acabou-se as nossas instituições juridicas... pois a mais alta corte do pais tem dois pesos e duas medidas...

  • DEBLAIR ALVES
    03 Abr 2018 às 19:38

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • jose ricardo
    03 Abr 2018 às 18:08

    A confiança na impunidade é muito grande. Uma hora dá zebra.

  • Antônio
    03 Abr 2018 às 17:16

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

Sitevip Internet