Olhar Jurídico

Quinta-feira, 05 de dezembro de 2019

Notícias / Política de Classe

Após adiamentos, TJ retoma julgamento administrativo de juiz Flávio Miraglia

Da Redação - Paulo Victor Fanaia Teixeira

11 Abr 2018 - 09:05

Foto: Reprodução

Após adiamentos, TJ retoma julgamento administrativo de juiz Flávio Miraglia
O Pleno do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) retoma na manhã desta quinta-feira (12) o julgamento administrativo disciplinar do juiz Flávio Miraglia Fernandes. Ele é acusado de vender sentenças.

Leia mais:
Stringuetta encaminha denúncia contra Jarbas para Perri, MP e OAB

O Processo Administrativo Disciplinar foi instaurado pelo Presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso, a época Paulo da Cunha, por meio da Portaria nº 478/2016/PRES, de 24 de agosto de 2016, com lastro na decisão proferida pelo Tribunal Pleno, na sessão extraordinária realizada em 12 de maio de 2016.
 
O referido processo foi instaurado com a finalidade de apurar indícios de desvio de conduta funcional do magistrado, por meio de atos comissivos e omissivos verificados no Procedimento Preliminar Investigativo nº 15/2015, proveniente da Corregedoria-Geral da Justiça.

Sobre o caso, o juiz Miraglia declarou ao Olhar Jurídico, que segue confiante buscando por sua absolvição. Miraglia afirma que algumas acusações são falhas anteriores a sua atuação na Vara - o acúmlo de cartas precatórias, por exemplo. "Não há responsabilidade de qualquer juíz e sim do excesso de cartas precatórias", afirmou.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • jose ricardo
    11 Abr 2018 às 11:55

    Aposto um milhão de dólares que não vai ser condenado apesar de fartas provas. O corporativismo impera no judiciário. Não querem cortar na própria carne.

  • Farias
    11 Abr 2018 às 11:07

    Sera absolvido! Jogo combinado! Coorporativismo puro! Protelaram o julgamento p absolver. Rsrs

Sitevip Internet