Olhar Jurídico

Domingo, 15 de setembro de 2019

Notícias / Agrário

Mesmo após mandado de reintegração de fazenda de Riva, invasores armados permanecem no local

Da Redação - Vinicius Mendes

05 Nov 2018 - 15:29

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

Mesmo após mandado de reintegração de fazenda de Riva, invasores armados permanecem no local
O juiz Emerson Luis Pereira Cajango, da 2ª Vara Especializada do Direito Agrário de Cuiabá, já encaminhou o mandado de reintegração de posse da Fazenda Bauru (Magali), através de carta precatória, à Vara de Colniza para que seja cumprido. Após o deferimento do mandado, no último dia 31 de outubro, muitos ocupantes abandonaram o local, porém, há outros, alguns destes armados, que ainda persistem.
 
Leia mais:
Juiz determina reintegração de posse de fazenda de Riva invadida por 200 pessoas
 
De acordo com o advogado Dauto Passare, que faz a defesa da empresa proprietária da fazenda, a Floresta Viva Exploração de Madeira e Terraplanagem Ltda, da família Riva, o mandado de reintegração de posse já foi expedido. Ele avalia que a Vara de Colniza deve determinar seu cumprimento em breve.

É de competência da 2ª Vara Especializada do Direito Agrário de Cuiabá julgar qualquer conflito de terras no Estado, independente da região. Após decisão do juiz é então encaminhado, quando há, o mandado de reintegração de posse à Vara local, para o cumprimento.

Segundo o advogado Dauto Passare, alguns dos ocupantes que já tomaram conhecimento do mandado de reintegração de posse deferido pela Justiça, voluntariamente já deixaram a fazenda. Porém, alguns armados ainda persistem com a ocupação.
 
“Hoje de manhã eu fiquei sabendo que ainda existem alguns ocupantes que persistem em permanecer no local. Eles têm falado que só vão deixar o local quando forem notificados, e para evitar conflitos vamos esperar os andamentos no Judiciário. Até porque ficamos sabendo que existem pessoas armadas, então para garantir a segurança de todos iremos aguardar”, disse o advogado.
 
A invasão
 
Um grupo de aproximadamente 200 pessoas invadiu nesta segunda-feira (29) a Fazenda Agropecuária Bauru (Magali), que possui 46 mil alqueires e fica localizada na cidade de Colniza. Há dois meses, o Ministério Público Estadual, por meio da Promotoria de Justiça de Colniza oficiou o Governo do Estado sobre risco de conflito armado no local.
 
O clima no local é de tensão já que 30 seguranças privados estão se deslocando para a fazenda. Diante da situação, o MP comunicou novamente as autoridades competentes reiterando providências, já que há possibilidade de um confronto entre posseiros e seguranças.
 
Os invasores afirmam que só deixarão o local se o proprietário, o ex-deputado José Geraldo Riva apresente um documento que comprove a posse da terra. A Secretaria do Estado e Segurança Pública (Sesp) - por meio de nota -  afirma que o policiamento já foi reforçado, com o objetivo de evitar possíveis confrontos armado. A empresa privada, no entanto, relata que não há ostensividade da Polícia Militar na região e teme que a situação torne-se ainda mais crítica.

11 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Silvia
    19 Nov 2018 às 23:49

    Conheço que estão lá dentro,e não estão armados,não são bandidos,muito menos ladrão,estão lutando por um direito delis,ali foi batido contrato de compra e vendas,e mais a matéria diz q estão armados jamais nunca ouvi armad da partes dos 200 homens q estão la,os únicos armados lá dentro são os guachebas do riva,pagos por ele,e mais quem vevi fazendo badernas como queimar pontes,como vcs mesmo viu os vídeos foi elis (gauchebas)o mais feio e q ficam na porteira fingindo ser polícia fazendo revista,humilham da tiros nas pessoas q passa perto ,engraçado é q quem mentiu,sonegação de imposto desviu de Bilhões é anjo né,agora bandidos são aqueles coitados trabalhadores q estão lá dentro affs ,la não tem ninguém com acusações de sonegação de impostos e de desviar Bilhões,e ninguém com a famosa tornozeleira nè,aquilo lá teve contrato ,deu quebra de contrato e. Etc,chega doer o coração de ver q o direito de ir e vir só quem tem lá dentro é seguranças,pm,fazendeiros,e madeireiros,agora os pobres a unica coisa q elis tem direitos são de pagar,as sementes q formou tudo q tem la dentro e pagar pelas estradas q não podem passa porelas??

  • AVANÇA LOGO MT
    19 Nov 2018 às 13:36

    ESSAS TERRAS É DO POBRE TRABALHADOR MAS DO TRABALHADOR !!! E NÃO DE QUEM FICA SÓ ESPERANDO AS COISAS AS CAIR DO CÉU ,QUEM TRABALHA É QUEM SUSTENTA ESSES ESTADO NAS COSTAS !!!

  • Dudu
    06 Nov 2018 às 08:00

    Sendo do Riva eu acho é pouco!!!

  • Nelson
    06 Nov 2018 às 07:30

    Os invasores devem ser os mesmos que o Riva prometia terra em troca de votos. Muita gente veio de Rondônia para Colniza com esta promessa de trocar domicílio eleitoral e votar no Riva que ganhariam terras em Colniza. Conversei com várias familias que disseram a mesma historia, Foram ludibriados. A justiça e o governo deveriam fazer reforma agrária em terras obtidas ilegalmente as custas de rapina dos cofres publicos.

  • Graci Ourives de MIranda
    06 Nov 2018 às 00:21

    Os políticos estão preocupados com moradia, segurança e saúde?

  • Bugre
    05 Nov 2018 às 20:13

    Invasores armados?! Terroristas isso sim! Todos petebas! Pa u neles PM!

  • Juinense
    05 Nov 2018 às 18:34

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Luís Lima
    05 Nov 2018 às 17:43

    Se o Brasil fosse um país sério o estado confiscava a Fazenda e vendia e devolveria pelo menos um pouco que esse bandido roubou dos cofres públicos

  • Critico
    05 Nov 2018 às 16:43

    A fazenda foi adquirida com dinheiro sujo, propina, desvio da assembléia. NAO DESOCUPEM.

  • Rosino(chirrão)
    05 Nov 2018 às 16:25

    Bens de CORRUPTOS e TRAFICANTES deveriam ser 1º CONFISCADO 2º DOADO ou LEILOADO..

Sitevip Internet