Olhar Jurídico

Domingo, 15 de setembro de 2019

Notícias / Constitucional

Ministra Rosa Weber não reconhece decreto de calamidade financeira em MT

Da Redação - Arthur Santos da Silva

29 Jun 2019 - 11:50

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Ministra Rosa Weber não reconhece decreto de calamidade financeira em MT
A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), não reconheceu o decreto de calamidade financeira proposto pelo governo de Mato Grosso e referendado pela Assembleia Legislativa (ALMT).

Leia também
Ministra obriga garantia da União em empréstimo de US$ 250 milhões


Segundo a magistrada, o conceito deve se limitar às catástrofes naturais. A informação consta em ação que pedia aval da União para um empréstimo de US$ 250 milhões.
 
O governo tentou argumentar no STF que o decreto de calamidade financeira suspenderia prazo para readequação na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) em relação a despesas com pessoal, que ultrapassou o limite de 60%.
 
“Entendo que não se mostram suficientes a justificar a incidência da hipótese apta a atrair o conceito de calamidade pública”, salientou a ministra. “Sua definição, a meu sentir, está ligada a fatos extraordinários do mundo físico ou aqueles de força maior, de causa diversa daquelas imputáveis à própria Administração”, complementou.
 
Mesmo com o estouro na LRF e falta de reconhecimento do decreto de calamidade, Rosa Weber determinou à União o dever de dar garantias no empréstimo de US$ 250 milhões em negociação junto ao International Bank for Reconstruction and Development (BIRD). 
 
O contrato negociado com o BIRD objetiva conferir condições para quitação de um antigo contrato de operação de crédito externo firmado com o Bank of America.
 
A quitação possibilitará, segundo o Poder Executivo, um incremento de no fluxo de caixa na ordem de R$ 780 milhões em curto prazo, já que procederá ao alongamento da dívida, a qual, atualmente, obriga o Estado de Mato Grosso a proceder ao pagamento de parcelas semestrais (março e setembro) no importe de US$ 38,8 milhões.

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Mateus
    30 Jun 2019 às 21:33

    Tira dinheiro dos trabalhadores para conceder renúncia físcal ao agronegócio que financiou a campanha do governador. Mato Grosso cresceu 11% ao ano passado. Respeiteite a CF. Art. 136.

  • Paulo nascimento
    30 Jun 2019 às 12:31

    Eu já sabia que isso iria acontecer

  • Sizer
    30 Jun 2019 às 11:00

    A maior calamidade é a falta de vergonha, pra falar bonito: pudor. Durante campanha eleitoral, promessas e mais promessas, defesa de direitos pétreos. Depois, artimanhas políticas e jurídicas sob o olhar contemplativo da justiça (?). Enquanto isso, setores prioritários como educação, saúde e segurança, agonizam em verdadeiro caos.

  • Anderson
    30 Jun 2019 às 10:55

    Calamidade ou nó cego na sociedade!!!

  • Juliana
    29 Jun 2019 às 15:58

    Será que agora o governador vai cumprir a lei 510/2013 e pagar o reajuste para os professores?Não tem mais desculpa, Mauro Mendes!

  • Moacir
    29 Jun 2019 às 12:43

    Só nas cabeças dos digníssimos governador e secretário de finanças, senhora ministra . Desculpa para dá calotes. Precisam investigar as finanças de MT . Algo está errado ou maquiado. Servidores, fornecedores e agora, alunos, sofrendo com as mazelas desse governador.

Sitevip Internet