Olhar Jurídico

Sábado, 21 de setembro de 2019

Notícias / Criminal

Tenente-coronel enviou por WhatsApp suposto documento falsificado para 'limpar' arma

Da Redação - Arthur Santos da Silva

25 Ago 2019 - 11:30

Foto: Alair Ribeiro/Midianews

Tenente-coronel enviou por WhatsApp suposto documento falsificado para 'limpar' arma
O tenente-coronel da Polícia Militar (PM) Marcos Eduardo Ticianel Paccola enviou por mensagem de aplicativo (WhatsApp) documento que comprovaria sua ação para inserir dados falsos em sistema de informação.

Leia também 
Juiz arquiva ação de Leitão contra Selma Arruda e o condena a pagar despesas do processo


A informação consta em decisão judicial da Operação Coverage, deflagrada na quarta-feira (21). A mensagem foi endereçada ao tenente Cleber de Souza Ferreira (confira a imagem no final da matéria).
 
De acordo com a investigação, exame balístico comprovou que uma pistola tipo Glock, 9 mm, pertencente ao tenente Cleber Ferreira foi utilizada em sete crimes de homicídio praticados pelo grupo de extermínio denominado Mercenários.
 
Conforme as investigações, com a finalidade de obstruir as investigações relacionadas aos referidos homicídios, os policiais militares articularam a alteração do registro da arma de fogo, mediante falsificação documental e inserção de dados falsos em sistema da Polícia Militar, tudo para ocultar que na data dos sete crimes de homicídios a pistola já estava em poder do tenente Cleber de Souza Ferreira.
 
A operação visou cumprir mandados de prisão preventiva, busca e apreensão domiciliar e pessoal contra os policiais militares 2º Ten PM Cleber de Souza Ferreira, Ten PM Thiago Satiro Albino, Ten Cel PM Marcos Eduardo Ticianel Paccola e Ten Cel PM Sada Ribeiro Parreira, por crimes de organização criminosa armada, obstrução de justiça, falsidade ideológica e inserção de dados falsos em sistema de informação.

Paccola não foi preso porque conseguiu uma Habeas Corpus preventivo no Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT).
 

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Levi Cuiabano
    26 Ago 2019 às 10:25

    Ai eu pergunto, como esse cidadão chegou ao posto de Ten-Cel? Se ele fosse praça da PM, certamente já teria respondido um IPM, e talvez já estivesse excluído do quadro. Porém, é mais um oficial!

  • Paulo Henrique
    26 Ago 2019 às 10:05

    E o correto tenente Schaefer que os soldados do Bope mataram na trairagem? Os policiais assassinos estão presos? Parabéns ao trabalho do GAECO junto ao Ministério Público. Matar bandido tudo bem, agora matar pessoa de bem tem que queimar no inferno.

  • MT mais transparente
    25 Ago 2019 às 16:33

    Sugiro ao renomado governador a convocação imediata da corregedoria para explanação de todos os processos e sindicância para apurar todos os desvios e promover transparência. Sugeria transparência de todos procedimentos e porque inteligência não ajuda a apura

  • Recruta 2016
    25 Ago 2019 às 12:00

    Se fosse praça estaria lascado

  • Ângelo
    25 Ago 2019 às 11:40

    Calma, é só mais um cidadão de bem ... mais um bolsominion que se acha acima da lei ...

Sitevip Internet