Olhar Jurídico

Quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Notícias / Criminal

Receita Federal recebe informações sobre lavagem de dinheiro liderada por Silval

Da Redação - Arthur Santos da Silva

16 Set 2019 - 08:14

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Receita Federal recebe informações sobre lavagem de dinheiro liderada por Silval
A juíza Ana Cristina Mendes, da Sétima Vara Criminal, compartilhou provas sobre desvio de R$ 7 milhões com o auditor-fiscal da Receita Federal do Brasil, Mauro Celso Gomes Ferreira. As informações foram produzidas durante instrução de processo proveniente da Operação Seven, segunda fase, que apurou o desvio de R$ 7 milhões dos cofres públicos de Mato Grosso.

Leia mais:
Chefe do MPF não descarta que escolha de Bolsonaro para PGR serviu para beneficiar senador
 
A informação sobre o compartilhamento consta de decisão do dia 13 de setembro. A ação cuida de crimes de lavagem de alta soma de dinheiro proveniente de peculato contra o erário estadual, praticado por organização criminosa que tinha como líder o próprio dovernador do Estado, Silval Barbosa, e como integrantes vários secretários de Estado, assessores, empresários e parentes.
 
A Operação Seven apurou esquema que consistiu no desvio de R$ 7 milhões do Estado, concretizado por meio da compra de uma área rural de 727 hectares na região do Lago de Manso, em Chapada dos Guimarães.
 
Segundo o Ministério Público, a área já pertencia ao Estado e foi adquirida novamente do médico Filinto Corrêa da Costa, com preço superfaturado de R$ 4 milhões. O valor desviado teria sido “lavado” pelos integrantes do esquema para ocultar os crimes.
 
A Seven foi dividida em dois processos. A decisão que compartilhou informações com a Receita foi estabelecida na ação da segunda fase. Nela, são réus: o médico Filinto Correa da Costa; o procurador aposentado Francisco Gomes de Andrade Lima Filho, o Chico Lima; e os ex-secretários de Estado Pedro Jamil Nadaf e Marcel Souza de Cursi.
 
Também são réus o ex-presidente do Intermat, Afonso Dalberto; o ex-presidente da Metamat, João Justino Paes de Barros; o ex-diretor do Sesc em Mato Grosso, Marcos Amorim da Silva; o fazendeiro Roberto Peregrino Morales; e os empresários Luciano Cândido do Amaral, Antônia Magna Batista da Rocha e André Luiz Marques de Souza.
 
Na primeira fase, se tornaram réus Silval da Cunha Barbosa, Pedro Jamil Nadaf, José de Jesus Nunes Cordeiro, Filinto Correa da Costa, Francisval Akerley da Costa, Arnaldo Alves de Souza Neto, Afonso Dalberto, Claúdio Takayuki Shida, Wilson Gambogi Pinheiro Taques, Francisco Gomes de Andrade Lima Filho.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • trabalhador
    16 Set 2019 às 14:47

    verdade Jose a impressao que nos dá é que realmente o crime compensa e inversão de valores,

  • José
    16 Set 2019 às 08:47

    E o cara solto usufruindo o dinheiro do povo. Aqui o crime vale a pena.

Sitevip Internet