Olhar Jurídico

Terça-feira, 22 de outubro de 2019

Notícias / Criminal

Interceptações registram mais de 100 chamadas feitas por secretário de Silval a números do TCE

Da Redação - Arthur Santos da Silva

20 Set 2019 - 17:02

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Arnaldo Alves De Souza Neto

Arnaldo Alves De Souza Neto

Relatório de interceptações telefônicas produzidas pelo Ministério Público Federal (MPF) demonstra que o ex-secretário de Estado de Planejamento, Arnaldo Alves, ligou nove vezes para o celular do conselheiro do Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE), Sérgio Ricardo, no dia 6 de maio de 2014.

Leia também 
Seis presos por morte de mulher há dez anos viram réus na Justiça
 

Informações constam em investigação no Superior Tribunal de Justiça (STJ) que afastou cinco conselheiros do TCE. Os dados devem influenciar no julgamento para decidir sobre a possibilidade do restabelecimento dos membros da corte.
 
Segundo o MPF, Arnaldo era homem de confiança de Silval e se tornou responsável por distribuir propina aos conselheiros. Ele também fez 102 contatos telefônicos com um celular institucional do TCE, durante o período da quebra do sigilo, de primeiro de janeiro de 2013 a dezembro de 2014. 
 
O MPF também apresentou relatório referente a quebra de sigilo telefônico do procurador aposentando Francisco Gomes de Andrade Lima Filho, o Chico Lima. Ele seria o responsável por contatar os proprietários das áreas a serem desapropriadas a fim de solicitar o pagamento de vantagem indevida. Chico Lima fez  oito ligações para telefones institucionais do TCE.
 
Conselheiros afastados

As investigações, provenientes do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizaram busca e apreensão em domicílio e deferiram o afastamento cautelar em agosto de 2017 de cinco conselheiros do Tribunal de Contas: José Carlos Novelli, Antônio Joaquim Moraes, Waldir Júlio Teis, Walter Albano da Silva e Sérgio Ricardo de Almeida.

Recentemente o ministro Raul Araujo, membro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), estabeleceu prazo para que haja manifestações das partes antes do julgamento que pode reconduzir cinco conselheiros.
 
As revelações contra os conselheiros inicialmente eram oriundas principalmente do acordo de colaboração premiada do ex-governador de Mato Grosso, Silval Barbosa, na Procuradoria-Geral da República (PGR). O ex-secretário de Casa Civil, Pedro Nadaf, também contribuiu com revelações.
 
Investigação aponta prática dos delitos de corrupção passiva, sonegação de renda, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • jose a silva
    21 Set 2019 às 08:11

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • POVO e a REVOLTA
    21 Set 2019 às 07:04

    PIZZAAAAAAAAA MARMELADAAAAAAAAAA, ABACAXIIIIIIIIIIIIIII BANANAAAAAAAAA FAROFAAAAAAAAAAA é o que vi virar isso ROLO FUMOOOOOOOOOOO só as (((FORÇAS ARMADAS))) pra interver nesse SUPREMO

  • Marcos Paulo
    20 Set 2019 às 20:13

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • marcelo augusto de oliveira cunha
    20 Set 2019 às 17:29

    TEMOS TUDO PARA MORALIZAR A NOSSO TCE, MAS, A AL NÃO PERMITE, INSISTE EM COLOCAR SEUS INDICADOS ($$$$$$$$).

Sitevip Internet