Olhar Jurídico

Sábado, 14 de dezembro de 2019

Notícias / Criminal

Jandir Milan deixava propina mensal em banheiro ou na FIEMT, afirmam delatores

Da Redação - Arthur Santos da Silva

14 Nov 2019 - 14:51

Foto: Reprodução

Jandir Milan deixava propina mensal em banheiro ou na FIEMT, afirmam delatores
Os ex-secretários de Estado César Roberto Zílio e Pedro Elias Domingos de Melo, delatores premiados junto ao Ministério Público de Mato Grosso (MPE), relataram em depoimento como era realizado pagamento de propina por parte do empresário Jandir Milan, dono da empresa Ábaco Tecnologia da Informação. Alguns pagamentos foram realizados em um banheiro da Secretaria de Administração (SAD), outros na Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso (FIEMT).

Leia também 
Zílio, Pedro Elias, Jandir Milan e mais dois são processados por fraudes de R$ 34 milhões

 
Segundo Zílio e Pedro Elias, o próprio Jandir Milan ofereceu espontaneamente o pagamento de propina para que repasses do governo à Ábaco não sofressem atrasos. Em depoimento, Zílio detalhou as tratativas, afirmando que foi procurado logo que assumiu a Secretaria de Administração, em 2011.
 
“O pagamento da propina aconteceu na sequência [do encontro], sempre de forma aleatória e voluntária por parte de Jandir; que Jandir ia até a SAD, sem avisar, sem regularidade, levando ao interrogando as propinas em dinheiro; que Jandir sempre entrava na sala do interrogando e se dirigia até o banheiro, deixando dentro um envelope grande, em espécie, os valores pagos a título de propina feito por Jandir Milan”, diz trecho do depoimento.
 
Depoimento de Pedro Elias, que assumiu a Secretaria de Administração em 2014, também é citado. Segundo o delator, houve oferecimento de propina mensal no montante de R$ 20 mil, “sempre em dinheiro em espécie”.
 
“O interrogando aceitou tal oferta de Jandir Milan e este lhe entregou, todos o mês a partir de março de 2014 a novembro de 2014, em seu gabinete na SAD e também na FIEMT, eis que Jandir Milan era presidente da FIEMT, o exato valor de R$ 20.000,00 (vinte mil reais) em dinheiro”, afirma depoimento de Pedro Elias.
 
Ação
 
O Ministério Público de Mato Grosso denunciou por ato de improbidade administrativa César Roberto Zílio, Pedro Elias Domingos de Mello, José de Jesus Nunes Cordeiro e o empresário Jandir Milan, dono da empresa Ábaco Tecnologia da Informação.
 
Há pedido de ressarcimento ao erário no montante de R$ 34 milhões. Consta ainda como alvo do processo pessoa identificada como Bruno Sampaio Saldanha. A denúncia do dia 13 de novembro foi formulada pelo promotor de Justiça Clovis de Almeida Junior.
 
A ação é embasada em inquérito civil instaurado para apurar possíveis atos de improbidade administrativa relacionados a certame público de 2011 em que se sagrou vencedora a empresa Ábaco.
 
Foram identificadas ramificações na Secretaria de Segurança, no Centro de Processamento de Dados do Estado de Mato Grosso (Cepromat), na  Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração, na Universidade Estadual de Mato Grosso e na Secretaria de Educação. Montante total foi contabilizado em R$ 24 milhões. Houve ainda uma prorrogação da ata de registro de preço, aumentando o suposto rombo para R$ 34 milhões.
 

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • kono
    14 Nov 2019 às 17:28

    Todos os Empresários querem adentrar para a política para fazerem o que mais gostam, gostam não amam o dinheiro que pra eles é tudo, tudo gira em torno da gaita, e depois poe a culpa nos servidores , na previdência, mas na verdade, eles surrupiam o dinheiro público, Há uns blocos de empresariados todos em prol deles mesmo, um apoiando o outro para lascar com servidores e usuários do serviços públicos.

  • Antonio Carlos
    14 Nov 2019 às 15:29

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

Sitevip Internet