Olhar Jurídico

Segunda-feira, 28 de setembro de 2020

Notícias / Criminal

Emanuel diz sofrer na carne, mas vê investigação como necessária para revelar conluio de adversários

Da Redação - Arthur Santos da Silva

07 Dez 2019 - 08:12

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Emanuel diz sofrer na carne, mas vê investigação como necessária para revelar conluio de adversários
O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), classificou como “necessário” o requerimento do Ministério Público de Mato Grosso (MPE), por meio do Núcleo de Ações de Competência Originária (Naco) Criminal, para instauração de inquérito policial sobre possível ocorrência de corrupção ativa praticada, supostamente, pelo político. O chefe do Executivo municipal disse ainda ter certeza que a investigação será isenta e imparcial.

Leia também 
MPE requisita instauração de inquérito para denúncia envolvendo prefeito, vereadores e servidora
 

“Estou sofrendo na carne os malefícios de uma mentira; uma injúria com único intuito de atingir minha imagem como prefeito de Cuiabá”, comentou o prefeito em nota oficial divulgada no começo da noite de sexta-feira (6).
 
O caso é referente à denúncia da servidora Elizabete de Almeida, que afirmou que Emanuel teria tentado comprar votos para cassar Abílio Junior (PSC). Ainda segundo o político, a investigação é o instrumento adequado para desmascarar todo conluio e apontar os seus verdadeiros autores.
 
O requerimento do MPE, assinado pelo coordenador do Núcleo de Ações de Competência Originária (Naco) Criminal, Domingos Sávio, já foi entregue aos delegados das Delegacias Especializadas de Crimes Tributários (Defaz) e de Combate à Corrupção (Deccor).
 
O Naco Criminal instaurou Notícia de Fato a partir do expediente encaminhado pelos delegados, que noticia possível crime praticado pelo prefeito. Contudo, o coordenador do núcleo está ciente de que há versões divergentes sobre os fatos.
 
O caso

O vereador Abílio Junior sofre processo de cassação na Câmara por supostos excessos cometidos fora do parlamento. Ao longo desta investigação, surgiu como testemunha contra o vereador a servidora Elizabete Maria de Almeida. O depoimento dela, no entanto, acabou sendo favorável ao parlamentar. Ela disse ter presenciado uma reunião na casa do vereador Juca do Guaraná (Avante) em que o prefeito Emanuel Pinheiro teria aparecido e oferecido dinheiro para comprar votos pela perda do mandato de Abílio.
 
As informações repassadas pela testemunha foram encaminhadas para a Delegacia Fazendária (Defaz) e Gaeco. É neste momento que o nome do governador Mauro Mendes acabou envolvido. O prefeito Emanuel Pinheiro encaminhou à Assembleia Legislativa denúncia de que Mendes teria tentado forçar a Defaz a investigar a denúncia e que afastou os delegados que se recusaram a fazê-lo.
 
Segundo Pinheiro, Mendes estaria usando politicamente a delegacia para prejudicá-lo. A Assembleia Legislativa sinaliza que não irá abrir investigação sobre o assunto.
 
Na Câmara Municipal de Cuiabá, o vereador Juca do Guaraná entregou imagens do circuito interno do condomínio em que mora e registros de entrada e saída de visitantes para provar que Elizabete Jamais esteve no local.
 
Ele confirma que se reuniu com vereadores em casa e sustenta que as imagens apresentadas pela denunciante são fragmentos de postagens feitas pelos próprios participantes do evento. 
 
Confira a nota
 

Nota sobre a Notícia de Fato nº 016626-001/2019, instaurada neste Núcleo de Ações de Competência Originária – NACO.
 
A instauração do inquérito pelo órgão competente do Ministério Público estadual significa o início de uma investigação necessária, isenta e imparcial.
 
A apuração e elucidação dos fatos é objeto da denúncia que fiz junto à Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso.
 
Estou sofrendo na carne os malefícios de uma mentira; uma injúria com único intuito de atingir minha imagem como prefeito de Cuiabá.
 
A investigação é o instrumento adequado para desmascarar todo esse conluio, apontar os seus verdadeiros autores e, principalmente, os indivíduos que ardilosamente contribuíram para a atitude criminosa da servidora.
 
Por fim, me coloco à inteira disposição do Ministério Público na certeza de que a JUSTIÇA será feita e os fatos devidamente esclarecidos.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet