Olhar Jurídico

Terça-feira, 22 de setembro de 2020

Notícias / Eleitoral

Eleição suplementar só deve acontecer depois de março e custará cerca de R$ 9 milhões

Da Redação - Carlos Gustavo Dorileo / Do Local - Arthur Santos

11 Dez 2019 - 11:01

Foto: Olhar Direto

Eleição suplementar só deve acontecer depois de março e custará cerca de R$ 9 milhões
A eleição suplementar em decorrência da cassação da senadora Selma Arruda (Pode) determinada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nesta terça-feira (10), deve acontecer somente depois do mês de março de 2020 e custará algo em torno de R$ 9 milhões. A informação foi confirmada pelo presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE), desembargador Gilberto Giraldelli.

Leia também
Após confirmação de cassação, Selma diz que sofreu perseguição por combater corrupção

 
De acordo com o magistrado, a eleição só poderá ser estabelecida após a decisão da cassação da senadora ser publicada pelo TSE. “Após esta publicação, haverá uma reunião para deliberar uma data das novas eleições”, disse.

Ainda conforme o desembargador, o TRE segue datas fixas estabelecidas pelo TSE nos meses de janeiro, fevereiro, março, abril, maio e junho para realizar um novo pleito. Pela proximidade, as datas de janeiro e fevereiro já foram descartadas.

O custo para uma nova eleição para escolher um novo senador, segundo o magistrado varia de R$ 8 à R$ 9 milhões e existe a possibilidade de Selma Arruda, assim como os suplentes de sua chapa serem responsabilizados pelo custeio.

“Em tese é possível responsabilizar as partes para pagamento. Mas depende da Advocacia Geral da União (AGU), que precisa entrar com um pedido de responsabilização. Isso só deve ocorrer após o TRE identificar os gastos com exatidão”, afirmou.

O Plenário do TSE negou, em sessão na noite desta terça-feira (10), o recurso da senadora Selma Arruda e manteve decisão do TRE pela cassação do diploma pela prática de abuso do poder econômico e arrecadação ilícita de recursos nas eleições de 2018.

A decisão foi estabelecida por maioria com seis votos a um. Apenas Edson Fachin votou por reverter a cassação. O relator determinou a execução imediata do julgado.
A corte ainda determinou a realização de uma nova eleição, impedindo a diplomação do terceiro colocado no pleito de 2018, o ex-vice-governador Carlos Fávaro (PSD).

Comentários no Facebook

Sitevip Internet