Olhar Jurídico

Quarta-feira, 22 de janeiro de 2020

Notícias / Criminal

Jornalista réu por extorsão pede que cabo dos grampos seja ouvido em ação

Da Redação - Arthur Santos da Silva

12 Dez 2019 - 14:00

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Jornalista réu por extorsão pede que cabo dos grampos seja ouvido em ação
Juiz Jorge Luiz Tadeu, da Sétima Vara Criminal de Cuiabá, pediu que o Ministério Público (MPE) se manifeste sobre a possibilidade de oitiva do cabo da Polícia Militar, Gerson Correa Júnior, no processo proveniente da Operação Liberdade de Extorsão. A ação já estava conclusa para sentença.

Leia também 
Justiça arquiva processo contra líder do Comando Vermelho encontrado morto na PCE

 
O pedido partiu do réu Antônio Carlos Milas de Oliveira. Gerson Correa Júnior é um dos principais nomes do caso conhecido como Grampolândia Pantaneira, que investiga e julga interceptações telefônicas realizadas de forma criminosa em Mato Grosso.
 
De acordo com a denúncia do Ministério Público, cinco jornalistas são acusados de levantar informações de agentes políticos, empresários que detinham contratos com o poder público e pessoas físicas de alto poder aquisitivo, para cometer o crime.

Na ação são réus: Antônio Carlos Milas de Oliveira e seus filhos Max Feitosa Milas e Maykon Feitosa Milas, do grupo Milas e Comunicação, ligados ao jornal Centro-Oeste Popular; o editor-chefe do Brasil Notícias, Naedson Martins da Silva; e os jornalistas Antônio Peres Pacheco e Haroldo Ribeiro de Assunção.
 
Entre as supostas vítimas dos jornalistas estão Silval Barbosa, ex-governador, e Pedro Nadaf, ex-secretário de Casa Civil.
 
Anulação
 
O magistrado também requereu manifestação do Ministério Público sobre pedido de anulação dos atos decisórios da juíza aposenta Selma Rosane Arruda, que atuou no caso antes de se eleger senadora.
 
Há acusação de que Selma, enquanto juíza, teria quebrado o dever de imparcialidade, tanto subjetiva quanto objetivamente.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet