Olhar Jurídico

Segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

Notícias / Civil

Justiça constata sociedade familiar envolvendo delator e nega recuperação judicial de construtora

Da Redação - Arthur Santos da Silva

13 Dez 2019 - 11:38

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Justiça constata sociedade familiar envolvendo delator e nega recuperação judicial de construtora
A juíza Anglizey Solivan de Oliveira, da Primeira Vara Cível de Cuiabá, negou pedido de recuperação judicial da empresa Guizardi Junior Construtora e Incorporadora, com dívidas de R$ 6,5 milhões. Ficou constatado tentativa de recuperação cruzada com a Dínamo Construtora Ltda.

Leia também 
Julgamento sobre retorno de conselheiros do TCE é adiado para fevereiro de 2020

 
A Guizardi Junior Construtora e a Dínamo Construtora Ltda ocupam o mesmo espaço, possuem seus quadros societários pessoas da mesma família e desenvolvem o mesmo trabalho. A Dínamo, porém, está em recuperação judicial desde o ano de 2015.
 
Complicando ainda mais o contexto, a Guizardi Junior apresentou como principal credora justamente a Dínamo Construtora, com passivo de aproximadamente R$ 2,8 milhões, ou seja, 43,59% do montante apresentando no pedido de recuperação alvo de rejeição.
 
“No caso em análise, nada obstante inexista identidade na composição societária das empresas em questão, é incontestável que ambas possuem uma relação íntima e visceral, haja vista o compartilhamento dos equipamentos que integram os ativos da empresa mais antiga, além da totalidade das áreas que compreendem as sedes de ambas empresas que exercem idêntica atividade empresarial”, afirmou a magistrada.
 
O quadro societário da Guizardi Junior Construtora tem em sua formação Miguel Guizardi Júnior, pai de Giovani Belatto Guizardi, dono da Dínamo.

“Destarte, sob a ótica da consolidação substancial, as empresas em questão podem ser tidas como uma única, ainda que do ponto de vista formal sejam pessoas jurídicas distintas”, argumentou a magistrada de que indeferiu pedido de recuperação.
 
Giovani Guizardi é réu e delator premiado na Operação Rêmora, por fraudes na Secretaria de Educação de Mato Grosso.
 
A Operação Rêmora investigou esquema de fraudes em obras de reforma e construção de escolas que inicialmente estavam orçadas em R$ 56 milhões. Diversas empresas compunham, segundo o Ministério Público, cartel capaz de gerar favorecimentos e desvio de dinheiro público.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • jose ricardo
    13 Dez 2019 às 14:51

    Já está passando da hora dessa família começar a pagar por seus atos. Vamos ver se a justiça de Mato Grosso não nos envergonha mais uma vez.

  • nelson
    13 Dez 2019 às 14:46

    Putz se esse pessoal ver um montinho verde, estão de quatro, tudo é uma questão do montinho

  • Joao
    13 Dez 2019 às 14:07

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

Sitevip Internet