Olhar Jurídico

Quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020

Notícias / Civil

Promotora instaura investigação para apurar condições de penitenciária

Da Redação - Arthur Santos da Silva

07 Jan 2020 - 15:50

Foto: Reprodução

Promotora instaura investigação para apurar condições de penitenciária
A promotora de Justiça Alice Cristina de Arruda e Silva Alves, membro do Ministério Público de Mato Grosso (MPE), instaurou inquérito para investigar as condições da Penitenciária Major PM Zuzi Alves da Silva, na cidade de Água Boa (456 km de Cuiabá).

Leia também 
TRE sinaliza final de abril como possível data para eleição suplementar ao Senado


Conforme informações da portaria de instauração, inquérito tem como base ofício noticiando a falta de condições básicas de higiene e medicamentos. Constam ainda cartas manuscritas pelos detentos informando falta de atendimento médico e condições sanitárias inadequadas.
 
Durante oitiva, detento identificado como Celso Francisco afirmou ainda que não há separação entre presos diagnosticados com doenças contagiosas. Ciente dos fatos, Alice Cristina de Arruda e Silva Alves determinou abertura de inquérito civil no dia 19 de dezembro.
 
A promotora de Justiça determinou que a Secretaria de Justiça do Estado de Mato Grosso explique a situação da unidade penitenciária no prazo de 20 dias. A Penitenciária Major PM Zuzi Alves da Silva possui cinco raios com nome de cores (azul, amarelo, vermelho, verde e laranja) e capacidade para 360 vagas. 

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Servidor
    09 Jan 2020 às 18:30

    Primeiro que ouvir um detento igual esse com certeza ele vai falar mal já que eles vêm encontrando dificuldades para praticar crimes e ou ordenar , segundo que será que a promotora procurou saber ao certo como que funciona a penitenciária ou se os fatos são verdadeiros ? O detento tem sim o direito como qualquer uma pessoa livre mas ele também tem deveres e na maioria das vezes não querem cumprir

  • Correa
    08 Jan 2020 às 09:02

    O MPE tem que primeiro averiguar as condições de trabalho do servidor , dos funcionários públicos que atuam no local insalubre em primeiro lugar !! Os presos tem que ficar em segundo plano. ...Que país é esse que fica o tempo todo defendendo vagabundo !! A Promotora de justiça é sem noção , justiça de fezes do Brasil.

  • dauzanades
    07 Jan 2020 às 20:51

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK PIADA DO ANO KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Sitevip Internet