Olhar Jurídico

Quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020

Notícias / Civil

Promotor instaura inquérito contra digital influencer por divulgação e venda de falso remédio natural

Da Redação - Vinicius Mendes

15 Jan 2020 - 17:01

Foto: Reprodução

Promotor instaura inquérito contra digital influencer por divulgação e venda de falso remédio natural
O promotor Márcio Florestan Berestinas, da 3ª Promotoria de Justiça Cível de Sorriso (a 397 km de Cuiabá), instaurou inquérito civil para investigar a divulgação e comercialização do produto Moder Diet  Gold pela digital influencer Paula Biazin. Ela foi presa no dia 28 de dezembro de 2019 acusada de anunciar e vender o produto.
 
Leia mais:
“Pagando o pato por alguém que me enganou”, diz influencer após ser presa com falso remédio natural
 
Na portaria assinada no último dia 8 de janeiro o promotor cita que recebeu uma documentação que foi encaminhada pela 1ª Promotoria de Justiça Criminal da Comarca de Sorriso, relatando, em síntese, a divulgação e comercialização do produto Moder Diet Gold por parte de Paula Adriana Biazin Gandolfi, sem registro na Anvisa, sem comprovação de origem e sem Alvará Sanitário, nas dependências do Park Shopping Sorriso.
 
O promotor ainda citou uma resolução da Anvisa que suspendeu a fabricação, distribuição, e uso dos produtos Cura Tudo e Moder Diet, fabricados pela empresa Kirpoten Ind. Com. Suplementos Alimentares.
 
Através de seu perfil no Instagram, com mais de 317 mil seguidores, Paula fazia a propaganda do Moder Diet Gold – “extrato de ervas, maneira eficaz e segura de perder peso”. O produto é vendido como fitoterápico, mas contém substâncias como sibutramina, fluoxetina e diazepam.
 
A influencer disse que não tinha conhecimento sobre as substâncias contidas no produto e que uma pessoa de confiança a havia convencido a vendê-lo. Ela foi solta após pagar fiança de R$ 4,9 mil.
 
O promotor solicitou os autos da investigação da Polícia Civil, determinou diligências no Park Shopping Sorriso. Ele ainda notificou Paula a comparecer na promotoria do município no próximo dia 17 de janeiro.

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Maria Alice Pedra 90
    16 Jan 2020 às 12:38

    Viram ela fazendo cara de coitadinha depois que foi pega? Nauseante. Repugnante. Escorchante.

  • Patropi
    16 Jan 2020 às 07:49

    Se a justiça fosse rápida desse jeito com os verdadeiros criminosos, não haveria tanta bandidagem

  • nonato
    15 Jan 2020 às 18:17

    injustiça a moça é inocente,,ela na sabia que tinha sibutramina e iutras drogas loucas pelo meio, tavaso defendendo uns trocados pra ela....na hora de vender é produto natural, na hora de resoonder na justa ela é inocente

  • Jonathan Tim
    15 Jan 2020 às 18:09

    Bem feito. Os rigores da lei para ela.

  • Rafael
    15 Jan 2020 às 17:44

    Isso e normal ela tem grana "fama" não vai dar em nada o certo era cadeia .... Esses remédios são drogas ... Ela deveria ser colocada no art 33 por vender drogas ... Agora vai alegar que não sabia kkkkk

Sitevip Internet