Olhar Jurídico

Sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

Notícias / Criminal

Justiça marca audiência em ação sobre supostos homicídios a mando de Júlio Campos

Da Redação - Arthur Santos da Silva

16 Jan 2020 - 16:59

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Justiça marca audiência em ação sobre supostos homicídios a mando de Júlio Campos
O juiz Claudio Juliano Filho, da Primeira Vara do Júri do Foro Central Criminal de São Paulo, marcou para o dia 28 de abril audiência envolvendo o ex-governador de Mato Grosso e ex-senador, Júlio Campos (DEM), parte em processo sobre dois homicídios.

Leia também 
MPF e companhia enérgica firmam termo de R$ 4 mi para compensação por impactos socioambientais

 
Julio Campos foi denunciado em 2013 pela prática dos delitos de homicídio qualificado por duas vezes e formação de quadrilha. Até o dia 28 de abril de 2020, data da próxima audiência, a Justiça deve se manifestar sobre a prescrição completa do caso.
 
Segundo a peça acusatória, a origem do crime ocorreu em uma negociação. O político, segundo o Ministério Público, idealizou e executou a falsificação do contrato social da empresa Agropastoril Cedrobom Ltda.
 
A Agropastoril Cedrobom tinha como proprietários Antônio Ribeiro Filho e Marcos Daniel Ribeiro. Com a negociação, Campos transferiu a empresa para Nauriá Alves de Oliveira e Delci Baleeiro Souza (dois de seus funcionários supostamente usados como laranja).

Ainda segundo acusação, posteriormente, para assegurar a falsificação, o político mandou matar Nicolau Ladislau Ervi Haralyi, geólogo que havia constatado uma grande reserva de metais e pedras preciosas na fazenda, além de Antônio Ribeiro Filho, antigo proprietário da empresa. Os delitos foram praticados em 2004.
 
Inicialmente o processo tramitou o Supremo Tribunal Federal (STF), por prerrogativa de foro. Quando da denúncia, Júlio Campos ocupava o cargo de deputado federal.
 
Possível prescrição

Buscando o reconhecimento da prescrição da pretensão punitiva, a defesa de Júlio impetrou recurso no Tribunal de Justiça de São Paulo, o qual foi concedido apenas quanto ao delito de formação de quadrilha.
 
Julio Campos então recorreu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). Ele alegou que o prazo prescricional deve ser reduzido pela metade, pois possui mais de 70 anos. O ministro Joel Ilan Paciornik, do STJ, determinou no dia 11 de dezembro que a Justiça de São Paulo reaprecie possível prescrição.
 
Parecer do MP
 
A decisão do STJ foi citada pela defesa de Julio Campos, representada pelo advogado Paulo Fabrinny, durante audiência de instrução ocorrida no dia 18 de dezembro. Na ocasião, porém, o Ministério Público pediu vista dos autos para se manifestar.
 
Nova audiência foi marcada para o dia 28 de abril.

Outro lado

A reportagem entrou em contato com Julio Campos. Ele negou os crimes e afirmou que o processo deve ser declarado como prescrito. 

O Olhar Jurídico tentou entrar em contato com advogado do político. As ligações, porém, não foram atendidas. 
 

21 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Eleitora
    18 Jan 2020 às 12:09

    Não seria mais ético o senhor ex-governador, provar a inocência, a alegar prescrição do processo??

  • Eleitora
    18 Jan 2020 às 12:09

    Não seria mais ético o senhor ex-governador, provar a inocência, a alegar prescrição do processo??

  • Orione Jr
    17 Jan 2020 às 16:15

    Quem conhece pessoalmente esse cidadão: Julio José de Campos, sabe perfeitamente da montagem dessa historia do crime de S.Paulo, era uma verdadeira chantagem que Delegados-Advigados e Policiais corruptos de São Paulo,fizeram com o Dr.Julio. Tudo fake-news, tanto que nunca foi aceito pelo Ministro Marco Aurelio de Mello, do Supremo Tribunal Federal.

  • Jr
    17 Jan 2020 às 08:32

    O olhar jurídico e olhar direto só lembrou disso agora quando o político ventilou candidatura? Sinceramente, desde a eleição do BOZO, essa empresa de comunicação tem publicado cada matéria e em ocasiões específica. Mas enfim, temos a opção de não abrir o site, não é?

  • Ana
    17 Jan 2020 às 08:02

    Da justiça dos homens pode ser que ele escape, mas da de Deus...

  • Roberto rezende
    17 Jan 2020 às 07:52

    QUERENDO SE ELEGER, PRA MAIS UMA VEZ, FUGIR DA LEI!!

  • marcos
    17 Jan 2020 às 07:51

    Isso não é uma novidade para nenhum de nós,o pior são aqueles que ainda persistem em Votar nesse tipo de Gente.

  • pedalada
    17 Jan 2020 às 07:33

    Se negou os crimes como pode pedir prescrição dos mesmos?

  • Nascimento
    17 Jan 2020 às 07:16

    Devido a tanto empenho pela prescrição me faz crer que as acusações são verdadeiras.

  • cidadão
    17 Jan 2020 às 07:14

    se o processo já tem mais de 70 anos, pergunto: quantos anos Julinho tinha quando mandou matar essa pessoa. , , , ,??

Sitevip Internet