Olhar Jurídico

Quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

Notícias / Criminal

Juíza manda soltar oito suspeitos de explodir caixas eletrônicos em agência do Banco do Brasil

Da Redação - Vinicius Mendes

22 Jan 2020 - 11:54

Foto: Reprodução

Juíza manda soltar oito suspeitos de explodir caixas eletrônicos em agência do Banco do Brasil
A juíza Silvana Ferrer Arruda, da 5ª Vara Criminal de Cuiabá, determinou a soltura de oito acusados de explidirem caixas eletrônicos de uma agência do Banco do Brasil, na região do CPA em Cuiabá, em setembro de 2019. Eles foram presos pela Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) um dia após o crime. O Ministério Público afirmou que haverá atraso na marcha processual e que isso prejudicaria os réus.
 
Leia mais:
Criminosos explodem caixas eletrônicos de agência em Cuiabá; fotos
 
Em uma decisão desta terça-feira (21) a juíza Silvana Ferrer Arruda determinou a expedição do alvará de soltura de Erick Felipe da Silva Almeida, Wancley Etchever de Campos, Gabriel David de Campos Silva, Eneilton de Oliveira Martins da Conceição, André Felipe Alves Mendes, Leonardo de Souza Novais Alencar, Maxwell Nogueira Silva e Luan Reis do Nascimento, acusados de integrar a quadrilha que explodiu caixas eletrônicos no Banco do Brasil.
 
Ela afirma que já houve o encerramento processual, sendo ouvidas as testemunhas e interrogados os réus. A juíza cita manifestação do Ministério Público, na qual diz que diligências complementares ainda devem ser realizadas, “as quais irão levar tempo incerto para conclusão, fato que acarretará inevitável atraso na marcha processual, não podendo os réus arcarem com a segregação de suas liberdades”.
 
Esta demora tornaria as prisões ilegais à luz da lei processual penal, privando os réus do direito de serem processados em prazo razoável, além do direito das vítimas e da sociedade em ver o crime esclarecido, com a punição dos reais culpados.
 
“Se assim é, o Estado-juiz não pode compactuar com ilegalidades, punindo ad eternum os réus pelos delitos processados nestes autos, sendo, portanto, imperioso concedermos as suas liberdades provisórias, evitando, assim, que o prazo de formação da culpa exceda aquele parâmetro estabelecido em lei, todavia, aplicando medidas cautelares em substituição à prisão”, disse a juíza.
 
A magistrada impôs medidas cautelares de comparecimento a todos os atos em que haja necessidade de presença, manter o comprovante de residência e número de telefone atualizado e recolhimento noturno em domicílio nos dias de folga (sábados, domingos e feriados, durante o dia e a noite), além do recolhimento domiciliar nos dias úteis, no período das 20hrs da noite até as 06hrs da manhã, salvo comprovada existência de ocupação lícita que o force a permanecer nas dependências do local onde exerce seu trabalho.

7 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Mazaropi
    23 Jan 2020 às 08:02

    Só no Brasil mesmo.... Só na cabeça de um magistrado que os referidos "vitimas da marcha processual" respeitarão tais medidas cautelares em casa assistindo desenho. Uma vergonha essa justiça do Mato Grosso!!!

  • Antônio
    22 Jan 2020 às 15:30

    Sou favorável de prender todos esses juízes e colocar a sociedade para julgar...

  • Zeca
    22 Jan 2020 às 14:49

    Será que ela arrumou serviço para esses marginais, ou eles ficarão nas ruas aprontando mais?

  • alexandre
    22 Jan 2020 às 13:54

    e viva o Judiciario, é questão de horas , pra explodir outro banco de novo...

  • CARMEN
    22 Jan 2020 às 13:25

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Curioso
    22 Jan 2020 às 12:56

    Essa é justiça brasileira conta com incompetência da PJC

  • Patropi
    22 Jan 2020 às 12:15

    Brasil, paraíso da band...

Sitevip Internet