Olhar Jurídico

Sábado, 19 de setembro de 2020

Notícias / Criminal

Conselho militar mantém PM liberado para acessar sistema de registro de armas

Da Redação - Arthur Santos da Silva

23 Jan 2020 - 10:31

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Marcos Faleiros

Marcos Faleiros

Conselho Especial da Décima Primeira Vara Criminal Especializada em Justiça Militar de Cuiabá manteve revogação de medida cautelar que impedia o tenente coronel Sadá Ribeiro Parreira de ter acesso com usuário e senha ao Sistema de Computadores da Polícia Militar do Estado de Mato Grosso, incluindo os sistemas de inteligência, informação e logístico.

Leia também 
Vereador estaria planejando roubar droga de bolivianos para revender

 
A decisão é do dia 22 de janeiro. Audiência foi presidida pelo juiz de Direito Marcos Faleiros. Sadá é réu em ação proveniente da Operação Coverage, que desvendou adulteração de registros de armas. O Ministério Público de Mato Grosso (MPE) ofereceu denúncia criminal contra cinco oficiais da Polícia Militar em setembro de 2019.
 
Além de Sadá, foram denunciados o 2º tenente Cleber de Souza Ferreira, o tenente Thiago Satiro Albino, o tenente coronel Marcos Eduardo Ticianel Paccola e o Terceiro sargento Berison Costa e Silva.
 
Os denunciados respondem pelos crimes de organização criminosa, embaraço de investigação em três inquéritos, falsidade ideológica, fraude processual e inserção de dados falsos em sistema de informações.

Além da condenação pelos crimes praticados, o Ministério Público requereu que, ao final da ação penal, seja decretada a perda definitiva do cargo público dos cinco réus.
 
Consta da denúncia que os oficiais militares utilizaram seus cargos e funções para fomentar esquema criminoso voltado à adulteração de registros de armas de fogo, mediante falsificação documental e inserção de dados falsos em sistema informatizado.
 
Uma das armas de fogo, que teve o registro adulterado, adquirida por um dos denunciados, segundo o Ministério Público, teve como objetivo ocultar a autoria de sete crimes de homicídios, sendo quatro tentados e três consumados, ocorridos entre os anos de 2015 e 2016, praticados pelo grupo criminoso conhecido como Mercenários.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet