Olhar Jurídico

Quinta-feira, 09 de abril de 2020

Notícias / Criminal

Avalone recorre ao STF para trancar investigação sobre dinheiro apreendido na campanha

Da Redação - Arthur Santos da Silva

18 Fev 2020 - 09:25

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Avalone recorre ao STF para trancar investigação sobre dinheiro apreendido na campanha
O deputado estadual Carlos Avalone (PSDB) recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar trancar inquérito policial que averígua crime supostamente cometido em 2018, durente período eleitoral. Requerimento do parlamentar data do dia 12 de fevereiro e aguarda julgamento. 
 
Leia também 
Tribunal de Justiça já autorizou VI de R$ 65 mil na Assembleia, explica juíza ao negar redução


Avalone recorre contra decisões do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O habeas corpus é formulado pelo advogado Rodrigo Mudrovitsch. Segundo a defesa, é “inequívoca a ausência de justa causa para investigação criminal”.
 
No caso, o deputado teve o nome envolvido em apreensão da Polícia Rodoviária Federal (PRF), no município de Poconé (100 km de Cuiabá). Segundo informações da PRF, um veículo Gol, de cor prata, foi abordado no quilômetro 560 da BR-070.

No interior do veículo, os agentes abordaram três suspeitos, que estavam com R$ 89,9 mil em dinheiro vivo, além de vários santinhos do então candidato a deputado estadual Carlos Avalone.
 
No recurso, Avalone argumenta: “autoridade Policial pretende investigar fatos a partir de mero ‘ouvi dizer’ e cuja suposta ilicitude já foi desmentida em juízo, antecipando a inquestionável conclusão de que não houve qualquer crime no ato [...] de levar uma determinada quantia de dinheiro, usando o veículo contratado para campanha”.
 
Os mesmos fatos são examinados em representação que pode resultar em cassação de diploma do parlamentar. Avalone assumiu o mandato em definitivo após o deputado estadual Guilherme Maluf (PSDB) tornar-se conselheiro do Tribunal de Contas (TCE).

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • jose
    18 Fev 2020 às 19:49

    É isso ai Avalone, fala com o Gilmar que ele quebra o galho.

Sitevip Internet