Olhar Jurídico

Quarta-feira, 21 de outubro de 2020

Notícias / Criminal

Mãe da adolescente acusada de matar amiga deve ser acionada por crime além do indiciado, afirma MP

Da Redação - Arthur Santos da Silva

23 Set 2020 - 15:55

Foto: Reprodução

Mãe da adolescente acusada de matar amiga deve ser acionada por crime além do indiciado, afirma MP
O promotor de Justiça Marcos Regenold Fernandes, membro do Ministério Público de Mato Grosso (MPE), considera que a mãe da adolescente acusada de matar a amiga no Condomínio Alphaville, em Cuiabá, deve responder por mais um crime além do indiciamento feito pela Polícia Civil. 

Leia também 
Tribunal mantém suspensão de norma da Funai que facilita a grilagem em terras indígenas

 
Gaby Cestari, inicialmente indiciada pelo crime de omissão de cautela na guarda de arma de fogo, também deve responder pelo delito de entrega de arma a adolescente, argumentou Regenold em parecer assinado no dia 18 de setembro.
 
Segundo o promotor, dias antes da tragédia que vitimou Isabele Guimarães Ramos, de 14 anos, Gaby Cestari gravou a “filha expondo técnicas cognitivas e destreza com armas”.  Conforme Regenold, “se nota inclusive a presença de pente carregador na cintura da adolescente e a presença de outro(s) adolescente(s) no local”.
 
Considerando que Gaby Cestari possui Certificado de Registro junto ao Exército Brasileiro, sendo conhecedora da proibição de entrega de armamento a menores fora do estande de tiro autorizado, deverá responder pelo delito de entrega de arma a adolescente.
 
Os crimes
 
Além de indiciar Gaby Cestari pelo crime de omissão de cautela na guarda de arma de fogo, o empresário Marcelo Cestari, pai da jovem atiradora, foi indiciado pelos crimes de posse de arma de fogo, homicídio culposo (sem intenção de matar), por entregar a arma para adolescente e por fraude processual.
 
O empresário Glauco Mesquita Correa da Costa, que é dono da arma da qual saiu o tiro que matou Isabele, também foi indiciado por omissão de cautela na arma de fogo.
 
Redistribuição
 
Com base no parecer de Marcos Regenold Fernandes, assinado no dia 18 de setembro, o juiz João Bosco Soares da Silva, da Décima Vara Criminal, declinoou a competência em favor de uma das Varas de Feitos Gerais Criminais da Capital para processar e julgar os crimes imputados a Marcelo Martins Cestari e Gaby Soares de Oliveira Cestari.
 
João Bosco também determinou que o indiciamento de Glauco Fernando Mesquita Correa da Costa seja enviado ao Juizado Especial Criminal da Capital.
 
 
 
 

Comentários no Facebook

Sitevip Internet