Olhar Jurídico

Sexta-feira, 12 de julho de 2024

Notícias | Criminal

alvo da CAPISTRUM

Ministro mantém bloqueio de R$ 16 milhões e ex-secretária de Emanuel segue impedida de exercer cargo

Foto: Reprodução

Hélio Bruno Caldeira

Hélio Bruno Caldeira

O ministro Ribeiro Dantas, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), indeferiu pedido liminar em habeas corpus da ex-secretária-adjunta de Governo e Assuntos Estratégicos de Cuiabá, Ivone de Souza, alvo da Operação Capistrum, por supostos crimes cometidos na Secretaria de Saúde da capital. Ivone buscava pelo desbloqueio na ordem de R$ 16 milhões e pela possibilidade de voltar ao cargo.


Leia também 
Centro de Beach Tenis acusa Shopping Pantanal de arquitetar seu despejo para dar lugar ao CT Bonifácia

 
Decisão foi publicada no Diário Oficial do STJ desta quarta-feira (19). Pedido liminar é assinado pelo advogado Hélio Bruno Caldeira.

Segundo acusação, entre o período de janeiro de 2017 a outubro de 2021, se instaurou junto à prefeitura uma organização criminosa liderada pelo chefe do Poder Executivo, Emanuel Pinheiro e sua esposa, Marcia Pinheiro, com apoio do então chefe de gabinete, Antonio Monreal Neto.

Organização criminosa teria efetuado a contratação ilegal de servidores temporários, bem como teria realizado pagamento, também dito como indevido, do denominado Prêmio Saúde. O objetivo de tais contratações seria, em tese, “perpetuar o atual Chefe do Executivo no poder”, cultivando apoio político.

Em consequência da investigação, houve a decretação de medidas cautelares: afastamento do cargo de secretária-adjunta, além do sequestro de valores no importe de R$ 16 milhões.
 
Assim, Ivone requereu a extensão dos benefícios concedidos ao corréu Antonio Monreal, que, em condição semelhante na organização, teve as medidas cautelares revogadas. Apontou ainda excesso de prazo para manutenção.
 
Ao julgar o caso, ministro salientou que a concessão de liminar em habeas corpus constitui medida excepcional, uma vez que somente pode ser deferida quando demonstrada, de modo claro e indiscutível, a ilegalidade no ato judicial impugnado.
 
“Na espécie, sem qualquer adiantamento do mérito da demanda, não vislumbro, ao menos neste instante, a presença de pressuposto autorizativo da concessão da tutela de urgência pretendida”, decidiu Ribeiro Dantas.
 
“Assim, indefiro o pedido de liminar”, concluiu o ministro.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet