Olhar Direto

Domingo, 15 de setembro de 2019

Notícias / Ciência & Saúde

Instituto do Coração testa nova cirurgia cardíaca

Folha Online

03 Jan 2009 - 03:13

Cerca de 20 pacientes do InCor (Instituto do Coração) já receberam um novo tipo de enxerto para a cirurgia de revascularização do miocárdio. O procedimento é popularmente conhecido como ponte de safena, pois, quando começou a ser feito, nos anos 60, usava a veia safena, localizada na perna.

O problema é que essa veia sofre uma deterioração com o tempo. Agora, pesquisadores da instituição avaliam se a utilização de uma artéria, também localizada na perna, pode trazer resultados melhores do que os obtidos com a safena.

A cirurgia de revascularização do miocárdio trata a obstrução das artérias coronárias e consiste na criação de um desvio para que o sangue flua normalmente. O sangue arterial, porém, flui numa pressão maior do que o venoso, e a safena se desgasta com mais facilidade quando em contato com ele -estima-se que de 20% a 30% das pontes feitas com safena se fechem em dez anos.

A melhor opção de enxerto hoje são as duas artérias mamárias. A vantagem, explica o cirurgião Fabio Gaiotto, do InCor, é que elas sofrem uma remodulação -respondem ao esforço exigido e ajustam sua dilatação ao fluxo de sangue.

A proposta de Gaiotto é checar se a artéria da perna é capaz de passar pela mesma transformação. "Se ela remodelar, teremos três 'mamárias'. A artéria da perna passará a ser um enxerto de primeira escolha", diz.

Segundo ele, o procedimento já vem sendo feito por cirurgiões italianos e é seguro. Ele afirma que a cirurgia não afeta os movimentos da perna e não faz falta à irrigação sanguínea do membro porque serve como um "estepe" para a vascularização da região. "Ela só fará falta se o paciente tiver uma insuficiência arterial periférica."

Gaiotto pretende operar 30 pacientes com o novo enxerto. Após o procedimento, cada um passará por uma tomografia da coronária com uma semana, um mês e três meses. O exame permite avaliar o diâmetro do enxerto, que é, então, comparado ao de uma artéria mamária remodelada.

Até agora, uma das cirurgias não foi bem-sucedida, mas isso não trouxe danos ao paciente. Segundo ele, é normal uma perda de 1% a 5% dos enxertos.

Opção

Atualmente, outros tipos de artéria também são utilizados na revascularização do miocárdio. Uma das principais é a radial, retirada do braço. Porém, ela é curta, e estudos mostram que ela não tem durabilidade superior à de uma veia safena, diz o cirurgião Renato Kalil, diretor da Sociedade Brasileira de Cardiologia e professor da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre.

A artéria da perna leva vantagem na extensão. Segundo Gaiotto, um bom comprimento para enxerto é acima de 12 centímetros. A artéria da coxa tem de oito a 18 centímetros, dependendo da altura da pessoa.

"Em geral, consegue-se tratar tudo com as mamárias e a safena", afirma Kalil. "Trata-se de mais uma opção, mas ela não tomará o lugar das outras antes de mostrar que é superior." Para confirmar essa superioridade, diz, é necessário que ela seja usada extensamente e por muito tempo. "Não se prevê um impacto imediato no tratamento."

Gaiotto afirma que o novo enxerto pode ser importante para pacientes para os quais o uso da artéria mamária não é recomendado, como diabéticos, obesos mórbidos e idosos. Isso porque a artéria mamária irriga o osso esterno, que é cortado para a cirurgia e pode infeccionar. "Nos jovens, formam-se desvios e a irrigação sanguínea continua a ser feita. Já nos diabéticos, por exemplo, há uma pobreza capilar e a cicatrização não é tão boa."

Sitevip Internet