Olhar Direto

Segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020

Notícias / Política BR

Políticas sociais de países em desenvolvimento têm que ter continuidade, aponta ONG

ABr

02 Abr 2009 - 17:15

As políticas sociais que vêm sendo implementadas pelos países em desenvolvimento não podem sofrer descontinuidade, adverte o relatório da organização não-governamental ActionAid, divulgado hoje (2) em Londres, durante a reunião dos chefes de governo e de Estado que fazem parte do G20, grupo é integrado pelas maiores economias e países emergentes, entre os quais o Brasil.

Na opinião do coordenador do Programa de Segurança Alimentar da ONG, Celso Marcatto, o Brasil está no bom caminho, em termos de políticas sociais.

Segundo ele, programas como o Bolsa Família, o Programa de Aquisição de Alimentos, o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), enfim, todos os programas que visam a acabar com fome e a pobreza extrema estão, efetivamente, contribuindo para melhorar a situação da pobreza no Brasil. "Os dados estão mostrando isso”, afirmou.

No Nordeste, onde a ONG atua diretamente no combate à fome, Marcatto afirmou que é visível a melhoria da situação das famílias e das crianças dentro das escolas, nos últimos anos. Ele destacou, entretanto, que é necessário muito mais investimento para eliminar os efeitos de “muitas décadas de não investimento”.

Para romper essa barreira e diminuir a distância entre ricos e pobres, “nós vamos precisar de muito mais”. Marcatto sugere que as políticas sociais em vigor sejam mantidas e ampliadas e que haja um grande investimento público.

Segundo Marcatto, o governo “patina, às vezes”, em áreas como a reforma agrária. Ele aavalia que, sem resolver o problema da concentração da terra no campo, “nós não vamos muito longe”.

Para o coordenador da Action Aid, o governo deve investir mais na educação e na saúde. “Nós temos que avançar nessas áreas.”

A ActionAid está presente em mais de 40 países há 35 anos. Seu trabalho é direcionado à melhoria das condições de vida dos mais pobres. O relatório será encaminhado pela ONG ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva nos próximos dias.
Sitevip Internet