Olhar Direto

Domingo, 22 de setembro de 2019

Notícias / Cidades

Cerca de 600 problemas são detectados em obras do VLT e 53,55% não foram resolvidos

Da Redação - Wesley Santiago

11 Fev 2015 - 18:28

Foto: Edson Rodrigues/Secopa

Cerca de 600 problemas são detectados em obras do VLT e 53,55% não foram resolvidos
A empresa Planservi/Sondotecnica, responsável por gerenciar e supervisionar a implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), detectou 564 problemas nas obras do novo modal até dezembro de 2014. De acordo com o laudo, entregue ao Governo do Estado, 117 deles foram considerados graves e 53,55% não foram resolvidos por completo. O custo total do empreendimento poderá chegar a R$ 1,8 bilhão.

Leia mais:
Silval pagou quase R$ 1 bi por obras da Copa, mas só três avaliadas em R$ 7 mi foram entregues
 
De acordo com o documento, que foi divulgado pelo Gabinete de Projetos Estratégicos, a maioria dos problemas (38,30%) foram constatados nas obras de implantação do VLT, enquanto que 25,71% foram no Controle Tecnológico e 14,72% em questões de segurança. Destes, a empresa considerou que 117 (20,57%) eram graves, 36,70% moderados e 42,73% leves.

Dentro os problemas que foram considerados graves, estão: adição de água no concreto, desaprumo de pilar, trincas e fissuras (inclusive na base dos trilhos), não conformidade com o projeto, corrosão de armadura, pilar fora do prumo, entre várias outras falhas. Em outro ponto, na avenida Tenente Coronel Duarte (Prainha), a empresa detectou um risco de desabamento do aterro. 

Ainda foi revelado que 53,55% dos problemas encontrados não foram resolvidos de forma definitiva pelo Consórcio VLT (estão pendentes ou não foram acatados). Porém, em alguns há a observação de que foi executado o serviço subsequente. A Gerenciadora apontou também que só 0,34% dos projetos básicos foram aprovados, enquanto que 83,07℅ foram aprovados com restrições. Dos projetos executivos, só 34,52% foram aprovados.
 
“Pode-se observar nos gráficos acima que a maior parte dos projetos entregues à Gerenciadora para aprovação está classificada na categoria ‘aprovados com restrições’. Tais restrições referem-se basicamente à insuficiência de informações apresentadas ou à falta dos detalhamentos esperados”, diz trecho do documento.
 
Vale lembrar que o preço do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) inflacionou 112% em quatro anos e pode chegar a 158% do valor originalmente apresentado em uma audiência pública. Na ocasião, os defensores do VLT apresentaram um preço de R$ 696 milhões para convencer a sociedade de que ele seria superior e pouco mais caro em relação ao BRT. Contudo, a obra acabou sendo contratado por mais que o dobro: R$ 1,447 bilhão. Porém, já estima-se o custo pode ultrapassar R$ 1,8 bilhão.

12 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • MARIA
    12 Fev 2015 às 16:23

    Taco diz que vai resorvê os 500 pobrema, via transformar o VLT em Trem Bala, iguá do Japão, anda a 500 km por hora, vai pará só em Rondonópolis!

  • Andre Silva
    12 Fev 2015 às 11:11

    PRA QUEM TEM MEMORIA CURTA, SUGIRO PESQUISER NO GOOGLE O SEGUINTE TERMO: "riva vlt site:www.olhardireto". VAO ACHAR TODAS AS REPORTAGENS DO RIVA FALANDO SOBRE A VIABILIDADE DO VLT.............. PRA QUEM QUISER, VAI DIRETO NESSE LINK................ SE DELICIEM COM AS CONVERSAS BLA BLA BLAS DOS POLITICOS DESDE O INICIO DO VLT...................... KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK https://www.google.com.br/webhp?sourceid=chrome-instant&ion=1&espv=2&ie=UTF-8#q=riva%20vlt%20site%3Awww.olhardireto.com.br

  • Flavio
    12 Fev 2015 às 09:27

    Antes detectar vários problemas do que nehum, sinal que tinham profissionais fiscalizando.

  • Arquimedes
    12 Fev 2015 às 09:17

    A NOVA rotatória das Avenidas Profª EDNA AFFI (Torres) e GONÇALO ANTUNES DE BARROS (Jurumirim), também é obra do pacote de Imobilidade da Copa do Mundo - SECOPA??? Sua Excelência, o Prefeito Mauro Mendes, DEVE vistoriá-la pessoalmente...

  • JOSE
    12 Fev 2015 às 08:17

    Cadê o Riva? Nos empurrou esta trolha e sumiu. O VLT é igual currupira, saci, mula sem...

  • Glau
    12 Fev 2015 às 06:33

    Nunca fui a favor do VLT, pois Cuiabá precisa é de árvores novamente e não concreto.

  • gusmão
    11 Fev 2015 às 21:46

    E ai vai prender ou não a turma do governo passado que surripiou os cofres públicos e deixou as obras da copa todas inacabadas e com a acabamento de ultima qualidades.

  • MARIA
    11 Fev 2015 às 21:04

    500 problemas? Dos 500 quais podem ser solucionados, senão o projeto vai se tornar inviável!

  • wilmor de brito
    11 Fev 2015 às 20:25

    Quem garante a qualidade e a segurança desses trilhos para a rolagem dos combóios do VLT? Está mais do que provado a imcompetência desse consórcio para executar essa obra. Quem arcará com os risco caso um desses combóios sai dos trilhos?

  • Urbanista
    11 Fev 2015 às 19:33

    Todas essas empreiteiras, com raríssimas exceções, não possuem a menor competência técnica para executar uma obra pública de grande porte. Sem falar que muitas burlam licitações e pagam propinas a agentes públicos corruptos. Para acabar de vez com este problema o certo seria a contratação de empreiteiras estrangeiras dos EUA, Alemanha, Japão ou Rússia. Aí sim, as obras seriam entregues dentro do prazo e seriam construidas com qualidade.

Sitevip Internet