Olhar Direto

Quinta-feira, 18 de julho de 2019

Notícias / Carros & Motos

Será que bebe menos? Colocamos o novo Fiat Uno no engarrafamento para testar sistema que desliga o motor

R7

28 Mar 2015 - 16:30

Será que bebe menos? Colocamos o novo Fiat Uno no  engarrafamento para testar sistema que desliga o motor
Botamos a versão Evolution (R$ 40.130) no tráfego de uma sexta-feira em São Paulo

A Fiat está rindo à toa. Montadora que mais vende carros no Brasil desde 2001 (só perdeu o posto em 2003, para a Chevrolet), ela viu seu Palio fisgar do Volkswagen Gol a liderança do mercado no ano passado, retirando do rival uma hegemonia de 27 anos.

Além disso, a marca vem se consolidando na popularização de novas tecnologias. Algumas não vingaram, como o sistema de embreagem automática Citymatic, mas outras viraram referência entre os rivais, como o câmbio automatizado, inaugurado em 2008 no Fiat Stilo. 

A última cartada foi colocar no Fiat Uno, nosso velho conhecido que ganhou um facelift do ano passado, dois sistemas inéditos no segmento: o câmbio automatizado por botões e o sistema start-stop, que desliga o motor em paradas para economizar combustível.

Anda e para 

Por enquanto, o dispositivo é oferecido só na versão Evolution (R$ 40.130), que usa motor 1.4 de 88 cavalos e sai de fábrica com direção hidráulica, ar-condicionado, computador de bordo, sistema de som, volante multifuncional e travas e vidros dianteiros elétricos.

Não é barato, mas será que compensa pela tecnologia embarcada? Para responder essa dúvida, nada melhor que submetê-la a um teste de resistência: o trânsito caótico de São Paulo, no fim de tarde de uma sexta-feira chuvosa. Marginal Pinheiros parada, perto da Ponte do Morumbi. O anda e para do trânsito forma um cenário ideal.

O sistema start-stop se mostra discreto e eficiente. O motorista distraído mal percebe o motor desligar sozinho e, ao pisar na embreagem, ele já ligou antes mesmo de engatar a primeira marcha.

Tecnologia acessível

Segundo a Fiat, a economia de combustível é de até 20%. Na prática, porém, a diferença não é tanta. Com o equipamento ligado, o carro marcou na cidade 9,5 km/h, com etanol. Nas mesmas condições sem o dispositivo, a marca foi pouca coisa pior: média de 9,1 km/h.

Ou seja, temos um dispositivo que na prática não traz muita economia, mas na teoria simboliza um salto de qualidade aos modelos de entrada. E sem esfolar o consumidor por isso. Pois é fácil introduzir tecnologia de ponta em modelo popular cobrando caro por isso — sim, Volkswagen, estou falando de você. Difícil é fazer isso sem jogar o preço nas alturas.

É claro que o Uno tem seus defeitos. O painel cheio de texturas e relevos se esforça para transmitir jovialidade, mas acaba parecendo mais um samba do criolo doido. A carroceria inclina nas curvas, o câmbio tem engates imprecisos e o desempenho do motor não empolga nem de longe.

Além disso, o desgaste que o liga e desliga do motor pode causar no longo prazo é uma incógnita cuja menção não podemos esquecer. Porém, se você não liga para esses pontos e busca um carro moderninho, econômico, espaçoso e bom de mercado, o Uno é uma opção a se considerar.

 
Sitevip Internet