Olhar Direto

Notícias / Carros & Motos

Ford Focus 2016: primeiras impressões

Auto Esporte

24 Jun 2015 - 16:34

Ford Focus 2016: primeiras impressões
Para quem gosta de futebol, é quase unanimidade dizer que Pelé foi o maior jogador de todos os tempos. Para quem gosta de dirigir, o mesmo acontece com o Golf. A questão é que, ao contrário de Pelé, o Volkswagen não é o maioral no “campeonato” brasileiro de hatches médios.
O dono do posto é o Ford Focus, que acaba de ganhar a reestilização da terceira geração no Brasil, apresentada em Aquiraz (CE), região metropolitana de Fortaleza.

Para manter a liderança, a Ford aposta em uma pesada remodelação visual, revisão no conteúdo e oferta de versões e preços congelados, entre R$ 69,9 mil e R$ 95,9 mil.

Tudo isso para manter a ponta desta disputa, que terá o Golf nacionalizado, com motor 1.4 turbo e flex, e possivelmente uma opção 1.6 aspirada mais em conta, a Ford tratou de se reforçar, trazendo a reestilização europeia do Focus, apresentada em 2014. Com a iniciativa, a Ford acaba com o descompasso entre o Focus brasileiro, importado da argentina, e o europeu.

O maior foco, com o perdão do trocadilho, da reforma no Focus, está na dianteira. A grade, antes volumosa na porção inferior e dividida em três, dá lugar a uma única peça, em forma de hexágono, seguindo o padrão adotado em outros carros da marca.

Os faróis e as lanternas também acompanham a identidade global, e estão mais afilados. O capô ganhou volume com os novos vincos, e o interior ganhou materiais melhores.

O novo Focus, porém, só começa a ser vendido em agosto. Até lá, as últimas unidades da geração atual serão comercializadas. Como a diferença entre as duas é de apenas 15 meses, a marca preparou uma promoção para cativar os clientes, e mantê-los na marca.

Quem comprou o Focus hatch em 2014 e 2015 terá 15% de desconto na compra do carro novo. Para estes clientes, a pré-venda será aberta já em junho.

Vale pelo que cobra?

A Ford resolveu retirar de seu catálogo duas opções. A básica S 1.6, de R$ 69,9 mil, deu lugar à SE 1.6, pelo mesmo valor da S. Também deixa de ser oferecida a combinação de motor 1.6 com câmbio PowerShift. “O cliente que buscava câmbio automático exigia motor 2.0”, afirmou Oswaldo Ramos, gerente de marketing da Ford.

Na linha 2016, o Focus ganhou alguns equipamentos de tecnologia. Nas versões Titanium e Titanium Plus, há central multimídia Sync com tela sensível ao toque de 8 polegadas, com comandos do sistema de climatização, navegação e controles por voz, além dos já conhecidos Bluetooth e rádio.

Na opção Titanium Plus, de R$ 95,9 mil, também há o assistente de frenagem autônoma, que freia automaticamente o veículo em situações de colisão iminente em velocidades de até 50 km/h e para completamente o carro quando a velocidade é de até 20 km/h, e o sistema de estacionamento automático para vagas perpendiculares (veja vídeo acima).

Mesmo nas opções mais simples, o Focus é bem equipado. A de melhor custo/benefício é a SE Plus, oferecida com motorização 1.6 manual, por R$ 71,9 mil e 2.0 PowerShift, de R$ 78,9 mil. Ela traz, de série, ar-condicionado digital de duas zonas, airbags laterais, bancos de couro, sensores de luz, chuva e estacionamento traseiro, piloto automático e controles de tração e estabilidade.

Como anda

O G1 avaliou as versões SE Plus 1.6 e Titanium Plus 2.0 do Focus, em trajetos somados de 65 km, respectivamente. Foram percorridos trechos urbanos e rodoviários, em pistas quase sempre de asfalto irregular.

Nesta reestilização, a engenharia da Ford trabalhou mais pesado na direção e na suspensão. Os dois componentes foram recalibrados, para oferecer ao condutor uma experiência dinâmica ainda melhor, lembrando que o Focus sempre foi conhecido pela condução refinada.

A direção, por exemplo, ficou mais macia em baixas velocidades, e ganhou precisão em altas. Já a suspensão, independente nas quatro rodas, e multilink na traseira, continua com acerto impecável, e, para tornar o conjunto ainda melhor, recebeu um reforço na longarina da torre do amortecedor traseiro.

Nesse ponto, Focus e Golf deixam qualquer hatch médio “comendo poeira”. O Volkswagen ainda se sai um pouco melhor em uma condução mais esportiva, por oferecer maior rigidez na suspensão. O Focus, apesar de também ser chegado em fazer curvas, deixa a carroceria rolar um pouco, mas compensa isso com uma melhor filtragem de irregularidades do solo.

Vai bem acima de 3.000 rpm

Os motores não passaram por mudanças. Mesmo assim, continuam sendo opções modernas. O 1.6 Sigma gera até 135 cavalos, e possui duplo comando variável de válvulas, bloco, cabeçote e cárter de alumínio e sistema de partida a frio. O 2.0, de até 178 cv, além de tudo isso, também possui injeção direta de combustível.

Ambos empurram o Focus com competência. O 1.6 sofre um pouco mais, e só faz o carro “deslanchar” acima das 3.000 rpm, exatamente quando o torque está disponível de forma integral, quando o carro está abastecido com gasolina. O câmbio manual de 5 marchas tem engates curtos e precisos, tornando a condução mais divertida.

Com motor 2.0, o Focus ganha muito em desempenho. Os 43 cv extras dão um alívio ao hatch de quase 1.400 kg, e deixam a condução ainda mais prazerosa. As ultrapassagens ficam mais seguras, e o motorista se sente instigado a acelerar.

O câmbio PowerShift, automatizado de dupla embreagem, tem trocas rápidas, porém, em certos casos, demora um pouco para se decidir em manter ou passar uma marcha. Se o motorista preferir, pode trocá-las de forma manual, por meio de aletas atrás do volante.

Plástico pobre e visual moderno

A Ford diz ter se esforçado para melhorar o acabamento interno do Focus. Toda a porção superior do painel ganhou plástico emborrachado, agradável ao toque. Porém, outras superfícies ainda possuem incompatíveis com a categoria.

O painel das portas é revestido quase integralmente por um plástico duro, assim como as luzes auxiliares do teto. Este, por sinal, possui um forro de tecido de visual e toque pobres. Alguns encaixes carecem de um pouco mais de precisão. O visual, entretanto, agrada. O volante possui desenho limpo e material agradável. Saídas de ar na vertical e mostradores dão um torque de modernidade ao hatch.

Mercado
Com 6.134 unidades vendidas até maio, o Focus é líder absoluto do segmento. Em seguida, Golf (4.571) e Cruze (4.544) brigam pela vice-liderança. Bem atrás, aparece o i30, com 1.395 carros emplacados. Os dados são da Fenabrave, a associação das concessionárias.

Após o Focus, a maior novidade do segmento será a nacionalização do Golf, no segundo semestre. Com a cidadania brasileira, o modelo deve incorporar a tecnologia flex no motor 1.4 turbo, assim como ganhar uma versão de entrada, com motor 1.6 aspirado.

Focus e Golf são referências em prazer ao dirigir, com pequena vantagem para o segundo, o Volks deixa muito a desejar no pacote de equipamentos, cobrando muito mais pelo mesmo conteúdo do Ford. Quando a comparação é com i30 e Cruze, a disputa é ainda mais desigual, já que ambos cobram mais e oferecem menos do que o Focus.

Se o Golf é o craque do time dos hatches médios, com técnica apurada, belos dribles e golaços, o Focus se destaca pela precisão de suas jogadas matadoras, capazes de vencer títulos e terminar campeonatos na ponta da tabela.
Sitevip Internet