Olhar Direto

Sexta-feira, 30 de outubro de 2020

Notícias / Cidades

Desde a abertura dos Jogos, em média um estrangeiro por dia deu entrada em prisões do Rio

Rafael Soares, Extra

14 Ago 2016 - 16:08

Desde o último dia 5, data da abertura da Olimpíada, até a última quinta-feira, 34 estrangeiros foram detidos e levados às delegacias da cidade. Desse total, 26 foram liberados após o registro da ocorrência — por pagarem fiança ou serem acusados de crimes de menor potencial ofensivo, que não preveem prisão como pena. Oito deles, entretanto, acabaram dando entrada em prisões do Rio — uma média de um preso estrangeiro por dia desde o início dos Jogos. O levantamento foi feito pelo EXTRA com base em dados da Secretaria estadual de Administração Penitenciária e da Polícia Civil.

Únicos atletas a fazerem parte da lista, os boxeadores Hassan Saada, do Marrocos, — primeiro dos estrangeiros a ser detido, horas antes da cerimônia de abertura— e Jonas Junius, da Namíbia, frequentaram por pouco tempo as celas de Bangu. Os dois foram beneficiados por habeas corpus e ficaram, respectivamente, seis e três dias na Cadeia Pública José Frederico Marques. Ambos foram acusados de estupro dentro da Vila Olímpica por camareiras.

Ainda estão no presídio um irlandês e dois franceses presos por cambismo, e um colombiano e dois peruanos detidos por furto. Hecham Mouhdi e Alexis Zelenski estavam próximos ao Parque Olímpico quando foram surpreendidos por policiais ao tentarem vender ingressos por preços maiores que os oficiais.

Já Kevin James Mallon, segundo a polícia, integra uma quadrilha mais elaborada: ele é executivo da THG, empresa britânica investigada por cambismo desde 2014, e foi preso em flagrante num hotel na Barra, Zona Oeste, com mais de 800 ingressos. A prisão é considerada pela polícia o passo inicial de uma investigação para chegar aos responsáveis por desviar ingressos destinados a comitês olímpicos.

Cambismo preocupa

Dos 34 presos estrangeiros detidos na cidade na primeira semana dos Jogos, 17 foram surpreendidos tentando revender ingressos para os Jogos. No ranking de crimes, o segundo mais praticado é o furto, com nove detidos. Turistas também foram presos por falsificação de documento e até desobediência.

A grande quantidade de turistas detidos por cambismo acendeu o alerta da Polícia Civil. Após o início dos Jogos, o Núcleo de Apoio a Grandes Eventos (Nage) passou a contar, por dia, com 25 homens infiltrados nas proximidades de instalações olímpicas.

O objetivo é, além de coibir cambistas que estejam agindo nesses locais, checar as denúncias feitas pelo Comitê Olímpico Internacional, que vem colaborando com as investigações.

Curiosidades

Um sul -coreano foi detido por agentes da Força Nacional no complexo olímpico de Deodoro por usar a credencial de um membro da comissão técnica da equipe de hóquei sobre grama do país para acessar uma área restrita.

Já um inglês foi detido dentro da Vila Olímpica ao tentar furar uma longa fila para passar pelo detector de metal e entrar no local. Na ocasião, havia detectores quebrados e um grupo de atletas tentou passar sem ser revistado.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet