Olhar Direto

Sábado, 21 de setembro de 2019

Notícias / Cidades

“Em caso de emergência, operador consegue parar o VLT em até dois metros”, avalia secretário

Da Redação - Wesley Santiago

24 Abr 2017 - 08:25

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

“Em caso de emergência, operador consegue parar o VLT em até dois metros”, avalia secretário
Os operadores do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) conseguirão parar os trens, em caso de alguma emergência, em até dois metros, segundo o secretário adjunto do VLT, José Picolli. Ao Olhar Direto, ele explicou que essa é uma das razões pelas quais o operador tem de ser muito bem treinado. Picolli ainda adianta que os agentes de estação serão primordiais para ensinar tudo sobre o novo modal nos primeiros meses em que ele entrar em funcionamento.

Leia mais:
Por VLT, Secid se reúne com a CAB para tentar resolver alagamentos na prainha
 
“Se, por exemplo, tem uma senhora andando e ela escorrega nos trilhos, o operador consegue parar em até dois metros de distância. Ele fará o que a gente chama de descarrilamento do trilho. É uma barra que levanta o trem do trilho, que trava. Dará um impacto em quem está dentro, terá um desconforto, mas a pessoa da frente não será morta”, explica o secretário, em entrevista exclusiva à reportagem.
 
Esta, segundo Picolli, é uma das razões pela qual o operador tem de receber um extenso treinamento: “É por isso que o operador do VLT terá de ser bem treinado. As instruções duram cinco meses. É como se ele fosse um piloto de avião. O trem é ele que comanda, vai abrir as portas e tudo mais. Não existe aquela cordinha ou botão para o VLT parar. Todas as estações ele tem de parar. Existe a informação sonora avisando qual é. São oito portas nos trens. O tempo de desembarque é de 30 segundos”.
 
“Na plataforma sempre terá alguém para ajudar. As vezes você tem um cadeirante que vai entrar, o operador é avisado pelo agente de estação e aguarda o embarque. Eles vão ser de muita utilidade para ensinar as pessoas nos primeiros meses de operação do novo modal. Antes de entrar em operação comercial, as pessoas ainda irão se acostumar com ele”, finaliza o secretário.
 
Projeto
 
O modal terá dois eixos, Aeroporto-CPA e Centro-Coxipó, e será implantado no canteiro central das avenidas João Ponce de Arruda e FEB, em Várzea Grande; XV de Novembro, Tenente Coronel Duarte (Prainha), Historiador Rubens de Mendonça, Coronel Escolástico e Fernando Corrêa da Costa, em Cuiabá, totalizando 22 km de extensão.
 
Análise e acordo
 
O Ministério Público Estadual (MPE) iniciou a análise do acordo firmado entre o Governo do Estado e o consórcio responsável pela retomada das obras do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT). O documento foi entregue no último dia 31, pelo governador do Estado, Pedro Taques, e sua equipe, ao promotor de Justiça André Luis de Almeida, do Núcleo de Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa da Capital.
 
O Estado acordou em pagar R$ 922 milhões para a conclusão integral da implantação do modal. A previsão é de as obras sejam concluídas em 24 meses.
 
No acordo firmado entre o Governo e Consórcio, a primeira etapa da obra será finalizada em março de 2018 e compreende o trecho entre o aeroporto de Várzea Grande até a estação do Porto, em Cuiabá.
 
Até dezembro de 2018 deverá entrar em funcionado todo o trecho da linha 1, num total de 15 quilômetros, entre o aeroporto de Várzea Grande e o Terminal do Comando Geral, na Capital. Já a linha 2, que compreende o trecho de 7,2 km entre a avenida Tenente Coronel Duarte (Prainha) e o Parque Ohara, no Coxipó, será entregue até maio de 2019.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Carlos Nunes
    24 Abr 2017 às 15:32

    Ih! No olharconceito a cartomante méduim já disse: Temer não cai e VLT não sai. Do Temer ela já acertou na mosca...a Constituição diz que ele só pode ser responsabilizado pelo que fizer de agora em diante. A cartomante vai acertar também sobre o VLT...a CPI das Obras da Copa recomenda a paralisação da obra do VLT, não é porque não gostam de VLT, mas sim porque tem que devolver R$ 300 Milhões de Reais, com graves suspeitas de SUPERFATURAMENTO. Ih! Complicou ainda mais, pois os professores de Corrupção no Brasil, os delatores da Odebrecht, nas gravações disseram: SUPERFATURAMENTO significa que correu propina a vontade. Se esses doutores da Corrupção falaram isso, quem somos nós pra contradizer. Caberá ao MPF pegar o Relatório, investigar tintim por tintim pra saber onde foi parar R$ 300 Milhões. Cadê o dinheiro? Daria pra terminar o NOVO HOSPITAL JÚLIO MÜLLER, que salvaria vidas.

  • ZÉ NINGUEM
    24 Abr 2017 às 10:30

    No momento estamos mais interessados em saber com faz pra esse VLT andar, porque parado ele já está há muito tempo.

  • Gilson
    24 Abr 2017 às 09:19

    Como gestor em riscos e pela falta de espaço e bagunça em nosso trânsito,em dois metros esse trem pode ser mortal para pedestres e destruidor para veículos,vai ser uma experiência perigosa,vlt,veículos,pedestres e faixa de ônibus nas ruas apertadas de Cuiabá e VG.

Sitevip Internet