Olhar Direto

Notícias / Política MT

Governo apresenta nova proposta de PPP para concluir o VLT em Cuiabá e VG

Da Redação - Wesley Santiago

30 Ago 2017 - 12:42

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Governo apresenta nova proposta de PPP para concluir o VLT em Cuiabá e VG
O governo do Estado já tem em mãos uma nova proposta de Parceria Público-Privada para concluir as obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), reafirmando o compromisso assumido pelo governador Pedro Taques (PSDB) de não abandonar a obra, pelo menos por enquanto. A proposta foi apresentada por uma empresa e será mostrada a empresários para saber se há o interesse em tocar o projeto.

Leia mais:
Governo rompe com consórcio e VLT deverá ter nova licitação
 
“Temos uma nova proposta para concluir o VLT que será apresentada. Ela foi realizada por uma empresa de engenharia, arquitetura e consultoria. Eles mostraram ao governo e nós gostamos muito, é uma Parceria Público-Privada (PPP). Agora, vamos mostrar aos setores para saber se há interesse na continuação da obra”, explicou ao Olhar Direto o secretário de Cidades, Wilson Santos (PSDB).
 
A determinação do governador Pedro Taques foi para que a proposta seja apresentada primeiro para os empresários mato-grossenses, antes de mostrá-la para empresas nacionais e internacionais. Por conta disto, estava prevista uma reunião com o setor nesta quarta-feira (30), às 19 horas. Porém, ela ainda não está confirmada. Caso não aconteça hoje, ela deve ser alterada para a próxima semana.
 
Recentemente, o procurador geral do Estado, Rogério Gallo, anunciou que o Estado decidiu romper definitivamente as negociações com o  Consórcio VLT Cuiabá – Várzea Grande: "Não haverá mais a retomada do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) com o Consórcio”. Segundo ele, durante vários meses representantes do governo e do consórcio se reuniram para buscar um acordo que permitisse a retomada das obras, ajustando o contrato firmado em 2012, corrigindo eventuais vícios e ilegalidade, bem como revendo valores.
 
“Na petição encaminhada à Justiça Federal mostramos que, até aquele momento, não havia notícias ou indícios de dolo ou intento deliberado  para romper o contrato ou da prática de atos ilícitos na licitação ou na execução do contrato, até surgirem os fatos apontados na Operação Descarrilho"  explicou Rogério Gallo. 
 
A decisão foi tomada após o impacto da Operação Descarrilho, deflagrada no dia 09 deste mês pela da Polícia Federal, apontando fraudes na licitação, associação criminosa, corrupção ativa e passiva, entre outros crimes que teriam ocorridos durante a escolha do modal VLT.
 
O governador Pedro Taques determinou a suspensão do diálogo com o Consórcio VLT para a retomada das obras.  Essa decisão foi comunicada pelo secretário de Cidades, Wilson Santos, à direção do Consórcio VLT Cuiabá-Várzea Grande. “Nós peticionamos na ação encerrando definitivamente as negociações. Não haverá mais a retomada do VLT com o Consórcio”, informou Rogério Gallo.
 
Operação Descarilho
 
As obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), em vias de serem retomadas com a proximidade de acordo entre Consórcio e Governo, voltaram às páginas policiais com a Operação Descarrilho, deflagrada pela Polícia Federal, na qual são apuradas possíveis irregularidades na escolha do modal para operar na região metropolitana de Cuiabá. Entre os alvos da operação está o ex-secretário da Secopa Maurício Guimarães, conduzido coercitivamente.
 
A ação apura os crimes de fraude a procedimento licitatório, associação criminosa, corrupção ativa e passiva, peculato e lavagem de capitais, em tese ocorridos durante a escolha do modal VLT e sua execução na Capital de Mato Grosso.
 
Foram cumpridos 18 mandados de busca e apreensão, sendo 10 em Cuiabá (MT), um em Várzea Grande (MT), um em Belo Horizonte (MG), um no Rio de Janeiro (RJ), um em Petrópolis (RJ), dois em São Paulo (SP) e dois em Curitiba (PR).

7 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • João
    31 Ago 2017 às 11:36

    É muita conversa, muita intensa, mas efetivamente não há qualquer resultado. O governo precisa entender que não está fazendo um favor pra quem o elegeu. Queremos eficiência e reinício das obras imediato.

  • JULIANO
    31 Ago 2017 às 10:49

    Ao escolherem o modal VLT nossos governantes e gestores da época já se equivocaram, pois o BRT era muito mais viável. Já que foi feito o erro, agora teremos que arcar com as consequências para finalizar o VLT. Outra obra que tem que ser prioridade é a trincheira da miguel sutil, com o bairro Santa Rosa, é um descaso até o momento não ter sido concluída.

  • JOÃO CUICA
    30 Ago 2017 às 22:41

    1.BILHÃO E 200 MILHÕES só do VLT foi pro ralo MILHÕES & MILHÕES DE dolar kkkkkkkk CARA TÁ DEVOLVENDO 70. MILHÕES e zéfini tá na boca do brasil kkkk VLT hoje é 30/AGOSTO 2017 em AGOSTO de 2117 voçes vai ver VLT FUnCIONAR em CUIABA/VARZEA GRANDE KKKK

  • Augusto
    30 Ago 2017 às 18:32

    Esse WS não terminou nem o Rodoanel,que dirá o VLT, a tempo esse governo da transformação,não consegue nem terminar a trincheira do santa rosa faltando menos de 5% da obra,os COTs,não conseguiu terminar a reforma do Terminal da Salgadeira,etc....

  • Edu
    30 Ago 2017 às 18:04

    Que rapidez. essa empresa tem expertise em trens, sistemas, energia etc???? Possui atestados???

  • WILLIAN
    30 Ago 2017 às 15:38

    As eleições estão bem aí, então "agora" é preciso dar um jeito, pois foi promessa de campanha. Teve o tempo todo, e praticamente só no final do mandato que resolve fazer? Claro que não, aí tem interesses para enganar o eleitorado.

  • deovaldo
    30 Ago 2017 às 13:10

    Mas isso deveria ter feito desde o início do seu mandato governador, o Estado não coloca nenhum Real e em contra partida o cessionário explora o transporte por 30 , 20, 50 anos sei lá podendo ser prorrogado o contrato, mas sem prazo ilimitado, daí fica monopólio...

Sitevip Internet