Olhar Direto

Notícias / Ciência & Saúde

Quase metades dos casos de chikungunya do país se concentram em Mato Grosso

Da Redação - Fabiana Mendes

07 Mar 2018 - 17:11

Foto: Davi Valle

Quase metades dos casos de chikungunya do país se concentram em Mato Grosso
Boletim epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde aponta que 47,2% dos casos de febre chikungunya do país estão concentrados em Mato Grosso. Ao todo, são 7.406 casos, sendo que 3.502 se encontram no Estado. Os dados foram coletados até a semana 7 de 2018, que corresponde até o dia 19 de fevereiro.

Leia Mais: 
Vinte bairros de Cuiabá tem alto risco de epidemia de dengue, zica e chikungunya; veja lista

Entre os municípios com as maiores incidências de chikungunya registradas estão Nossa Senhora do Livramento, com 424,5 casos/100 mil hab.; Várzea Grande, com 1.143,7 casos/100 mil hab. e Cuiabá, com 31,5 casos/100 mil hab. Atrás dos três municípios mato-grossenses está Belém/PA, com 8,5 casos/100 mil hab.
 
Os municípios foram comparados utilizando-se estratos populacionais distribuídos da seguinte forma: menos de 100 mil habitantes; de 100 a 499 mil; de 500 a 999 mil; e acima de 1 milhão de habitantes.
 
O Centro-Oeste apresentou o maior número de casos prováveis de febre de chikungunya (3.604 casos; 48,7 %) em relação ao total do país. Em seguida aparecem as regiões Sudeste (1.892 casos; 25,5 %), Nordeste (1.095 casos; 14,8 %). Além disso, a maior taxa de incidência foi constada no Centro-Oeste. São 22,7% casos, para cada 100 mil habitantes.
 
O boletim também traz dados sobre os casos de dengue e zica vírus. Em MT, foram 1,436 casos de dengue, sendo dois considerados graves. Já os casos de febre por zica vírus, foram 92 casos.
 
O primeiro Levantamento de Índice Rápido de Infestação (LIRAa), de 2018, apontou que 85% dos criadouros do mosquito transmissor, estão em residências.

O levantamento apontou, que entre os bairros mais preocupantes estão Três Barras, Residencial Paraná, Nova Canaã 1ª, 2ª, e 3ª etapa, Colina Verde, Jardim Umuruama, Altos da Glória e 1º de Março.  Todos com  19,4% de risco.
 
Em segundo lugar, com 18%, estão o Jardim Ubatã, São Benedito, Coophamil, Jardim Beira Rio, Novo Terceiro, Santa Izabel, Jardim Araçá, Barra do Pari, Santa Amália e Canachue.

Diferente dos demais, que estão compostos por no mínimo oito bairros, o terceiro lugar com 17,4% é formado por apenas cinco comunidades, sendo Vista da Chapada, Voluntários da Pátria, Residencial Sonho Meu e Pedra 90 - 1ª e 2ª etapas.

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • alexandre
    08 Mar 2018 às 11:50

    falta de combate ao mosquito , pela população e falta do fumacê. chicungunha é o de menos, até febre amarela está aparecendo...

  • odair
    08 Mar 2018 às 09:17

    curimbatá, piadinha sem noção essa sua.

  • rita
    08 Mar 2018 às 07:24

    temos um amigo que há 10 dias está internado, inclusive passou 3 dias na UTI com chikungunha, detalhe um novo vírus ainda não visto.

  • Fabiane
    07 Mar 2018 às 21:54

    Resultado de péssimos governantes e povo atrasado.

  • @gnello
    07 Mar 2018 às 17:53

    TA EXPLICADO A QUANTIDADE DE POLITICO DA MENTE PEQUENA KKKKKKKKK

  • curimbatá
    07 Mar 2018 às 17:35

    musquitinhu sem-vergonha. esse gostou mesmo de Cuiabá. tchá por Deus!!! esse gosta de petche cô matchiche

Sitevip Internet