Olhar Direto

Domingo, 22 de setembro de 2019

Notícias / Cidades

“Não adianta ter o RDC pronto sem a empresa para operar o VLT”, afirma secretário

Da Redação - Wesley Santiago

20 Jun 2018 - 09:00

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

“Não adianta ter o RDC pronto sem a empresa para operar o VLT”, afirma secretário
“Não adianta ter o Regime Diferenciado de Contratação (RDC) sem a empresa para operar”. A avaliação é do secretário-adjunto do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), José Picolli, que participa ativamente da nova licitação para a implantação do novo modal em Cuiabá e Várzea Grande. Ainda não há um prazo para que tudo fique pronto. O engenheiro ainda comenta que testes serão necessários na medida em que as obras avancem.

Leia mais:
“Se até as pedras do Rio Cuiabá sabiam da corrupção, por que continuou com o Consórcio VLT?”, questiona Mauro Mendes
 

“Ainda faltam alguns detalhes. Depende de muitas coisas, determinados trabalhos para complementar o edital. Temos que ter o foco na operação. Em paralelo ao RDC, estamos buscando empresas interessadas em tocar, operar o modal. Tenho quase seis quilômetros de linha, para chegar até a Praça Bispo eu estimo de dez a doze meses. Se eu começar no mês que vem, até o mesmo período de 2019 tenho os trens para rodar, mas ninguém para operar”, disse em entrevista ao Olhar Direto.
 
Picolli ainda explica que, junto com estes dois desafios, é preciso também lançar o edital para a supervisão da construção. Isso para evitar que os mesmo problemas da gestão passadas se repitam. Vale lembrar que a empresa que deveria fiscalizar os trabalhos só foi contratada após dez meses de iniciado o projeto.
 
O secretário também comentou que “temos de fazer testes dinâmicos nas 40 unidades. Os trens vão rodar em um período de duas a três horas por dia durante os testes operacionais. Nisto, você já aproveita para treinar o pessoal e verificar o estado dos trens. A medida que terminamos um trecho, estação, vamos fazendo os testes”.
 
Para terminar os 45% que faltam para concluir o VLT, o Executivo decidiu realizar um novo edital, na modalidade de Regime Diferenciado de Contratação (RDC), para que seja contratada uma empresa ou um conjunto delas (consórcio).
 
VLT
 
As obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) tiveram início em 2012, com previsão de conclusão em março de 2014, três meses antes da Copa do Pantanal Fifa 2014, tendo Cuiabá como uma das sedes – quatro jogos foram realizados na Arena Pantanal José Fragelli. Alegando não ter recebido por parcela considerável do que já havia realizado, o Consórcio VLT paralisou as obras em dezembro de 2014.
 
Após a posse, o governador Pedro Taques determinou auditoria nas obras e no contrato do Consórcio VLT. Constatou-se superfaturamento e falhas pontuais, como a aquisição antecipada das locomotivas e vagões do VLT supostamente por causa de um período de baixa do dólar.
 
Em fins de 2015, por determinação do juiz Ciro Arapiraca, da Seção Judiciária de Mato Grosso, houve a retomada das conversações do governo com o Consórcio VLT, para que as obras pudessem ser concluídas. Após a delação premiada de Silval Barbosa, revelando que houve corrupção, o contrato foi rompido. No início, o valor do projeto foi fixado em R$ 1,447 bilhão.

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Marcos
    20 Jun 2018 às 19:00

    Lamento profundamente Cuiabá não ter seu VLT. Aqui na minha Maceió já o temos há mais de 6 anos. São 36 km. de linha distribuídos em 16 estações. Recentemente tivemos uma ampliação que levou o transporte ao bairro histórico de Jaraguá.

  • Carlos Nunes
    20 Jun 2018 às 14:17

    Esse Governo tá no finalzinho do mandato, prestes a dar o Game Over - final de jogo, e ainda quer mexer com o VLT. Deixa esse abacaxi pro próximo Governador, verificar se ainda compensa tocar a obra. Esse Governo primeiro tem que concluir as obras em andamento, pra depois pensarem em novas obras. Termina o Pronto Socorro, o novo Hospital Júlio Muller, o Hospital Central, aplica o dinheiro na Saúde...que salva vidas.

  • dauzanades
    20 Jun 2018 às 11:12

    Essa teta já secou, vendam os vagões e operem BRT que é uma realidade para Cuiabá. Não tem viabilidade o VLT.

  • TEDA
    20 Jun 2018 às 10:17

    O povo gostaria de saber esta fortuna que o governo paga para manutenção do VLT, acho que nem se estivesse rodando a todo vapor justificaria uma manutenção tao cara pra manter vagões parados, sera que o ministerio publico ja foi la pra ver se este dinheiro não esta indo pro ralo como o de tantas obras da copa

  • paranaense
    20 Jun 2018 às 09:33

    Esse VLT é uma boa estória eim. Bem melhor que os contos da Disney

  • Contribuinte
    20 Jun 2018 às 09:32

    Em véspera de eleições vale tudo! Vai começar a política do pão e circo!

Sitevip Internet