Olhar Direto

Quinta-feira, 06 de agosto de 2020

Notícias / Política MT

Após reunião com Paulo Guedes, Mendes decide decretar calamidade financeira em Mato Grosso

Da Redação - Érika Oliveira

16 Jan 2019 - 21:02

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

Após reunião com Paulo Guedes, Mendes decide decretar calamidade financeira em Mato Grosso
O governador Mauro Mendes (DEM) bateu o martelo e irá protocolar nesta quinta-feira (17), na Assembleia Legislativa, o decreto que define calamidade financeira em Mato Grosso. A decisão foi tomada após reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes. Se acatada pelo Legislativo, a decretação permitirá medidas como a suspensão de repasses e flexibiliza, por exemplo, atrasos no pagamento de dívidas e a extinção de órgãos públicos.

Leia mais:
Após reunião com Mauro Mendes, Botelho admite calamidade financeira; entenda decreto
 
“Mato Grosso tem um grande potencial, mas agoniza pelo excesso de despesas, pelo crescimento da folha e pelos repasses que o Executivo não consegue mais suportar. Embora a economia privada vá bem, o Estado vai mal. Não honra com suas despesas básicas na Saúde, na Segurança, e corre o risco de colapsar serviços essenciais para a vida do cidadão”, afirmou Mauro Mendes.

O decreto de calamidade financeira serve para formalizar uma situação de crise. Um dos efeitos mais importantes do decreto é a possibilidade de mudanças nas regras contidas na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Se aprovado, o decreto poderá também determinar o estabelecimento de prioridades de pagamentos conforme a disponibilidade financeira do Estado. Neste caso, despesas discricionárias como convênios, repasses, doações e benefícios de natureza não alimentar podem ser postergadas e pagas somente depois que o Governo cumprir com suas despesas prioritárias, como salário dos servidores.

“Vamos aguardar agora a aprovação da Assembleia Legislativa para que nós possamos colocar em marcha esse plano de recuperação”, acrescentou o governador. Conforme Mauro Mendes, sua decisão foi avalizada pelo ministro Paulo Guedes, que classificou a medida como “acertadíssima”.

“O ministro deixou claro que somente os Estados que tiverem a coragem de tomar as medidas corretas conseguirão reequilibrar as contas. Ele disse que esse era o momento de expor as feridas e comunicar isso para a população, porque a população é a nossa patroa”, relatou.

Também participaram da reunião com o ministro o senador eleito Jayme Campos; o deputado federal Victorio Galli; os deputados federais eleitos Emanuelzinho, Neri Geller, Nelson Barbudo e José Medeiros; e os secretários de Estado Mauro Carvalho (Casa Civil), Rogério Gallo (Fazenda), Gilberto Figueiredo (Saúde) e Cesar Miranda Lima (Desenvolvimento Econômico).
 

26 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Juliano Lobato
    17 Jan 2019 às 19:50

    Votei e fiz campanha contra Mauro Mendes, mas agora vejo que Mato Grosso realmente precisa de um choque de gestão. Suas declarações públicas vão de encontro ao que eu acredito ser o necessário. O estado precisa é ser gerido como uma empresa, senão irá falir as famílias matogrossenses. O cidadão precisa é receber serviços públicos de forma ágil, desburocratizada, confiável e com o menor custo operacional possível. Olhe o valor abusivo das taxas, licenciamentos, emolumentos e impostos que somos obrigados a acrescentar ao pagamento dos tributos normais que já pagamos, se quisermos ter direito de trabalhar legalmente a até andar de carro nas ruas esburacadas dos bairros de Cuiabá e VG. O tempo que somos obrigados a perder para emitir um simples alvará ou mesmo fazer matrícula de nossos filhos nas escolas ou emitir uma segunda via de RG. Tudo no estado é moroso por culpa primeira da estabilidade do servidor, que não precisa ser ágil nem competente nem eficiente. Se ele continuaar agindi e pensando como um gestor de qualidade: então tô com Mauro !

  • Bainho
    17 Jan 2019 às 14:08

    Para os que estão comentando nesse post dizendo que o estado de Mato Grosso é rico, vai aqui a resposta: PIB de São Paulo 2016 : 2,1 trilhões de reais, 32,% do Brasil PIB de Mato Grosso 2016: 2,0 trilhões de reais, 2% do Brasil. no ranking de colocação São Paulo é o primeiro, Mato Grosso apenas o Décimo Terceiro, ok?

  • João Terra
    17 Jan 2019 às 11:45

    Não entendi. Judiciário teve aumento de 17% nos seus supersalários. Legislativo e executivo também tiveram aumento não apenas de salario mais de um monte de be novos benefícios e auxilios. Não era só tirar o PT e o PSDB que resolveria a crise? Desde 2016 os pobres ficarem 12% mais pobres e os ricos ficaram 6% mais ricos. Onde está o erro? Na imoralidade da lei? Ou na pobre cabeça de um cidadão da classe média?

  • Chico Bento
    17 Jan 2019 às 11:40

    Mendes, há um dispositivo na lei do servidor público, que autoriza o estado no caso de inexistência de recursos, demitir servidores que não produzem. É só você fazer isso e enxugará a máquina, pois 80% deles nada produz!

  • Romes
    17 Jan 2019 às 11:06

    Dona Ana.. não é inveja dos servidores.. é que nao quero pagar imposto exclusivamente pra sustentar salarios.. quero investimento tbm ... se informe pra ver o percentual dos impostos que vai pra salario de servidor e pra previdencia... totalmente injusto.. seja lucida

  • Pedro
    17 Jan 2019 às 10:37

    A farra do funcionários públicos vai acabar, governador privatiza tudo logo pois esse atendimento que a população está recebendo não condiz com esses super salários

  • Brunno
    17 Jan 2019 às 10:27

    Acontece senhor Governador, que você deveria informar a presidência da república que mais de duzentas empresas no MT recebem incentivos Fiscais e NÃO PAGAM IMOOSTOS , GERANDO UM PREJUÍZO DE 7 BILHÕES.... INCLUSIVE A SUA EMPRESA SENHOR GOVERNADOR..... Sou pequeno empresário e pago um Alto Custo de Impostos, Alvarás entre outros... Enquanto você senhor Governador, Não contribue para o Crescimento do Estado e quer jogar a Culpa nos Servidores públicos do Executivo... TJ AL TCE Procuradoria MP cheia de contratados Nadando em Dinheiro Público... Vejamos : Segurança pública sem pessoal e Sem viaturas para Trabalhar, saúde um Caos, Educação um Caos.... E os servidores do executivo Que tem a Culpa do Caos Financeiro ??? Conta Outra.... Abre a folha de pagamento dos seus Secretários ... Coeta os DGAs Milionários.... Mais um Governo da Vergonha.... Da mentira e da enganação... Quando os servidores da segurança resolverem parar e as Facções Criminosas começarem a aparecer e Meter Fogo em ônibus e tocar o terror, aí você Governador vai ver as consequências.....

  • AVANÇA LOGO MT
    17 Jan 2019 às 10:07

    NO RIO NOS ULTIMOS 20 ANOS FOI SÓ ROUBO E AQUI TA IGUAL, ENQUANTOS DEPUTADOS E SENADORES NADAM EM DINHEIRO O POBRE TRABAHADOR NÃO TEM NADA

  • Dona Ana - mercadinho Sol nascente
    17 Jan 2019 às 09:54

    Porque voces tem inveja dos servidores desejando o mal e provocando eles? o que voces ganham com isso dai? me expliquem.

  • carlos
    17 Jan 2019 às 09:45

    Estamos contigo Mauro Mendes, a população está apoiando todas as suas atitudes, desde a extinção de autarquias até o duelo com os servidores públicos que não querem trabalhar 8 horas. Você pegou a casa bagunçada, mas sempre foi movido a desafios. Estamos contigo, vamos vencer!

Sitevip Internet