Olhar Direto

Quinta-feira, 25 de abril de 2019

Notícias / Política MT

Wellington cita “jornada dupla” e defende aposentadoria especial para mulheres

Da Redação - Lucas Bólico

08 Fev 2019 - 16:40

Foto: Pedro França/ Agência Senado

Wellington cita “jornada dupla” e defende aposentadoria especial para mulheres
O senador Wellington Fagundes (PR) defende a necessidade de uma reforma profunda na Previdência Social e se posiciona contra a equiparação da idade mínima de aposentadoria entre homens e mulheres. O tema divide opiniões e será debatido no Congresso Nacional. A tese de Fagundes é oposta à defendida, por exemplo, pela senadora Selma Arruda (PSL), conforme noticiado por Olhar Direto.

Leia também:
Selma quer reforma na previdência que iguale idade mínima de aposentadoria entre homens e mulheres
 
Fagundes cita como argumento dados do Fórum Econômico Mundial, que projeta para 202 anos o fim da desigualdade salarial entre homens e mulheres. O republicano argumenta que a idade mínima igualitária de aposentaria é injusta para as trabalhadoras.  “A mulher tem que fazer jornada dupla, principalmente a mulher trabalhadora com menor remuneração”, disse.
 
Ele também defendeu tratamento diferenciado para os policiais, que integram a chamada categoria especial de trabalhadores, cuja expectativa de vida é de 66 anos. Para Fagundes, é preciso avançar n discussão. “Hoje existem muitos jovens policiais fazendo atividades administrativas, fora da atividade principal”, lembrou. Para ele, é preciso definir um tempo mínimo para que os policiais exerçam sua atividade fim. “Hoje existem muitos policiais jovens se aposentando”, lamentou, em entrevista à  Rádio Senado.
  
O republicano disse considerar a reforma da Previdência importante, mas observa que não deve caminhar dissociadas de outros projetos vitais ao pais. Para ele, a reforma política, por exemplo, é classificada como ‘a mãe de todas as reformas’ e o atual modelo tributário brasileiro exige mudanças.
 
“O cidadão comum, com o título de eleitor em suas mãos e com as ferramentas da participação ao seu alcance, indicou que quer respostas às suas demandas mais urgentes”, disse, destacando a questão da saúde, educação e segurança, aliados ao cuidado com a coisa pública.
 
“O cidadão não tolera mais a fome e tampouco a miséria, rechaça a violência e impõe a todos nós que adotemos atos derradeiros contra a insegurança que paira a cada caminhar. O desemprego de mais de 12 milhões de brasileiros precisa de enfrentamento mais duro como forma de reverter esse quadro de deterioração social”, assinalou, tratando como ‘inadmissível’ os sobressaltos vividos pelo povo brasileiro, diante da riqueza natural, terras férias e produção invejável.
 
As informações são da assessoria de imprensa.

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • nilza
    10 Fev 2019 às 16:00

    Eutenho 57 anos e aidade ja está pesando trbalho de diarista ganho menos qu salário mínimo e ninguém quer mais assinar carteira de pessoas com essa idade não contando com as dores qu temos com a idade somos umilhados todos os dias e o governo acha qu ganhamos muito esse salário de fome e os políticos será qu vai se aposentar com salário mínimo e vai ser com a mesma idade qu aposenta os trabalhadores também ?

  • Jeronimo Vicente Farias
    09 Fev 2019 às 09:27

    Valeria, concordo integralmente contigo. Não dá pra falarmos em igualdade e fomentarmos as diferenças. Tem certos dilemas que precisam ser superados e a aposentadoria é um deles. Outro que merece atenção é a licença "maternidade". O perfil de famílias hoje tem mudado. Nada impede que um homem solteiro adote um recém nascido, ou ainda um casal homossexual masculino, e a criança precisaria de apoio. Em países nórdicos, o casal tem direito a um ano de licença, se não estou enganado, e os cônjuges podem se alternar nesse período nos cuidados da criança, sendo a licença para apenas um por vez. Isso permite um contato mais próximo do homem na criação dos filhos e também que a mulher não fique muito tempo afastada da sua profissão e tenha a carreira prejudicada. Mina até o discurso do presidente que mulheres deveriam ganhar menos porque engravidam.

  • Maria Helena
    08 Fev 2019 às 21:43

    Sou mulher e discordo desse discurso pra galera do senador. Mulher tem

  • Mario Tupinamba
    08 Fev 2019 às 19:06

    Que se igualem tempo de serviço de homens e mulheres e policiais, professores, militares. Chega de privilégios no Brasil do meu capitão.

  • mario
    08 Fev 2019 às 17:40

    Esse é um demagogo, mas sobre os policiais, é realmente injusto que os que trabalharam toda a vida como administrativos, tenham as mesmas vantagens daqueles que são efetivamente policiais.

  • Valeria Ribeiro
    08 Fev 2019 às 17:08

    senador. Se queremos ter direitos iguais aos homens, temos que nos empoderar. Nossos filhos tem creches. Trabalhamos como homens. Isso é discurso de cem anos atrás. Tem sim que trabalhar mesmo tempo que sexo masculino e elevar idade de aposentadoria para no mínimo 70 anos. Avanço da medicina nos faz viver mais, logo, precisamos contribuir mais.

Sitevip Internet