Olhar Direto

Notícias / Política MT

Sessão que pode terminar na cassação de prefeita entra no segundo dia

Da Redação - Fabiana Mendes

14 Mar 2019 - 09:25

Foto: Reprodução

Sessão que pode terminar na cassação de prefeita entra no segundo dia
A sessão extraordinária na noite desta quarta feira (13), que votaria o pedido de cassação da Prefeita de Chapada dos Guimarães (a 60 quilômetros de Cuiabá), Thelma de Oliveira (PSDB), foi suspensa a pedido do presidente da casa, Carlos Eduardo de Lima Oliveira (PT). A previsão era de que ela fosse retomada na manhã desta quinta-feira (14).

Leia mais:
Câmara de Chapada decide nesta quarta sobre cassação de Thelma de Oliveira

Criada em dezembro, a Comissão Processante apura pelo menos seis irregularidades supostamente cometidas por Thelma, entre elas aquisição de plantas que não teriam sido usadas na cidade, superfaturamento e recusa em atender solicitação de informações feitas por vereadores. Na sessão de julgamento será votado o relatório produzido pela vereadora Aline Muniz (PT), que propõe a cassação da tucana.

Na noite de ontem, o presidente da Câmara pediu que começasse a ser lido o relatório. No entanto, o advogado da prefeita, José Antônio Rosa, pediu que fosse lida a denúncia, as provas, o relatório da defesa e o parecer final da comissão processante.

Por conta disso, alguns vereadores teriam entrado em divergências. O vereador Thomas Jefferson (PSDB) pediu então, para que todo o processo fosse lido de capa a capa. Votada pelos demais vereadores, a maioria acatou a proposta do parlamentar. 

Mais de quatrocentas páginas foram lidas pela mesa diretora. Com o avançar das horas, o presidente da casa ordenou que a sessão fosse temporariamente suspensa e fosse retomada no dia seguinte.

A continuação da leitura do processo e julgamento acontece nesta quinta feira (14), no plenário da Câmara Municipal de Chapada dos Guimarães.

Viuva do ex-governador do Estado Dante de Oliveira, Thelma, que já chegou a ser suplente de deputada federal foi eleita prefeita de Chapada com 44,6% dos votos válidos no município. Para que aconteça a cassação, são necessários 8 votos, ou seja, a maioria dos 11 vereadores em exercício.
 

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Zeca
    14 Mar 2019 às 17:16

    Isso só leva o município ao atraso. Coisas de mediocridades políticas, nada mais!

  • Hélio
    14 Mar 2019 às 11:08

    Os vereadores estão no bolso do colete, não há a mínima possibilidade disso acontecer.

  • Crítico
    14 Mar 2019 às 09:43

    Os vereadores estão no penhasco almoçando. Tá td certo

Sitevip Internet