Olhar Direto

Notícias / Educação

Professores cruzam os braços no dia 24 contra falta de condições de trabalho e aprovam indicativo de greve

Da Redação - Fabiana Mendes e José Salvani

25 Mar 2019 - 17:55

Foto: José Salvani / Olhar Direto

Professores cruzam os braços no dia 24 contra falta de condições de trabalho e aprovam indicativo de greve
O Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT) irá paralisar as atividades por 24 horas no próximo dia 24 de abril, por conta da falta de condições de trabalho e também contra a reforma da Previdência proposta pelo Governo Federal. A decisão foi tomada durante Assembleia Geral na tarde desta segunda-feira (24), Escola Estadual Professor Nilo Póvoas, em Cuiabá. 

Leia mais:
Ato contra reforma da Previdência em Cuiabá convoca trabalhadores para greve geral; veja fotos

A categoria deverá aguardar até o dia 20 do mesmo mês para que o Governo Estadual atenda as demandas. No entanto, já existe o indicativo de grave, que pode ser deflagrada a qualquer momento, caso exista movimentação para retirada de direitos, afirma o sindicato.
 
O sindicato aponta que o indicativo de greve aconteceu diante do que eles chamam de desmonte da educação pública na rede estadual, frente a falta de condições de infraestrutura das escolas, ausência profissionais nas unidades para atender a demanda, problemas com recursos da merenda escolar e, até mesmo falta de material administrativo, como papel para impressão de provas. O debate ocorre as véspera da data-base da categoria, no mês de maio. 
 
O presidente do Sintep, Valdeir Pereira, disse ao Olhar Direto que a paralisação geral nos 103 municípios pode não ser deflagrada, caso o Governo cumpra a política de isenção e renuncia fiscal. “Só basta o Governo cumprir o que está estabelecido na Constituição do Estado, que diz que na política de isenção e renuncia fiscal, os recursos da educação devem ser preservados. Que ele teria recurso suficiente para reformar e construir escolas no Estado inteiro. Só basta essa politica”, afirma.
 
O professor Francisco Santino da Silva, de 60 anos, atua como professor há 32 anos. Ele é favorável à greve. “Por mim, seria agora. Mas como tem todo esse contexto, a gente tem que entrar em um consenso e fazer com que esta greve seja construída em outros municípios, para termos força. A nossa luta depende da força”, contou.
 
No dia da paralisação geral estão previstos atos nas assessorias pedagógicas dos municípios e na Secretaria Estadual de Educação (Seduc), no Centro Político Administrativo (CPA).

7 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • marcos
    26 Mar 2019 às 12:01

    educação nunca irá mudar quem sai prejudicado são os alunos

  • Cuiabano
    26 Mar 2019 às 09:27

    O povo não entende vcs votaram em um Empresário pra Governador, o cara com empresário, podem fazer greve o que for ele não vai baixar a cabeça pra servidor e não vai colocar salários em dia, enquanto não colocar o cofre em dias, Taques deixou o maior rombo da história do Mato Grosso.

  • Mario
    26 Mar 2019 às 09:12

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • DESEMPREGADO
    26 Mar 2019 às 08:28

    DE NOVO VAI SER A QUARTA VEZ ,É COM TRABALHO QUE SE VENCE QUE MAL EXEMPLO AS CRIANÇAS ESTÃO SENDO PREJUDICADAS , CORTEM OS PONTOS

  • Benedito Nogueira
    25 Mar 2019 às 22:49

    Por isso defendo a terceirizaçao. Professor público ganha bem, aposenta cedo e ainda querem fazer greve. Demita todos Mauro Mendes. Sociedade vai ficar do seu lado.

  • Jorge
    25 Mar 2019 às 21:28

    Éramos felizes com Taques e não sabíamos

  • Desiludido
    25 Mar 2019 às 20:54

    Já foi o tempo que o sindicato conseguia mobilizar a categoria. A descrença, a decepção e a desilusão são muito grandes. O maior culpado por esta situação é o próprio sindicato que nunca foi independente e que sempre manipulou a categoria para favorecer aquele partido da estrela vermelha que é acusado pela sociedade de ser o mais corrupto da história.

Sitevip Internet