Olhar Direto

Sábado, 21 de setembro de 2019

Notícias / Política MT

Um mês após aprovação de medidas austeras, Governo diminui “rombo” orçamentário pela metade

Da Redação - Érika Oliveira

12 Abr 2019 - 15:55

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Um mês após aprovação de medidas austeras, Governo diminui “rombo” orçamentário pela metade
O governador Mauro Mendes (DEM) utilizou suas redes sociais para apresentar à população os primeiros resultados colhidos por seu Governo, um mês após a aprovação de uma série de medidas, consideradas duras, para frear o crescimento das despesas do Estado. Os cortes, segundo demonstram os números, refletiram uma redução de quase 50% no “rombo” do orçamento do Executivo, se comparado ao mês anterior, fechando março com um déficit de R$ 60,9 milhões. O valor é a somatória de tudo que foi arrecadado, o que foi pago e as despesas não pagas no mês.

Leia mais:
Em reunião com deputados, Mendes promete pagar parte das emendas impositivas

“O resultado final foi positivo. Já conseguimos ficar com um déficit inferior ao do mês passado, pois fechamos março com um saldo negativo de R$ 60,9 milhões. Vale lembrar que em fevereiro o saldo ficou negativo em R$ 118 milhões. Vamos continuar o nosso trabalho, pois agora é a hora de reconstruir Mato Grosso”, escreveu o governador.

Conforme a Secretaria de Comunicação do Governo, em março, o Estado arrecadou R$ 1.447.192.375, valor que foi somado a outros R$ 45.609.829 que constavam no saldo da Conta Única em 1º de março. Desse valor, o Governo efetuou o pagamento dos salários dos servidores ativos no valor de R$ 308.366.053 e dos inativos no valor de R$ 185.022.942.

O repasse obrigatório aos Poderes somou R$ 198 milhões. Ao Tribunal de Justiça foi destinada a quantia de R$ 84.715.264, à Assembleia Legislativa o valor foi de R$ 40.291.590, ao Ministério Público R$ 34.216.166, para o Tribunal de Contas do Estado o valor foi de R$ 28.398.705 e para a Defensoria Pública o repasse foi de R$ 10.522.367.

“Nós também fizemos os repasses obrigatórios às 141 prefeituras no valor de R$ 269,5 milhões, mais R$ 130,3 milhões para o Fundeb, entre outras despesas, todas descritas no quadro acima”, explicou o governador, na legenda de uma foto que trouxe o pagamento detalhado de cada despesa.

O Estado também fez o pagamento de dívidas bancárias na quantia de R$ 203.473.494. Além desses valores, foi bloqueado judicialmente a quantia de R$ 14.701.492 e para as contas especiais (Fundo Estadual de Equilíbrio Fiscal de Mato Grosso, Mato Grosso Saúde e MT Prev) foi repassado o valor de R$ 11.668.945. Em investimentos, o Estado destinou a quantia de R$ 2.527.217.

Ainda cumprindo os repasses obrigatórios, o Estado repassou ao Fabov (Fundo de Apoio a Bovinocultura de Corte), Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal), Cipem (Centro das Indústrias Produtoras e Exportadoras de Madeira do Estado de Mato Grosso) e Detran a quantia de R$ 1.376.326.

Veja abaixo o demonstrativo:
 

 

7 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Maria Helena
    13 Abr 2019 às 07:27

    Estou agradavelmente surpresa. Dante levou três anos para arrumar a casa. Mauro Mendes apenas três meses. Que reeleição que nada. Mauro Mendes, futuro presidente do Brasil!

  • Reginaldo
    13 Abr 2019 às 07:04

    Fico imaginando a sangria desatada para arrumar uma teta e ao mesmo tempo, para não perder as que já tem... é muita grana minha gente...

  • Luiz
    12 Abr 2019 às 21:07

    A verdade é que esse mauromente, já conseguiu seu objetivo principal destabilizar as conquistas dos funcionários, e acabar com os direitos conquistados ao longo dos anos, com essa mentira esfarrapada de crise financeira, o estado na verdade nunca teve crise oque tevê foi ma gestão dos recursos arrecadados, e só observar os indicadores de receitas continua as mesmas dos últimos seus meses, sem precisar dos fex. Os repasses para os poderes continua o mesmo fez tempestade para justificar sua perseguição aos funcionalismo público, mas sua hora vai chegar mauromente, vai o mesmo de Pedrinho malvadeza. É só piada

  • Elisete
    12 Abr 2019 às 20:18

    Medidas austeras eficazes seriam reduzir os supersalários dos promotores de justiça, magistrados, deputados que ganham muito além do merecido. Mas não, castiga os servidores do Executivo, que nada têm de privilégios ou mordomias.

  • Aposentados de outros poderes
    12 Abr 2019 às 19:05

    Queria saber se o poder executivo continua pagando os aposentados dos outros poderes, sendo que isso é inconstitucional pois cada poder deve tem orçamento próprio para isso, pagar os seus ativos e inativos. E o mpe esta averiguando isso????

  • Violeta Reiners
    12 Abr 2019 às 17:01

    Parabéns governador. Rumo à reeleição.

  • Pardal
    12 Abr 2019 às 16:13

    E o empréstimo cobriu o que?

Sitevip Internet