Olhar Direto

Terça-feira, 17 de setembro de 2019

Notícias / Educação

Vinte e três campi de Mato Grosso podem ser prejudicados com cortes do MEC a instituições federais

Da Redação - Isabela Mercuri

02 Mai 2019 - 08:30

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Vinte e três campi de Mato Grosso podem ser prejudicados com cortes do MEC a instituições federais
Vinte e três campi, somados os da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e os do Instituto Federal de Mato Grosso, poderão ser prejudicados caso os cortes anunciados pelo Ministério da Educação (MEC) sejam colocados em prática. O secretário de educação superior do governo federal, Arnaldo Barbosa de Lima Junior, afirmou à TV Globo na noite da última terça-feira (30), que haverá bloqueio de 30% na verba para todas às universidades e institutos federais a partir do segundo semestre de 2019. Segundo o secretário, a decisão pode mudar caso haja melhora na situação financeira do país.

Leia também:
UFMT oferece curso de italiano para iniciantes a partir de maio

Na mesma terça-feira (30), o ministro da educação Abraham Weintraub determinou corte de verba à Universidade de Brasília (UnB), à Universidade Federal Fluminense (UFF) e à Universidade Federal da Bahia (UFBA), com o argumento de que nestas instituições haveria ‘balbúrdia’. "Universidades que, em vez de procurar melhorar o desempenho acadêmico, estiverem fazendo balbúrdia, terão verbas reduzidas. A lição de casa precisa estar feita: publicação científica, avaliações em dia, estar bem no ranking ”, disse, em entrevista ao Estado de São Paulo.

A mudança no discurso veio após diversas críticas, e o Ministério decidiu realizar os cortes em todas as instituições federais a partir do segundo semestre. Em Mato Grosso, são 23 campi, sendo quatro da Universidade Federal (Cuiabá, Araguaia, Sinop e Rondonópolis) e dezenove do Instituto Federal (Cuiabá, Campus São Vicente, Cáceres, Cuiabá - Bela Vista, Pontes e Lacerda - Fronteira Oeste, Campo Novo do Parecis, Juína, Confresa, Rondonópolis, Sorriso, Várzea Grande, Barra do Garças, Primavera do Leste, Alta Floresta, Avançado de Tangará da Serra, Avançado de Diamantino, Avançado de Lucas do Rio Verde, Avançado de Sinop e Avançado de Guarantã do Norte).

Lima Junior, no entanto, não explicou de que forma estes cortes serão realizados, mas elas seriam para as despesas discricionárias, ou seja, as ‘não obrigatórias’. Além disso, afirmou que, para liberar mais verbas, vai adotar critérios de avaliação. “O que a gente quer é que as universidades foquem em prestar serviços melhores para os nossos cidadãos, e que isso se reflita em ganhos de inovação e de empregabilidade nos nossos alunos”.

Recursos recebidos

Os repasses à UFMT já vêm em queda desde o ano de 2013. Em uma tabela, também divulgada pelo G1, é possível ver que em 2013 o valor empenhado à instituição pelo MEC era de R$184.096.083. Em 2017, foi de R$117.796.435. No relatório de gestão publicado pela universidade no final de 2018, foi declarado que os cortes naquele ano foram ainda maiores.



“As despesas discricionárias, de custeio e capital, foram 0,2% e 19,7% inferiores a 2017, respectivamente. As despesas de investimentos sofreram reduções significativas implicadas não só pela Emenda constitucional mencionada [nº 95/2016], mas também pela retirada, por parte do Ministério da Educação, dos recursos de capital, especificamente de obras, da matriz de distribuição das universidades, centralizando sua aprovação e distribuição via Termo de Execução Descentralizada, conforme as necessidades apresentadas pelas universidades ao longo do ano de 2018. Se as despesas discricionárias autorizadas em 2018 fossem corrigidas pelo índice de inflação oficial desde 2016, teríamos um montante de R$ 169.767 milhões em custeio e R$ 34.848 milhões de recursos de capital”. Acesse o relatório completo AQUI.  

21 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Clovis Ali
    03 Mai 2019 às 11:37

    Universidade pública só serve para comunista Parabéns Bolsonaro. Devia era fechar.

  • Ana Maria
    02 Mai 2019 às 21:40

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • marcos augusto
    02 Mai 2019 às 18:30

    vania otsubo, vc também devia ser extinta da vida social aqui no brasil e ir trabalhar no japão como decassegui, ficar limpando chão para japonês, pois provavelmente não estudou o suficiente para ter uma profissão menos penosa. lá você vai ter um futuro brilhante

  • Benedito Nogueira
    02 Mai 2019 às 17:53

    Nossas universidades só tem maconha e gente comunista. Parabéns Bolsonaro.

  • Maira Novais
    02 Mai 2019 às 17:34

    Por que será que pessoas com processo disciplinar em suas entidades de classe, justamente relacionados a seus diplomas de graduação, vêm aqui querer denegrir a UFMT? Por que será né?

  • Vânia Otsubo
    02 Mai 2019 às 12:29

    Apoio o presidente nessa. Universidade Federal foi contaminada pelo PT. Devem ser extintas. Lula e Selma condenados.

  • Vinicius Tenuta
    02 Mai 2019 às 12:28

    Onofre veinho "mi-mi-mi de contracheque". Demita todos e feche todas universidades capitão. População apóia o senhor.

  • Karla Regina
    02 Mai 2019 às 12:27

    Universidade Federal deve ser privatizada. Despesa demais para pouco retorno.

  • Josafa Santiago
    02 Mai 2019 às 12:26

    Parabéns Bolsonaro. Universidade pública é desperdício de dinheiro. Esses professores ganham rios de dinheiro, vivem fazendo greve e não produzem pesquisa. Queria que o senhor fechasse todas e demitisse todos professores. Economia para o Brasil.

  • Augusto UFMT
    02 Mai 2019 às 12:00

    Tem que cortar mesmo. Sou contribuinte, sou universitário e tbem sou contra nossos recursos serem usados pra prof esquerdista ficar fazendo cooptação de militância político partidária dentro das universidades. Tem que acabar mesmo. Ciência e produção de conhecimento científico de verdade todos.... chega de produção de maconheiros militantes que não produzem em nada pra sociedade e que só desconstroem. A sociedade tem que evoluir e não desconstruir. #Cortamesmo

Sitevip Internet