Olhar Direto

Notícias / Cidades

Família acreditou que mulher enterrada no quintal pelo ex havia sumido na Espanha; fotos e vídeo

Da Redação - Wesley Santiago

14 Mai 2019 - 07:15

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Família acreditou que mulher enterrada no quintal pelo ex havia sumido na Espanha;  fotos e vídeo
A família de Benildes Batista de Almeida, 39 anos, desaparecida desde 2013, finalmente chegou à conclusão de uma história que durou nove anos de dor e incertezas. Adilson Pinto da Fonseca, 48 anos, confessou ter matado a mulher, com quem teve um relacionamento. A princípio, os familiares acharam que ela havia sumido na Espanha, local onde morava. Porém, descobriu-se que os restos  mortais dela estavam enterrados no quintal de uma casa, no bairro Nova Conquista, em Cuiabá.

Leia mais:
Homem mata e enterra namorada e ex-esposa em quintal de casa em Cuiabá; fotos e videos
 
Benildes desapareceu em 17 de dezembro de 2013. Ela morava na cidade de Asturia, na Espanha, e tinha voltado ao Brasil, onde passou cinco meses com a família. Um dia antes dela retornar para a Europa, houve uma discussão com o suspeito, que a matou e enterrou seu corpo no quintal da casa.
 
O quintal era o mesmo em que, cinco meses antes, Adilson havia enterrado o corpo de Talissa de Oliveira Ormond, 22 anos. Após a primeira ossada ter sido encontrada, o suspeito acabou confessando as duas mortes e informando onde teria enterrado a segunda vítima.
 
Sem saber do caso, a família de Benildes acreditou que a mulher havia desaparecido na Espanha, local onde morava. Porém, após contato com a Polícia Federal, descobriu-se que ela não havia deixado o país.
 
Benildes era ex-mulher de Adilson, que chegou a morar algum tempo com ela na Espanha. Porém, os dois terminaram o relacionamento e ele retornou ao Brasil, onde conheceu Talissa. A mãe da moça contou que ela tinha saído para trabalhar em uma empresa de telefonia e não mais deu notícias.
 
Na empresa, a chefe de Talissa informou à mãe que naquele dia ela tinha trabalhado o dia todo e quando saiu havia um rapaz moreno em uma motocicleta a espera dela. Mas ninguém a viu sair com ele. No dia seguinte, a vítima teria ligado na empresa pedindo socorro. Depois não deu mais notícias.

 
Uma das ossadas foi localizada a mais de um metro de profundidade perto da calçada, na lateral da casa. Mesmo usando equipamento apropriado para rastreamento de solo, foi uma denúncia recebida enquanto o trabalho era realizado, que ajudou as equipes na localização do ponto em que o corpo havia sido ocultado.
 
“Algumas informações, contradições do suspeito, testemunhas levaram a gente a acreditar que o corpo poderia estar escondido ou até mesmo enterrado no perímetro desta casa. Houve uma testemunha que relatou na época do desaparecimento da primeira, que presenciou uma briga dele com uma menina, com as mesmas características da desaparecida e que ela estava tentando sair da casa, mas ele a arrastou e houve um silêncio, não se ouviu mais nada”, disse o delegado Fausto José de Freitas, responsável pelo caso.
 
Até às 16h30 desta segunda-feira (13), a segunda ossada não havia sido localizada. Por diversas vezes o suspeito foi levado até o local para apontar onde teria enterrado o corpo. Servidores da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) e da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) se desdobraram desde o fim da manhã na tentativa de encontrar os restos mortais.


 
A cada vez que era levado para indicar o possível local onde estaria enterrada a segunda vítima, Adilson era xingado por populares que acompanhavam o trabalho das autoridades. Com uma blusa cobrindo sua cabeça, ele aparecia rapidamente do lado de fora, mas logo era colocado para dentro da residência.
 
Adilson foi preso em flagrante por ocultação de cadáver. O suspeito ainda será ouvido novamente pelo delegado Fausto Freitas, que assumiu o caso há poucos meses.
 
O caso
 
Policiais da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e a Perícia Técnica (Politec) realizam na tarde desta segunda-feira (13) as buscas aos corpos de Talissa Oliveira Ormond,de 22 anos, e Benildes Batista de Almeida, de 39 anos, ambas desaparecidas desde o ano de 2013. Elas foram mortas e enterradas no quintal de uma casa no bairro Nova Conquista, em Cuiabá. O suspeito do duplo homicídio foi identificado como Adilson Pinto Da Fonseca, de 48 anos, que mantinha relacionamento com as duas vítimas. Ele já está preso em flagrante por ocultação de cadáver.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Daniele
    14 Mai 2019 às 10:37

    O mais espantoso é que na época ainda ouviram a briga dela querer sair, e ninguém chama a polícia nem se manifesta para prestar socorro.

Sitevip Internet