Olhar Direto

Quarta-feira, 22 de maio de 2019

Notícias / Cidades

Mobilização contra cortes na Educação já acontece no interior do Estado

Da Redação - Fabiana Mendes

15 Mai 2019 - 10:20

Foto: Gibran Lachowski

Mobilização contra cortes na Educação já acontece no interior do Estado
A mobilização contra os cortes na Educação anunciados pelo Governo Federal já acontece, na manhã desta quarta-feira (15), na cidade de Tangará da Serra (a 240 quilômetros de Cuiabá) e Rondonópolis (a 218 km de Cuiabá). A paralisação tem como pauta a adesão de duas agendas nacionais, a Greve Nacional da Educação e a luta Contra a Reforma da Previdência. Em Cuiabá, um ato está previsto para acontecer na Praça Alencastro, às 14 horas. Várias ações devem acontecer nos campus no interior do Estado. 

Leia mais:
Contra corte de R$ 34 mi e Reforma da Previdência, UFMT adere à greve geral

O ato conta com participação dos estudantes e professores os Institutos e Universidades Federais. Os docentes da Universidade do Estado de Mato Grosso também aderiram à Greve Geral.



Em Cáceres uma passeata com panfletagem estava programada para ter início às 8h da manhã, encerrando a programação na Unemat com debates e programação cultural. Em Sinop, a programação iria iniciar às 9h com palestras, seguida de feira de ciências e passeata, encerrando-se com uma extensa programação cultural na Praça Plínio Gallegaro.
 
Em Cuiabá, alunos, professores e trabalhadores administrativos da Universidade  Federal de Mato Grosso (UFMT) deverão se mobilizar no Campus por volta das 13 horas. Na sequência, a mobilização segue para a Praça Alencastro. 
 
Bloqueio 

O Ministério da Educação comunicou no dia 30 de março o bloqueio de 30% na verba de todas instituições de ensino federais do país. O anúncio foi feito depois das reações críticas ao corte de verba de três universidades que foram palco de manifestações. São elas: Universidade de Brasília (UNB), Universidade Federal da Bahia (UFBA) e Universidade Federal Fluminense (UFF).

Em entrevista ao jornal Estado de S.Paulo, o ministro Abraham Weintraub comentou que "universidades que, em vez de procurar melhorar o desempenho acadêmico e estiverem fazendo balbúrdia, terão verbas reduzidas”.
 
Depois do anúncio, os Institutos e Universidades Federais mato-grossenses anunciaram os impactos que o bloqueio poderia causar. Na UFMT, por exemplo, o corte representa R$ 34 milhões.

Caso a medida proposta pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) não seja revista em até 60 dias, contratos de serviços básicos deixarão de ser honrados, a disciplina de Libras será aplicada na modalidade EAD (Ensino à Distância), o campus poderá também ficar sem luz e água e, por consequência, o Restaurante Universitário pode deixar de atender. 

11 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Moacir
    15 Mai 2019 às 13:58

    Estudantes assim, me lembra soldados em guerra.,Enquanto os poderosos estão fumando belos charutos em salas climatizadas. Os manipulados estão lutando por algo que não é deles.

  • alexandre
    15 Mai 2019 às 13:56

    Misturou movimento lula livre, com reforma da previdencia e reclamação contra o contingenciamento de 3,5% na educação, sem as reformas, o pais travou..

  • Ary
    15 Mai 2019 às 13:51

    Não é corte, e contingência de gastos. Corte seria caso não repassa-se nem um $$$ . Acabou a mamata do PT. Vamos fazer valor o que dia nossa bandeira.

  • Juracy Ady
    15 Mai 2019 às 13:06

    Fracasso total dessa pseudo manifestação. Queriam ficar sem trabalhar por um dia. Não desconta salário de funcionários públicos né? Bolsonaro deveria privatizar essas universidades e institutos federais.

  • Raimundo
    15 Mai 2019 às 12:26

    Esses estudantes são trouxas, será que não conseguem ver que essa movimentação é organizada pelo PT, PSOL, e até o MST, entre outras quadrilhas?

  • Fernanda Arruda
    15 Mai 2019 às 12:14

    Ninguém mais apóia esses funcionários públicos. Privatização de universidades e institutos federais já.

  • paranaense
    15 Mai 2019 às 11:42

    Ato político virou greve mesmo... só a esquerda pra isso

  • Chico Bento
    15 Mai 2019 às 11:10

    O que tem a ver a bandeira gay com a manifestação sobre a educação? Isso prova que o objetivo é outro que não tem nada a ver!

  • Ari
    15 Mai 2019 às 11:01

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Mulher ma
    15 Mai 2019 às 10:59

    Tem cortar sim Onde ja se viu nao ter capacidade de pagar agua e luz de uma faculdade publica?! Porque nao mostra as contas reitora? Vcs nunca pagam em dia o pessoal da limpeza mesmo com repasse integral!! Entao se nao mostra a financas da faculdade Nao tem o porque fazer drama. Se vire pra arcar com as contas Assalariado ganha pouco mas procura honrar as despesas da casa. Entao o bolsonaro ta certissimo em fazer isso!!

Sitevip Internet