Olhar Direto

Terça-feira, 20 de agosto de 2019

Notícias / Política MT

Mendes rebate ameaça de greve do Sintep: “terceiro melhor salário e 21ª pior educação do Brasil”

Da Redação - Érika Oliveira

15 Mai 2019 - 14:00

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Mendes rebate ameaça de greve do Sintep: “terceiro melhor salário e 21ª pior educação do Brasil”
Diante da possibilidade de enfrentar a primeira greve da Educação em seu Governo, Mauro Mendes (DEM) pediu que o Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público (Sintep) reflita sobre a posição do Estado no ranking nacional que avalia o desempenho entre as demais unidades federativas, versus o valor pago aos profissionais da área em Mato Grosso. Segundo o governador, os dados são incompatíveis.

Em reunião com os secretários de Planejamento e Gestão, Basílio Bezerra, e de Educação, Marioneide Kliemaschewsk, representantes do Sintep cobraram o cumprimento da lei 510 de 2013, que realinha em 7,69%, anualmente, o salário dos profissionais da educação básica de Mato Grosso. O encontro terminou sem um acordo e a categoria anunciou um indicativo de greve geral, por tempo indeterminado, a partir do dia 20 de maio.

Leia mais:
Mauro não descarta ‘contingenciamento’ na Unemat semelhante ao anunciado por Bolsonaro

“Eu já disse algumas vezes que se greve resolver o problema de Mato Grosso vamos todos fazer greve. O governador faz greve, o jornalista faz greve, o empresário faz greve, o servidor faz greve. Greve não resolve. Mato Grosso hoje tem dificuldade em pagar seus salários, porque os salários aumentaram muito no Estado. O Sintep tem todo o direito de fazer porque é livre o direito de greve, mas os profissionais da educação de Mato Grosso já têm o terceiro melhor salário do Brasil e nós temos a 21ª pior educação do Brasil, então é o momento de refletir um pouco sobre isso. Nós precisamos melhorar a educação sim, mas não é só melhorando salário que nós vamos melhorar a educação”, rebateu o governador.

Em nota, o Sintep reclamou da ausência de propostas por parte do Governo e disse que, na reunião, os secretários tentaram justificar um possível calote no cumprimento da lei 510 no mês da data base, fixado em maio de cada ano.

Conforme o sindicato, caso o Executivo não formalize uma respostas às demandas apresentadas aos secretários a categoria estará em Assembleia Geral, com indicativo de greve, na próxima segunda-feira (20).

“O argumento de crise não convence, falta prioridade nos investimentos. O cumprimento do repasse da Lei 510/2013 para 2019 deve estar assegurado no salário de maio, caso contrário os profissionais não aceitarão ser penalizados”, diz trechos da nota.

Questionado sobre as ações do Governo para evitar que cortes semelhantes ao promovido pelo Ministério da Educação (MEC) sejam praticados em Mato Grosso, o governador alertou para uma eventual piora na economia do Estado. E assim como tem feito o Governo Federal, condicionou a aplicação de políticas públicas à aprovação da Reforma da Previdência, em tramitação no Congresso Nacional.

“Não adianta espernear, não adianta fazer protesto, o que nós temos que fazer é trabalhar. Trabalhar com seriedade e aprovar as reformas. Eu espero que o Legislativo aprove a Reforma da Previdência. Se o Estado brasileiro continuar gastando mal, gastando muito, cada vez mais nós vamos avançar no bolso do cidadão e tomar dinheiro das empresas. Então nós temos que fazer com que o Estado seja mais eficiente, que ele pare de gastar naquilo que não produz resultado para efetivamente ele possa devolver serviços melhores para a população”, pontuou.

48 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Luce mari
    17 Mai 2019 às 11:47

    Ele estudou em escola pública universidade de Mato Grosso e é empresário esperto vai vendo

  • Sid
    16 Mai 2019 às 23:09

    Professores da rede estadual só sabem reclamar... o salário não te agrada? Troque de trabalho...

  • Oi?
    16 Mai 2019 às 10:17

    Tá achando muito o 3o melhor salário? Simples - experimenta viver com ele por 30 dias. Não dá pra pagar nem um pneu do carro dessa figurinha.

  • Alexandre da Silva
    16 Mai 2019 às 09:22

    Quem não vive o chão da escola não tem direito de opinar...

  • bird
    16 Mai 2019 às 07:36

    Esse sintep vou te dizer heim para que serve

  • Givanildo
    15 Mai 2019 às 23:58

    O problema da educação de "baixa qualidade " é sim do governo. Na Escolas da minha comunidade não existe quadra de esportes, não existe climatização, não existe laboratório de informática, a biblioteca carece de estrutura, a merenda é uma miséria, alunos estão amontoados em sala de aula, não existe internet para os alunos pesquisarem com seus próprios celulares, etc etc etc. Essa é a realidade da maioria das Escolas com exceção de um ou outro item e muitos outros itens em comum. Aí pergunto, porque a crise não afeta os servidores do judiciário é legislativo, os agricultores e uma gama de empresários? Parece que o governador não tem formação acadêmica suficiente para analisar que Educação é muito mais que salários. Infelizmente, é extremamente comum essa realidade na política brasileira: não trabalhar com dados concretos e jogar com itens pontuais como se fosse o todo.

  • Pantaneira
    15 Mai 2019 às 23:44

    Governo COVARDE!!!NÃO SABE O QUE FALA....O professor ensina,faz sua parte...e o aluno faz a parte dele?E o governo oferece estrutura suficiente pra termos uma EDUCAÇÃO DE QUALIDADE?RSRSRSRS

  • Arnaldo Leite Albquerque
    15 Mai 2019 às 23:09

    se a educação em MT está 21º lugar é graça as lutas dos professores, este governo esquece que nos anos oitenta havia atraso salarial de até 3 meses, professor tinha que fazer cestas básicas para ajudar o colega, atualmente é as perdas de direitos e também atraso salarial. O aprendizado depende de diversos atos, alunos, professores tem que estarem com a mente sadia, ainda temos alunos que vão para a escola para comer porque em sua casa ou não há alimentos ou falta alguém para preparar os alimentos, ha você acha que é por relaxo, engano seu é que os pais sairão de madrugada para trabalharem, como um aluno nesta condições terão rendimentos adequados. Querer que os alunos da periferia tenham os mesmos rendimentos de uma escola pública do centro da cidade na situação atual é uma maldade.

  • Zeca
    15 Mai 2019 às 21:25

    Indecente seu ponto de vista, até mesmo falta de respeito, bem feito para quem votou para esse ante matogrossense.

  • moreira
    15 Mai 2019 às 21:24

    Falou tudo Mauro Mendes.

Sitevip Internet