Olhar Direto

Quinta-feira, 18 de julho de 2019

Notícias / Política MT

Câmara de Cuiabá anuncia demissão de funcionários para não ultrapassar limite da LRF

Da Redação - Carlos Gustavo Dorileo

16 Mai 2019 - 14:24

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Câmara de Cuiabá anuncia demissão de funcionários para não ultrapassar limite da LRF
Visando enxugar a máquina para não ultrapassar o limite prudencial da Lei da Responsabilidade Fiscal (LRF), a Câmara Municipal de Cuiabá terá que demitir funcionários públicos já a partir das próximas semanas. A medida foi comunicada nesta quinta-feira (16), pelo presidente da casa legislativa, vereador Misael Galvão (PSB).

Leia também
Questionado por Emanuelzinho, ministro da Educação afirma que contingenciamento é culpa do governo Dilma


A medida, segundo o parlamentar, se faz necessária por conta da mudança feita pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), que passou a contabilizar o imposto de renda retido na fonte no rol de gastos com pessoal a partir deste ano.

O vereador também explicou que a atual administração se antecipou e determinou que o imposto já fosse incluído nos cálculos desde o início do ano. Desta forma, desde janeiro de 2019 o imposto de renda está incluso na folha de pagamento. O impacto financeiro com essa inclusão foi de aproximadamente R$ 3 milhões.

"Temos consciência que não podemos ultrapassar o limite de 70% do orçamento com a folha de pagamento. Ainda não atingimos este índice, mas por precaução vamos implementar algumas medidas visando enxugar os gastos com pessoal para que possamos trabalhar tranquilamente. Não é uma medida fácil de ser tomada, mas necessária. A nossa intenção é fazer uma boa gestão sempre pautado na legalidade e na transparência, e não vamos nos furtar disso durante o período em que estivermos a frente da Câmara", explicou o presidente do Parlamento Municipal, garantindo que haverá cortes no quadro de funcionários.

"São medidas duras, mas que precisam ser tomada em prol da boa administração, e nós não vamos tapar o sol com a peneira", afirmou.         

A Câmara Municipal não pode ultrapassar o limite de 70% do orçamento mensal com folha de pagamento, conforme prevê o artigo 29 A da Constituição Federal, e o artigo 19 inciso II–A da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Em abril, o Legislativo consumiu 67,25% de seu orçamento com o pagamento de servidores. A projeção é que o Parlamento feche o ano com um índice de 69,70% com gastos com pessoal. Caso o imposto de renda não estivesse incluso nestes cálculos, este percentual cairia para 63,95%.

"Com essa inclusão a folha subiu e, por isso, precisaremos fazer essas readequações. O ideal é trabalharmos, no máximo, com um índice de 68% para evitar qualquer tipo de problemas futuros, pois se houver qualquer imprevisto como aposentadoria ou pagamento judicial a folha irá subir ainda mais e iremos extrapolar o limite permitido. Então, determinamos que a nossa equipe faça um estudo detalhado para que possamos promover este enxugamento", finalizou o vereador.

Ainda conforme Misael, todas as secretarias da Casa estão analisando as possibilidades de corte de forma que não atinjam a serviços desenvolvidos pelos setores. 

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Raissa
    16 Mai 2019 às 15:10

    Uai senhor presidente, dinheiro pra pagar funcionário não vai ter, mas pra alugar 32 carros vai ter? Os carros vão andar sozinhos?

Sitevip Internet