Olhar Direto

Domingo, 22 de setembro de 2019

Notícias / Cidades

Pesquisadores da UFMT descobrem produto que mata larvas do mosquito Aedes Aegypti

Da Redação - Isabela Mercuri

21 Mai 2019 - 17:31

Pesquisadores da UFMT descobrem produto que mata larvas do mosquito Aedes Aegypti
Um grupo de pesquisadores da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) descobriu quatro moléculas derivadas do indol que quando diluídas em água são capazes de eliminar o mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya durante a sua fase larval. A descoberta aconteceu a partir dos estudos de um mestrando de química, uma doutoranda do Instituto de Ecologia e Conservação da Biodiversidade e de um professor do Instituto de Biociências. Agora, deve ser patenteada junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI).

A pesquisa foi financiada com recursos da Fundação de Amparo à Pesquisa (Fapemat). A instituição liberou R$ 299 mil para o trabalho científico e o autor solicitou aditivo de R$ 37 mil para registro de patente junto à Coleccíon Chilena de Recursos Genéticos Microbianos.


Leia também:
Criança de 3 anos morre com suspeita de dengue hemorrágica

De acordo com a assessoria da universidade, as moléculas já são conhecidas por outras atividades biológicas, e o grupo de pesquisa da UFMT propõe o novo uso como larvicida. Os resultados da pesquisa demonstram que estes compostos matam 100% das larvas do inseto em poucos minutos e são eficientes mesmo em baixas concentrações, mantendo sua atividade larvicida por até 30 dias. 

Além disso, o produto é ecologicamente amigável, ou seja, atinge seletivamente larvas do mosquito Aedes aegypti, e pode ser utilizado tanto em ambientes já contaminados, quanto para a prevenção. 

De acordo com o professor Marcos Antônio Soares, um dos responsáveis pela pesquisa, a UFMT tem em mãos uma ferramenta importante para ser inserida na cadeia de controle ao Aedes aegypti. “Com este produto, é possível eliminar a fase larval de um inseto causador de diferentes doenças”, afirmou.

O produto é eficiente, pois atinge o mosquito durante a sua forma mais sensível, porém, o controle da população não é eficaz com apenas um mecanismo de combate. “Nós desenvolvemos uma ferramenta extremamente eficiente para ser utilizada simultaneamente com outros métodos. É importante que tenhamos um controle para eliminar a fase adulta do inseto e que cada um dos cidadãos faça a sua parte”, disse o professor Marcos Soares.

As substâncias foram sintetizadas pelo mestrando Bruno Rodrigues Fazolo, do programa de Pós-graduação em Química, orientado do professor Lucas Campos Curcino Vieira (Faculdade de Engenharia de Várzea Grande). A atividade larvicida foi proposta pela doutoranda Janaina Rosa de Souza (Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Conservação da Biodiversidade), junto ao professor Marcos Soares.

Segundo Janaina, o interesse em propor o uso de substâncias larvicidas que controle a população do mosquito surgiu a partir do princípio de eliminar um inseto vetor de três doenças infecciosas, sendo capaz de gerar um impacto direto na melhoria da saúde pública. “A ferramenta foi desenvolvida pelo elevado número de casos de doenças causadas pelo vetor, tanto em nível estadual como nacional. Deste modo, resolvemos buscar novos compostos e moléculas que fossem eficientes como larvicidas para controlar o crescimento destes insetos”, afirmou.

No Brasil, os casos de dengue cresceram 339% em relação ao mesmo período do ano passado, segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde. O primeiro Levantamento Rápido de Índices de Infestação (LIRAa) de 2019 indica que 994 municípios podem ter surto de dengue, zika e chikungunya. Em Mato Grosso, a capital Cuiabá e as demais cidades estão em um nível de infestação considerado de risco.

13 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Danilo
    23 Mai 2019 às 09:40

    Excelente trabalho porém não foi informado na reportagem qual a toxicidade dos compostos estudados no organismo humano...

  • RENEGADO
    22 Mai 2019 às 11:22

    Não sou contra as universidades públicas, mas até quando os nossos impostos vão servir para criar produtos que tornem as empresas mais ricas e a universidades não recebem nada por isso, na verdade as empresas privadas só aproveitam o trabalho, as empresas deveriam investir em pesquisas pois elas vão lucrar muito.

  • Prof. Pardal
    22 Mai 2019 às 08:37

    Bom!! Agora como já descobriram,como combater as larvas do mosquito,com eficiência. Como moramos no Brasilsilsil!! a tendência,é essa descoberta cair no esquecimento,e não se fala ,mas nisso. Voces lembram das pirulas do cancer??? Pois é. Do carro movido a agua,etc. Do carro movido a energia solar??.

  • Elaine
    21 Mai 2019 às 22:46

    Que lindo o seu comentário Cuiabano, top o seu reconhecimento!!! ^_^

  • Kleyde Pereia de Magalhaes
    21 Mai 2019 às 21:30

    Parabéns aos alunos, técnicos e mestres da UFMT. Nunca mediu esforços em desenvolver pesquisas, debates, estudos e opiniões diversas, sem monopolizar o conhecimento. Graças aos meus pais e mestres tenho orgulho de ter formado por essa Instituição honrosa, mesmo, meio ao sucateamento governamental, muitos servidores honraram sua finalidade.

  • Fabio
    21 Mai 2019 às 21:23

    Só colar sal! Mais barato e eficiente! Já mata as larvas.

  • Beatriz Nogueira
    21 Mai 2019 às 20:12

    Privatização de universidades e institutos federais. Estamos fartos de sustentar esses funcionários públicos.

  • ZÉ NINGUÉM
    21 Mai 2019 às 19:48

    COINCIDÊNCIA ESSA REPORTAGEM NESSE MOMENTO NE? ENTENDAM COMO BEM QUISEREM.

  • Marcia Ferreira
    21 Mai 2019 às 19:19

    Excelente, quando isso vai está no mercado?

  • AVANÇA LOGO MT
    21 Mai 2019 às 18:59

    O PROBLEMA NÃO É SÓ O MOSQUITO É TAMBÉM OS LIXÕES

Sitevip Internet