Olhar Direto

Domingo, 22 de setembro de 2019

Notícias / Política MT

Bancadas discutem apoio à nova Previdência em troca de regulamentação do FEX

Da Redação - Érika Oliveira

23 Mai 2019 - 10:27

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Bancadas discutem apoio à nova Previdência em troca de regulamentação do FEX
Parlamentares que integram a Frente Parlamentar de Defesa do Municipalismo e a Frente Parlamentar da Agricultura discutem o fechamento de um acordo, em que apoiam a Reforma da Previdência do Governo Federa, em troca da aprovação do Projeto de Lei Complementar que regulamenta as transferências aos estados e municípios exportadores de produtos primários e semi-elaborados, a título de compensação previstos na Lei Kandir. O movimento tem entre seus líderes o senador mato-grossense Wellington Fagundes (PR).

Leia mais:
Governo Bolsonaro condiciona liberação do FEX à aprovação da Reforma da Previdência, diz Mauro Mendes

"Lá na ponta, o cidadão está sofrendo com a falta de assistência de saúde, nos hospitais filantrópicos, com problemas na educação básica, nas creches, com a falta de segurança. O Governo precisa cumprir seu papel", destacou Fagundes, que é relator da proposta na Comissão Especial Mista do Congresso Nacional.

Conforme Fagundes, a medida se impõe, pois o Governo alega que a Reforma da Previdência permitirá o ajuste de contas da União, mas não leva em consideração a situação dos estados e municípios, que enfrentam graves dificuldades. 

Na última quarta-feira (22) deputados e senadores das duas frentes se reuniram com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para cobrar a inclusão do projeto da compensação na pauta. Participaram também dirigentes da Confederação Nacional dos Municípios (CNM) e deputados da Frente Parlamentar do Pacto Federativo. Eles comunicaram ao presidente da Câmara a disposição das bancadas.

Em busca de um acordo, Maia aventou a possibilidade de um entendimento. O Ministério da Economia admite elevar os atuais R$ 3,8 bilhões que são transferidos a Estados e municípios, com utilização também do Fundo Social dos royalties do petróleo.  Ainda esta semana, uma audiência deverá ser agendada com o ministro Paulo Guedes para se discutir um acordo.

O projeto, pronto para a votação, prevê a destinação de R$ 39 bilhões ao ano aos Estados e municípios exportadores.  De acordo com o presidente da Associação Matogrossense dos Municípios, Neurilan Fraga (PSD), que também participou da reunião, há uma possibilidade de um entendimento que possa garantir avanços e fluidez nos repasses. Mato Grosso ainda aguarda a liberação dos R$ 460 milhões referentes ao Fundo de Auxílio à Exportação (FEX) de 2018.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Gilberto Arruda
    23 Mai 2019 às 16:05

    Jura paranaense que vc acredita nessa mentira da reforma da previdência? Vc acreditou na reforma trabalhista? No papai noel? O que problema nosso país são as castas. Funcionários públicos. Juízes. Políticos. Empresários sonegadores. E por aí vai. HELL is paved with good intentions..

  • paranaense
    23 Mai 2019 às 13:40

    Aprove/apoie a nova previdência que os recursos naturalmente virão. Serão economizados 1 trilhão em 10 anos. Politicos/juizes passarão a ganhar o teto de 5 mil e não mais 33 mil. Daí vcs já percebem o porque da nossa previdência social estar quebrada.

  • Vânia Otsubo
    23 Mai 2019 às 11:22

    Quem votou no Bolsonaro pensando em mudanças se deu mal. Toma lá, dá cá. Lembrem -se que Bolsonaro é da velha política. Foi deputado federal por 28 anos. Votaram nele? Aguentem calados!

Sitevip Internet