Olhar Direto

Terça-feira, 25 de junho de 2019

Notícias / Política MT

Botelho diz que AL busca forma de garantir reajuste a servidores da educação, mas com atraso

Da Redação - Carlos Gustavo Dorileo / Do Local - Erika Oliveira

12 Jun 2019 - 18:00

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Botelho diz que AL busca forma de garantir reajuste a servidores da educação, mas com atraso
Em reunião com representantes do Sindicato dos Servidores do Ensino Público (Sintep) na tarde desta quarta-feira (12), o presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (DEM) voltou a citar a grave situação financeira que o Estado vive e usou a palavra de origem inglesa ‘delay’, para dizer aos professores que o legislativo buscará junto com o Executivo uma forma de conceder o reajuste salarial exigido, porém com atraso.

Leia também:
Com 15 dias de greve, quase 50% das escolas estão funcionando


O deputado, que estava acompanhado da vice-presidente Janaina Riva (MDB), afirmou que a indefinição do empréstimo de US$ 250 milhões com o Banco Mundial e o calote de aproximadamente R$ 500 milhões do Auxílio Financeiro para Fomento das Exportações (FEX), por parte do Governo Federal, deixa o Estado impossibilitado de conceder aumento a qualquer categoria no momento.

“A questão do empréstimo está frustrando e o Governo vai ter que fazer um caixa para pagar isso ai. O FEX também não veio, assim como os repasses federais diminuíram, embora os estaduais tenham aumentado, de acordo com os projetos que nós fizemos aqui em janeiro. Mas temos que achar uma proposta que nós possamos garantir isso com um ‘delay’, porque não tem condições de pagar agora. Então teria que ter um ‘delay’ para que voltasse a trabalhar em cima disso para termos uma proposta mais aceitável”, explicou o deputado aos servidores.

A greve dos servidores da educação iniciou no dia 27 de maio, deixando nas duas últimas semanas, cerca de 50% das escolas estaduais de Mato Grosso com as portas fechadas.

O Sindicado dos trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep) alega que os servidores exigem que o Governo assegure os direitos e recursos dentro do orçamento da Educação para cumprir com as conquistas da categoria.

“A luta é pelo cumprimento da Lei 510/2013 (que institui a Política da Dobra do Poder de Compra dos salários da educação pública estadual); pela convocação dos aprovados no Concurso Público 2017; infraestrutura para mais de 400 escolas que estão degradadas e, ainda, cumprimento dos artigos 147 e 245 da Constituição, que asseguram recursos hoje não aplicados na Educação”, disse o presidente do sindicato, Valdeir Pereira.

O governador Mauro Mendes (DEM), no entanto, encaminhou no início deste mês, um documento ao sindicato afirmando não ter condições de atender aos pedidos de aumento de salário, já que houve o estouro do limite de gastos com pagamento de pessoal. Ele também pontuou que caso conceda o reajuste, não haverá dinheiro para merenda e investimentos nas unidades. 

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • joaoderondonopolis
    13 Jun 2019 às 07:30

    Eu nunca concordei que o estado não tem dinheiro, pois só de renúncia de receita são quase R$ 3 bilhões de reais. Quem dispensa receita, é sinal que tem muito e não vai fazer falta no caminhar da administração. O problema dos servidores da educação, só não é resolvido porque o governo não tem interesse. Uma história: Um cidadão cometeu um crime e foi levado ao rei para receber a pena, então o rei deu a pena de morte, nestas alturas o criminoso pediu ao rei uma chance que faria o impossível acontecer, o rei curioso, perguntou o que era? O criminoso respondei que faria um burro falar, basta dar um burro e um prazo de 5 anos. A mãe do criminoso não gostou, pois sabia que seu filho não iria cumprir e a morte seria certa. O filho respondeu quem iria morrer agora,com 5 anos pode acontecer do burro morrer ofendido por cobra e seria dado outro burro, o próprio criminoso pode morrer. Só assim passaria para frente a morte.

  • gilberto
    12 Jun 2019 às 20:27

    Não sem quem é esse tal de "delay", mas vamos falar com ele então, diria o famoso Maguila! kkk

  • ademar lima
    12 Jun 2019 às 20:14

    senhores diretores do sintep, em que pese o meu pouco conhecimento de sindicato, devo lembra-los, que foi esse mesmo senhor eduardo botelho, como presidente da assembleia, que aprovou em toque de caixa, os projetos de maldade contra os servidores publico, e agora, que dar uma de bom moço

  • Ederaldo T Castro
    12 Jun 2019 às 19:27

    Já estou com saudade do governo Pedro Taques.

  • Antônio
    12 Jun 2019 às 19:10

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • alexandre
    12 Jun 2019 às 18:19

    delay de 4 anos, ´só quando MM sair

Sitevip Internet