Olhar Direto

Notícias / Política MT

Ludio diz que servidor 'banca' Estado e critica baixa taxação do agro: "Amaggi não paga Fethab"

Da Redação - Carlos Gustavo Dorileo

25 Jun 2019 - 18:08

Foto: Karen Malagoli/AL

Ludio diz que servidor 'banca' Estado e critica baixa taxação do agro:
Em audiência pública que discutiu Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2020 nesta terça-feira (25), o deputado estadual Ludio Cabral (PT) voltou a criticar a baixa taxação de produtores rurais, em relação ao que é cobrado de impostos dos servidores públicos. De acordo com o parlamentar, o funcionalismo está sendo injustiçado e continua bancando o Estado. Ele ainda citou que a gigante Amaggi, por exemplo, não contribui com o Fethab. 

Leia também
Presidente do Sintep diz que RGA ,‘Lei da Dobra’ e corte de pontos são inegociáveis


Segundo os números levantados e apresentados por Cabral, a quantidade de impostos como ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) e Fethab (Fundo Estadual de Transporte e Habitação) cobrados dos produtores são ínfimos, se forem comparados com o que é retido na fonte do funcionalismo público.

“O servidor publico estadual, só de imposto retido na fonte, contribui com R$ 1,2 bilhão para arrecadação do Estado. A soja faturou em 2018 R$ 48 bilhões e pagou R$ 300 milhões de ICMS. O servidor público só com imposto de renda retido na fonte, paga quatro vezes mais imposto que toda produção de soja do Mato Grosso. Quem sustenta o Estado?”, questionou o petista durante a audiência.

“Eu fiquei abismado quando ouvi o número que o secretário adjunto Fábio falou sobre a arrecadação do Fethab do Algodão, que foi de R$ 40 milhões. Coitadinho do setor do algodão. Eles faturaram em 2018 cerca de R$ 13 bilhões, mas pagaram R$ 100 milhões de ICMS e R$ 40 milhões de Fethab. São essas injustiças que precisam ser corrigidas, e não estou nem entrando no mérito do debate sobre as renúncias fiscais”, afirmou.

O parlamentar ainda lembrou que a grupo Amaggi, empresa sediada em Cuiabá e uma das líderes do Agronegócio na América Latina, não paga Fethab, contribuição que pela lei deve ser investido em obras de infraestrutura.   

“A Amaggi paga Fethab? Não, a Amaggi não paga Fethab aqui em Mato Grosso. Eu não sabia disso e comprova que quem sustenta o Estado de Mato Grosso é o trabalhador”, finalizou.  

Na audiência, o Secretário Adjunto de Orçamento Estadual da Secretaria de Fazenda (Sefaz), Ricardo Roberto de Almeida Capistrano apresentou a previsão de receita de R$ 19,1 bilhões e uma despesa de R$ 19,8 bilhões, gerando um déficit de aproximadamente R$ 708 milhões aos cofres públicos em 2020.

O número negativo, apesar de preocupante, é menor do que a Lei Orçamentária Anual de 2019, aprovada pela Assembleia no início do ano, que teve um orçamento com um déficit de R$ 1,6 bilhão.

De acordo com Capistrano, o governo está trabalhando para equilibrar as contas entre receita e despesa para o próximo ano. “Atingir o equilíbrio orçamentário passa pelo cumprimento das Leis aprovada em janeiro deste ano pela Assembleia Legislativa. Mas outras medidas estão sendo tomada como, por exemplo, a revisão das concessões de benefícios fiscais. O prazo é de até 30 de julho deste ano e o projeto deve ser enviado ainda este mês para o Parlamento”, explicou o secretário.

24 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Oi?
    26 Jun 2019 às 10:32

    Só pra esclarecer: todo mundo que paga imposto é contribuinte. Logo, se o servidor paga impostos sobre seu salário (e paga MESMO! Já vem descontado) e sobre tudo o que comprar/consumir, ele é contribuinte também. E pra quem, não sabe o parlamentar exerce a profissão dele, e na rede PÚBLICA de saúde.

  • nilton
    26 Jun 2019 às 09:23

    se for verdade o que fala é muito grave. Inversão total de valores.

  • Leo
    26 Jun 2019 às 08:05

    Pronto! Lúdio o salvador da pátria qdo oposição, qdo é situação porém... O brasileiro precisa aprender a votar, senão oportunistas como este aí vão sempre nos atormentar.

  • Revoltado
    26 Jun 2019 às 08:01

    Este deputado é louco em falar que servidor banca o estado ,eles estão quebrando o estado ,Quem sustenta o estado somos nós da iniciativa privada que trabalhamos as mordomias dos servidores,por isto que não sobra nada para infraestrutura

  • Nascimento
    26 Jun 2019 às 07:42

    O nobre deputado, está fazendo confusão, misturando impostos federais com impostos estaduais. eu sou sim favorável a tributação do agro "IN NATURA". Mas também sou totalmente favorável a uma política até mesmo mais agressiva de incentivos fiscais, para a industrialização desta produção. Hoje exportamos algodão in natura para a china, e depois importamos tecido de lá. eu quero todos estes empregos aqui, pois acho que somos até mais competentes que os chineses.

  • CHIRRÃO
    26 Jun 2019 às 07:39

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Zeca
    26 Jun 2019 às 07:36

    Como pode ser hipócrita! O servidor onera o estado senhor deputado, pois ele vive de gordos salários pagos pelo estado com dinheiro dos impostos dos contribuintes.

  • Contribuinte
    26 Jun 2019 às 07:32

    O partido desse sujeito quando esteve no poder dilapidou os recursos públicos para financiar ditaduras comunistas pelo mundo afora, deixando o país com as contas públicas bagunçadas e um saldo de 14 milhões de desempregados. Só sendo louco ou idiota para acreditar nesse discurso demagógico.

  • jota.jota
    26 Jun 2019 às 06:52

    Infelizmente, os corroíeis continuam mandando em Mato grosso. e cade os mais de um bilhão desviados pela mafia silval, bozaipo e Rivas da vida já foram devolvidos aos cofres públicos.

  • Aroldo Nunes
    26 Jun 2019 às 06:12

    Lucio só fala besteira., quer fazer média com os professores. Quem paga essa conta é o povo com novos impostos

Sitevip Internet