Olhar Direto

Terça-feira, 23 de julho de 2019

Notícias / Política MT

Governo promete pagar reajuste com melhora financeira e restituição de salário cortado dos servidores da educação

Da Redação - Wesley Santiago

09 Jul 2019 - 07:12

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Governo promete pagar reajuste com melhora financeira e restituição de salário cortado dos servidores da educação
Os membros do Governo do Estado saíram esperançosos da audiência de conciliação com o Sindicato dos Profissionais do Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT), ocorrida na última segunda-feira (08), no Núcleo de Solução de Conflitos do Tribunal de Justiça de Mato Grosso. O Executivo se propôs a pagar o reajuste aos profissionais assim que estiver abaixo do limite da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e propôs a restituição do salário cortado durante a greve. Com isto, a esperança é que a paralisação chegue ao fim na sexta-feira (12).

Leia mais:
Após greve ser mantida, servidores da Educação decidem acampar na Assembleia Legislativa
 
O secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, explicou que entre as propostas acordadas está a suspensão do corte de ponto de forma imediata. A proposta havia sido apresentada em reunião no último dia 27 de junho, porém, não havia sido acatada pelos profissionais da Educação.
 
“Foi uma ótima reunião e conseguimos chegar a um entendimento com a categoria. Uma das propostas foi a suspensão do corte de ponto e pagamento de 50% no dia 26 de junho e os outros 50%, no dia 27 de agosto, do que já havia sido descontado. Caso os professores retornem ao trabalho, a folha salarial de julho será paga normalmente no mês de agosto”, pontuou Carvalho.
 
Ainda de acordo com o chefe da Casa Civil, serão realizadas reuniões quadrimestrais com o sindicato para análise da situação fiscal e financeira do Estado. A melhora nas finanças garante o cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e, consequentemente, a manutenção da Lei 510/2013, a Lei da Dobra, que reajusta os salários dos profissionais em 7,69% este ano.
 
“O Estado em nenhum momento revogou a Lei 510, mas só poderemos pagar esses direitos quando cumprirmos a LRF, que no momento está estourada em 9% em Mato Grosso, pois o percentual atualmente é de 58%, quando o limite imposto é de 49%. Para tanto, teremos pautas de trabalho e reuniões conjuntas para a construção das melhores soluções para o Estado”, afirmou.
 
Também participaram da audiência o secretário de Planejamento e Gestão, Basílio Bezerra; o secretário-executivo de Educação, Alan Porto; a secretária adjunta do Tesouro Estadual, Luciana Rosa; e o procurador do Estado, Luiz Otávio Trovo.
 
O sindicato sinalizou positivamente para as propostas do Executivo estadual, que serão levadas em Assembleia Geral da categoria na próxima sexta-feira (12.07). A expectativa do Governo é de que os professores retornem às salas de aula já na segunda-feira (15.07). A greve foi iniciada em 27 de maio.
 
Avanços
 
Outros avanços para a categoria já haviam sido anunciados pelo Governo, como investimentos de quase R$ 115 milhões na Educação, ainda este ano.
 
Segundo estimativa do Governo, serão R$ 52 milhões para o pagamento de 1/3 de férias dos servidores contratados, que passará a ser garantido a partir deste ano; R$ 15,6 milhões para substituição de servidores efetivos que se afastarão para qualificação profissional; e mais R$ 11,9 milhões para substituição de servidores, que sairão de licença-prêmio ou se aposentarão.
 
Serão investidos ainda R$ 35 milhões para melhoria na infraestrutura das escolas.
 
Outra reivindicação atendida pelo Governo é o chamamento do cadastro de reserva do concurso público de 2017, que vai contemplar vários municípios de Mato Grosso.
 
Neste mês de julho, serão chamados 681 profissionais para atuarem em várias escolas estaduais, sendo 221 professores, 300 apoios administrativos e 160 técnicos administrativos educacionais.

16 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Dias
    10 Jul 2019 às 09:27

    Infelizmente nós servidores do Sistema Penitenciário de Mato Grosso ainda não acordamos, estamos tendo o 22° pior salário do Brasil, aceitamos e ainda temos vários riscos de até ficar sem nossos direitos. Que os nossos representantes juntamente com a categoria ACORDEM, em poucos meses a palavra PRIVATIZAÇÃO no SISPEN MT vai ser realidade, mais uma derrota pra categoria. Vejam o que os professores estão fazendo, se espelham neles e suportem pressão, perdemos colegas já, salário, insalubridade e adicional noturno ambos estão defasados. ACORDEM!!!

  • Daniel
    09 Jul 2019 às 20:42

    Mais uma vez o governo abre suas pernas

  • Aroldo
    09 Jul 2019 às 19:30

    Pior Gilberto, eles fecharam acordo para acompanhar o aumento da lei 510/13 ou seja se conseguir cumprir a LRF e der o aumento para eles, o RGA que e para todos pode ficar para depois ou sem ser pago, pensando só no dele

  • Cesinha
    09 Jul 2019 às 16:41

    Kkkkkk.. Conversa para professor dormir kkkkk

  • gilberto
    09 Jul 2019 às 16:12

    Então era isso que eles queriam? Ficar dois meses parados e depois se contentar em receber os salários parcelados? Aposto que ainda vão comemorar a "vitoria""

  • Servidor
    09 Jul 2019 às 15:05

    Reportagem nada tendenciosa. Se a greve findar o corte de ponto DEVE ser imediato, pois qual seria o motivo de continuar cortando? Proposta ridícula devolver o que foi cortado em parcelas, pois foi descontado na íntegra. Quero ver como será devolvido os sábados e domingos descontados, e o dia 31 pois o estado paga 30 dias mas descontou 31, enfim uma sequência de abusos e arbitrariedadea

  • Cidadão
    09 Jul 2019 às 11:48

    O sindicato deveria era lutar contra a taxação dos salários pelo imposto de renda. A tabela do imposto de renda já está defasada em mais de 90% corroendo o poder de compra dos salários. Até hoje nunca vi nenhum sindicalista do PT exigir o fim desta taxação absurda.

  • Falomesmo
    09 Jul 2019 às 11:44

    Vai trabalhar bando de desocupados, cansei de ouvir de muitos professores só vai para bater cartão e sentar na sala de aula ministrar um aula jamais

  • João aleixo
    09 Jul 2019 às 09:21

    Basta tirar um pouco dos salários e mordomia dos políticos, magistrados que tudo irá melhorar no Brasil e parabéns a luta justa dos professores

  • João aleixo
    09 Jul 2019 às 09:21

    Basta tirar um pouco dos salários e mordomia dos políticos, magistrados que tudo irá melhorar no Brasil e parabéns a luta justa dos professores

Sitevip Internet