Olhar Direto

Domingo, 20 de outubro de 2019

Notícias / Política MT

Líder do Governo defende redução do ICMS da carne: não queremos que suba o preço

Da Redação - Érika Oliveira

11 Jul 2019 - 17:33

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

Líder do Governo defende redução do ICMS da carne: não queremos que suba o preço
Os deputados estaduais estão correndo contra o tempo para elaborar um substitutivo ao texto da minirreforma tributária do Governo dentro de prazo limite de votação, que se encerra no dia 31 de julho. As negociações seguem intensas e a articulação do Legislativo já permitiu a redução das aliquotas de ICMS sobre alguns setores. Embora ainda não haja consenso, de acordo com o líder do Governo na Assembleia, deputado Dilmar Dal’Bosco (DEM), as mudanças até então realizadas trouxeram o projeto do Governo para dentro da realidade.

Leia mais:
Botelho cobra organização da base de Mauro para ‘destravar’ minirreforma tributária

“O Estado está vendo só a cobrança do ICMS da carne. Mas hoje nós temos uma situação jurídica que é prejudicial ao setor, quando o pecuarista vende ao frigorífico. Nós temos que buscar um equilibrio e é por isso que a Assembleia está participando, porque até então a sugestão da Secretaria de Fazenda era cobrar 7%. Aí nós começamos a entrar no debate. Mas nada está definido”, afirmou o deputado.

Dilmar preside a Comissão na Assembleia que analisa os impactos da minirreforma no setor agropecuário. Na tarde de ontem, o secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, afirmou que o Governo já havia admitido as reduções propostas pelo Legislativo para a carne. No entanto, conforme o parlamentar, o segmento segue na luta para que o valor tributado seja ainda menor.

Inicialmente, conforme o texto enviado pelo Executivo para a Casa de Leis, o setor da carne passaria a pagar 7% de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) quando comercializado dentro do Estado. Atualmente, essa alíquota é zero.

Nesta quarta-feira (10), em nota, a Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat) declarou que mantinha posicionamento que já havia sido apresentado ao Executivo e que fixava a alíquota em 1,75%.

“Nós estamos buscando um calibre e, inclusive, propusemos que fosse para 2,5%. O que nós não queremos é que suba o preço na gôndola, para a população. Porque a proposta subia 3% no frigorífico e 4% no varejo, aí ia aumentar no açougue, no supermercado. Nós tiramos o aumento do varejo e trouxemos para dentro de uma realidade que dá para aguentar neste momento”, destacou Dilmar.

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Zeca
    12 Jul 2019 às 10:46

    Ele não falou em aumentar imposto da carne, mas de reduzir para que o preço da carne não suba. Mas eu acho que devia deixar do jeito que está, se o preço subir é só a população diminuir o consumo, que ele ajusta novamente. O governo não pode interferir em preço de nada, pois o que rege o mercado é a lei da oferta e da procura.

  • Pedro luis
    12 Jul 2019 às 07:19

    Não entendo o líder do governo. O estado está quebrado, parcelado salários , não pagando fornecedores...por que não taxar a carne? O MT é o único estado que País que a carne não paga imposto. Por que esse privilégio aos pecuaristas? Deixe o preço subir, qual o problema? Temos que pensar no estado, que precisa de recursos para melhorar a infraestrutura do estado. Se o nobre deputado está tão preocupado em defender os pecuaristas, é só fazer uma proposta para reduzir em 50% o duodécimo da assembleia.

  • Eleitor
    12 Jul 2019 às 03:40

    INTERESSANTE ESTE MADEIREIRO DISFARÇADO DE DEPUTADO DIZ QUE O GOVERNO NÃO TEM DINHEIRO E ESTA EM CRISE MAS AO MESMO TEMPO ELE É CONTRA O AUMENTO DOS IMPOSTOS. ENTÃO NÃO FALTA DINHEIRO PORQUE ESTA ABRINDO MÃO DE COBRAR IMPOSTOS IGUAL ELE FEZ COM A COBRANÇA DA TAXA DA MADEIRA QUE TEVE UM REDUÇÃO DE 400%.

  • Moacir
    11 Jul 2019 às 19:49

    Meu Deus, o preço da carne já está altíssimo e ainda querem cobrar mais impostos. Sem comentários país podre dominado por escória de políticos corruptos ladrões.

Sitevip Internet