Olhar Direto

Terça-feira, 15 de outubro de 2019

Notícias / Política MT

Obstrução não surte efeito e Assembleia aprova minirreforma tributária de Mauro Mendes

Da Reportagem Local - Carlos Gustavo Dorileo/Da Redação - Érika Oliveira

18 Jul 2019 - 12:34

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Obstrução não surte efeito e Assembleia aprova minirreforma tributária de Mauro Mendes
As manobras de obstrução adotadas por alguns parlamentares não surtiram efeitos e o Projeto de Lei Complementar 53/2019 foi aprovado em primeira votação na manhã desta quinta-feira (18). Com 7 votos contrários e 15 favoráveis, o texto aprovado é o original, elaborado pelo Executivo, mas um substitutivo integral deverá ser apresentado e votado em segunda na próxima semana. A expectativa é de que todo o trâmite seja encerrado até o dia 31 de julho, dentro do prazo do Confaz.

Leia mais:
Confusão na AL tem agressões, tentativa de invasão e Rotam acionada; vídeos

A votação de hoje ocorreu sob vaias dos servidores da Educação que estão em greve e que há semanas ocupam as galerias da Casa de Leis. Num dado momento, a situação ficou tensa e os grevistas tentaram invadir o Plenário das Deliberações Renê Barbour, mas foram contidos pela Polícia Militar e pela segurança do Legislativo.

A Rotam, unidade operacional da Polícia Militar, precisou ser acionada. Há relatos de agressões a servidores da Casa e de luta corporal entre grevistas e policiais.

O presidente da Assembleia, deputado Eduardo Botelho (DEM), chegou a informar aos grevistas que se os ânimos não se acalmassem realizaria a sessão a portas fechadas, conforme lhe permite o Regimento da Casa. O deputado Wilson Santos (PSDB) sugeriu que a sessão fosse encerrada e o assunto retomado na próxima terça-feira (23), mas a votação seguiu.

Na próxima semana, o substitutivo que será votado em Plenário deverá contar alterações propostas pelos deputados estaduais e algumas mudanças aceitas pelo Governo, que cedeu em alguns pontos.

Até o momento, o Governo concordou com o alongamento do prazo para que o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) passe a ser cobrado do setor da energia solar.

O Executivo também aceitou diminuir a alíquota do mesmo imposto para a carne na venda interna e suspendeu a cobrança do Fundo Estadual de Equilíbrio Fiscal de Mato Grosso (FEEF) para o segmento.

Até onde foi divulgado, o principal entrave para a finalização do substitutivo é a redução da carga tributária para o setor do comércio. “O governador foi claro: quem está praticando lucro de estimativa, não existe aumento de carga tributária nenhuma. Mas é lógico, cada setor vai discutir dentro daquilo que for melhor pra ele. Agora, o Estado não pode olhar para uma árvore só, está olhando para a floresta como um todo. Tem coisas que realmente não tem possibilidade. O único estado do país em que existe esse tipo de benefício para o comércio é Mato Grosso, no resto do país isso não acontece”, argumenta o chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • dilmar stroher
    19 Jul 2019 às 06:50

    Políticos só sabem fazer oque e mais fácil e meter a mão no bolso da população Care uma reforma no estado gastos abusivos altos salários secretaria para cabide de emprego aluguel pago para favorecer alguém tá bom mas eles vam voltar a pedir votos esperem

  • Zora Narampa
    18 Jul 2019 às 13:45

    Alguém tinha dúvida$?

Sitevip Internet