Olhar Direto

Sábado, 21 de setembro de 2019

Notícias / Cidades

Comandante confirma que arma ‘desviada’ da PM foi usada em crime

Da Redação - Wesley Santiago

21 Ago 2019 - 16:04

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Comandante confirma que arma ‘desviada’ da PM foi usada em crime
O comandante geral da Polícia Militar, Cel Jonildo José de Assis, confirmou que uma arma ‘desviada’ da corporação teria sido utilizada em um crime. O fato gerou a deflagração de uma operação do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) nesta segunda-feira (21), que culminou na expedição de quatro mandados de prisão. Ainda conforme o coronel, a instituição prestou todas as informações necessárias para o esclarecimento dos fatos.

Leia mais:
Operação que prendeu PMs surgiu após nomes aparecerem em celular de preso; coronel confirma assinatura
 
“Foi uma operação desencadeada pelo Gaeco. Temos informações iniciais de uma possível adulteração no sistema de cautela de uma arma. Esta arma estaria envolvida em uma ação criminosa. Repassamos todas as informações do nosso sistema para o Gaeco e agora os alvos passarão por audiência de custódia”, disse o comandante em entrevista à TV Vila Real.
 
O comandante ainda acrescentou que a partir do momento que a Polícia Militar receber toda a documentação, repassará à análise da Corregedoria da instituição. “Assim, iremos analisar os crimes que envolvam os militares e as transgressões disciplinares da caserna”. Por fim, ele disse que a PM em nenhum momento deixou de prestar informações.
 
Perícia realizada no celular do tenente Cleber Ferreira, alvo da ‘Operação Assepsia’ em junho deste ano foi o que deu origem a ação do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) nesta segunda-feira (21), que culminou na expedição de quatro mandados de prisão. No documento em que pede o salvo conduto, deferido pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), o tenente-coronel da Polícia Militar e especialista em segurança, Marcos Paccola, afirmou ter sido o responsável pelo ato realizado há algum tempo e que gerou o inquérito.
 
Em seu pedido de habeas corpus preventivo, o tenente-coronel explica que acredita que o fato investigado possa ser um ato realizado na confecção de um documento, com data retroativa e sua assinatura, porque à época exercia função de gerente de material bélico da Polícia Militar, que teve por finalidade atender o que havia sido “acertado” entre os delegados, para que não fosse necessário vincular o tenente Cleber Ferreira na ‘Operação Mercenários’, já que era do conhecimento de todos que nunca existiu vínculo algum com os réus da operação.
 
Aponta ainda que apesar da origem duvidosa da arma, não existia qualquer noção ou conhecimento de que ela teria vínculo do que foi apresentado em laudo de comparação balística de estojos, que havia apontado que a arma teria sido usada para deflagrar os estojos encontrados em cenas de crime.
 
Relata também no documento que a apresentação da arma foi espontânea e em data bem posterior ao fato que deu origem e apuração do inquérito policial militar e que sequer havia número de série, calibre ou modelo, sendo oportuno caso o mesmo cogitasse qualquer vínculo com ilícito, apresentar qualquer outra arma de corporação.
 
Por fim, pontua que se de um lado já existem eventuais documentos e provas suficientes para indiciamento do tenente, no cometimento do eventual crime, por outro existe total disposição e interesse dele de esclarecer e colaborar com a Justiça, na busca da verdade.
 
O caso
 
O Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) deflagrou, na manhã desta quarta-feira (21), uma operação com o objetivo de cumprir quatro mandados de prisão contra oficiais da Polícia Militar, em Cuiabá.
 
As informações iniciais apontam para uma suposta venda ilegal de armas por parte dos acusados. De acordo com informações apuradas pela reportagem do Olhar Direto, são alvos o tenente-coronel Marcos Eduardo Paccola, tenente Cleber Ferreira, tenente Thiago Satiro e o tenente-coronel Sada Ribeiro Parreira. O PM Ferreira foi alvo no último dia 25 de junho de uma operação conjunta que levou à prisão envolvidos com um esquema que garantia a entrada de celulares na Penitenciária Central do Estado (PCE).
 
Segundo consta, os alvos são investigados por um esquema de adulteração de numeração de armamentos na Superintendência de Apoio Logístico e Patrimônio (Salp) dentro do Comando Geral da PM.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Nelson
    22 Ago 2019 às 08:30

    "Tropa de elite osso duro de roer Se vazou informações do GAECO fica evidente que o crime está engendrado em todo sistema de segurança pública . Uma vez um criminoso filosofou que se não houvesse o criminoso não existiria o sistema de segurança pública. A conclusão é que trata-se de um sistema contaminado. Pelas noticias que lemos sobre envolvimento de autoridades em crimes diversos fica difícil vislumbrarmos um futuro melhor.

  • pedro Souza
    21 Ago 2019 às 17:02

    Quem deveria nos proteger esta atuando juntamente com os criminosos. Isso porque tem os melhores salários do militarismo do brasil.

Sitevip Internet