Olhar Direto

Quinta-feira, 01 de outubro de 2020

Notícias / Cidades

Bustamante afirma que PM é maior que militares: policiais que cometerem crimes serão extirpados

Da Redação - Wesley Santiago/Da Reportagem Local - Érika Oliveira

07 Set 2019 - 15:54

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Bustamante afirma que PM é maior que militares: policiais que cometerem crimes serão extirpados
Questionado se o escândalo dos grampos ilegais que ocorreram em Mato Grosso faz com que a sociedade perca a confiança na Polícia Militar, o secretário de Segurança Pública (Sesp), Alexandre Bustamante, foi enfático ao dizer que a instituição é muito maior que seus homens. Além disto, pontuou que eventuais desvios de conduta serão apurados e penalizados no rigor da lei. “Serão extirpados da sociedade”, pontuou.

Leia mais:
PJC ouve coronel dos grampos e aguarda perícia em novos equipamentos eletrônicos
 
“A instituição é muito maior do que os homens que a acompanham. Jamais a Polícia Militar, Civil, Politec, Bombeiros, vai cometer crime. Temos uma unidade com quase oito mil homens, em que se pega desvio de poucos, não pode generalizar”, disse o secretário, durante as comemorações do aniversário da PM, na última quinta-feira (05).
 
Bustamante ainda explicou que “quem faz as prisões e investigações é a própria instituição. Temos que tirar isto, este estigma de falar que a Polícia Militar cometeu crime. São alguns policiais e estes serão extirpados da sociedade”.

Uma reportagem do programa "Fantástico", da Rede Globo, revelou na noite de 14 de maio que a Polícia Militar em Mato Grosso “grampeou” de maneira irregular uma lista de pessoas que não eram investigadas por crime.
 
A matéria destacou como vítimas a deputada estadual Janaína Riva (PMDB), o advogado José do Patrocínio e o jornalista José Marcondes, conhecido como Muvuca. Eles são apenas alguns dos “monitorados”.
 
O esquema de “arapongagem” já havia vazado na imprensa local após o início da apuração de Fantástico.
 
Barriga de aluguel
 
Os grampos foram conseguidos na modalidade “barriga de aluguel”, quando investigadores solicitam à Justiça acesso aos telefonemas de determinadas pessoas envolvidas em crimes e no meio dos nomes inserem contatos de não investigados.
 
Neste caso específico, as vítimas foram inseridas em uma apuração sobre tráfico de drogas.

Investigações

A Polícia Civil de Mato Grosso (PJC-MT), em trabalhos da Equipe Especial designada exclusivamente para conclusão dos inquéritos sobre as interceptações ilegais, caso conhecido como Grampolândia Pantaneira, realizou na tarde desta quinta-feira (5) o interrogatório do coronel da Polícia Militar, Zaquel Barbosa, com a finalidade de esclarecer e individualizar a atuação de cada um dos envolvidos.

A Polícia Civil (PJC-MT) aguarda laudos periciais de vários equipamentos eletrônicos obtidos durante esta nova fase da investigação. As investigações prosseguem sob a gestão das delegadas Luciana Canaverde e Jannira Laranjeira.
 
Em processo corrente na Décima Primeira Vara Criminal de Cuiabá, Especializada em Justiça Militar, Zaquel Barbosa confessou participação no esquema de interceptações. Ele indicou ainda a participação de políticos, colegas militares e membros do Ministério Público.

O também coronel Alexandre Ferraz Lesco e o cabo Gerson Ferreira Correa Junior, igualmente réus na Justiça Militar, também confessaram os crimes. Ato idêntico, benefícios de colaboração premiada foram negados em manifestação do MPE.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet