Olhar Direto

Quarta-feira, 30 de setembro de 2020

Notícias / Política MT

Barbudo diz que PSL está de portas abertas e não descarta aliança com MDB em 2020

Da Redação - Érika Oliveira

08 Set 2019 - 08:00

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Barbudo diz que PSL está de portas abertas e não descarta aliança com MDB em 2020
Nove meses desde que assumiu o comando do Planalto e “explodiu” em praticamente todos os estados do país, o PSL – ao menos em Mato Grosso – começa a adotar um discurso mais ameno ao praticado durante a campanha do ano passado. Retomando o fôlego das articulações políticas, já de olho nas eleições de 2020, o presidente da sigla em Mato Grosso, deputado federal Nelson Barbudo, garantiu que não irá fechar suas portas para nenhum partido – resguardadas as obvias exceções da extrema esquerda – e não descartou, inclusive, uma eventual aliança com o MDB, em uma possível reeleição de Emanuel Pinheiro.

Leia mais:
Barbudo desqualifica pesquisa do Datafolha e afirma que aprovação de Bolsonaro tende a crescer

“Possibilidade na política vai existir sempre. Eu, como presidente, não vou fechar a porta para nenhum partido. Mas ele [Emanuel] não conversou com o presidente nacional, porque o meu relacionamento com o Bivar é o seguinte: em Mato Grosso quem resolve é o Nelson. Ele não foi no meu gabinete e eu não deliberei quanto a isso, porque está muito cedo. Mas o PSL não fecha suas portas para ninguém. Isso não quer dizer que vamos coligar, mas vamos conversar”, declarou Barbudo, ao ser questionado sobre recentes declarações do prefeito a respeito de uma possível aliança com o PSL. Recentemente, Emanuel afirmou que iria a Brasília e que, em breve, anunciaria “novidades”.

“Nelson Barbudo e a mulher dele encontraram Emanuelzinho, que está sempre com ele, e até ligou para mim e falou: pai olha o que o Nelson Barbudo está falando... era ele e a mulher elogiando, empolgadíssimos com a gestão em Cuiabá”, declarou, na ocasião.

Cabe destacar que, em Mato Grosso, nas eleições do ano passado uma das principais “condições” de recém-filiados ao PSL para aderir ao partido, a exemplo da senadora Selma Arruda, era não ter no palanque partidos como o MDB, comandado no Estado pelo deputado federal Carlos Bezerra.

O tom ameno do discurso de Barbudo imprime uma “nova fase” da sigla, que nesta sexta discute, inclusive, a permanência de Selma Arruda em seu quadro de filiados. Segundo o presidente do partido, a saída da parlamentar, se confirmada, passa pela busca particular dela por acomodação.
 

Comentários no Facebook

Sitevip Internet